Chuva atrasa colheita da soja em Santa Catarina, mas produtividade deve ser similar à última safra

Publicado em 22/03/2019 10:43
840 exibições
Até o momentos, estado já colheu entre 40 e 50% do total da área e trabalhos, que deveriam se encerrar em abril, devem se estender até maio. Região oeste tem quebra de 20% na produtividade, mas demais regiões devem diminuir a lacuna com relação à última safra.
Enori Barbieri - Vice Presidente da FAESC

Podcast

Entrevista com Enori Barbieri - Vice Presidente da FAESC sobre o Acompanhamento de Safra da Soja

Download

LOGO nalogo

A chuva dos últimos dias está atrapalhando os trabalhos de colheita da soja em Santa Catarina. Até o momento, o estado está com 40/50% do total colhido e os trabalhos deve seguir até o início do mês de maio, ao invés de se encerrarem em abril como costuma acontecer no estado.

A região oeste, próxima à fronteira com a Argentina, foi a que plantou mais cedo e mais sofreu com as adversidades climáticas, registrando quedas girando os 20% na produtividade. Conforme a colheita foi avançando para outras regiões do estado e atingindo áreas plantadas mais tarde, essa queda foi diminuindo e a expectativa já é de média de produtividade próximas as do ano passado, na casa das 60 sacas por hectare.

Quando olha para o mercado, o produtor catarinense encontra um bom número de possibilidades de negócios, porém sofre com os preços que estão mais baixos do que em outros anos. De acordo com Enori Barbieri, vice-presidente da FAESC (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina), os produtores conseguiram preços de até R$ 84,00 no ano passado, e agora não chegam perto desse patamar.

“O produtor tem se assustado com o preço do valor de troca. No passado ele conseguiu comprar um pacote de custos para o plantio em um custo x, e esse ano quando ele volta para o mesmo pacote que ele precisa para refazer a próxima safra ele vê que os custos subiram muito e o preço da soja, com relação ao mesmo período do ano passado, caíram”, diz Barbieri.

Confira a entrevista completa no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • PAULO ROBERTO BRAZ FIORESE São Domingos - SC

    As lavouras de soja plantadas a partir de final de outubro (resteva de trigo) em diante estão apresentando perdas significativas de produtividade, em torno de 10 scs\ha. Ainda não tem uma explicação convincente para o fato. Particularmente penso que temperaturas minimas de 10 graus e máximas acima de 35 graus no mês de dezembro ocasionaram abortamento de vagens e PMS baixo (grãos chumbinho) aliado com severidade da ferrugem para plantios desta época.

    0