Vendas de soja do Brasil perdem ritmo com limitações de demanda e logística

Publicado em 27/03/2019 10:57 e atualizado em 27/03/2019 13:37
1356 exibições
Vendas de soja do Brasil perdem ritmo com limitações de demanda e logística
Eduardo Vanin - Analista de Mercado da Agrinvest

Podcast

Entrevista com Eduardo Vanin - Analista de Mercado da Agrinvest sobre a Demanda da Soja

Download

LOGO nalogo

Embora a China não seja a única consumidora de soja no mundo, como a maior de todas tudo o que por lá acontece impacta diretamente na formação dos preços da oleaginosa mundo a fora e no desenho do cenário global de demanda pela commodity. E já se sabe que 2019 será um ano diferente. 

Sentindo uma China menos compradora neste momento - em função de uma combinação de fatores - os produtores brasileiros já vêem a comercialização de sua soja 2018/19 um pouco mais travada neste momento. E há explicação para esse movimento um pouco mais lento, de fato.

Peste Suína Africana x Matéria-Prima x Produto Acabado

A peste suína africana é um dos principais fatores que pesa para a demanda chinesa por soja agora. Segundo explicou o analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities, o país tem sentido mais os efeitos da doença, que tem resultado na redução da população de suínos e, consequentemente, os efeitos que chegam até os suinocultores sejam eles pequenos, médios ou grandes. 

"Com uma menor população de suínos, se reduz também o consumo por ração, por ingredientes da ração, então o consumo de farelo também cai. Então, na China, por enquanto a demanda está doente e isso afeta diretamente os exportadores, entre eles o Brasil", explica Vanin. 

A peste suína continua se disseminando na nação asiática e causa bastante preocupação. 
O Governo Chinês, por sua vez, colocou medidas de incentivo para acelerar esse processo de controle da pesta, bem como indenizar os produtores com uma linha de crédito para a recomposição desses planteis. 

Entretanto, os grandes produtores que estão sendo mais privilegiados neste momento. Estas são operações mais tecnificadas, onde o controle sanitário é maior, o impacto da doença é menor, e favorece o mercado, uma vez que são esses os maiores demandadores de ração, consequentemente de farelo e da matéria-prima, a soja em grão. 

A China também vem comprando carne suína norte-americana, o que gera uma menor demanda por ração. Contudo, 15% da carne suína que a China importa vem do Brasil. "O Brasil tem exportado um pouco mais, principalmente com esses destinos - China e Hong Kong -, e nesse momento a gente vê um momento positivo para o exportador brasileiro de carne suína, e se exporta mais, a produção está maior e favorece a demanda local por milho e farelo", explica o analista. 

Importações da China X Exportações do Brasil

Para este ano, as perspectivas de importação de soja da China, ainda como explica Vanin, são de algo entre 83 e 85 milhões de toneladas. Confirmadas neste volume, o total seria algo perto de 10 milhões menor do que o do ano passado.

Em fevereiro, as compras chinesas de soja somaram 4,46  milhões de toneladas, contra 5,42 milhões do mesmo mês de 2018. Desse total, 1,99 milhão de toneladas teve origem no Brasil, enquanto pouco mais de 907 mil toneladas eram norte-americanas. Há um ano, essa situação era contrária - 3,35 milhões tinham origem nos EUA e 1,75 milhão no Brasil. 

Importações soja China fevereiro

Assim, os números mostram que apesar de estarem comprando menos, o que compram, os chineses ainda compram na América do Sul, a maior parte no Brasil. A oferta por aqui, afinal, ainda é mais atrativa - via preço e qualidade - e a guerra comercial com os EUA continua em curso. 

Os dados ajudam ainda a esclarecer o atual momento, em que o programa de exportações de soja brasileiro começa a mostrar um ritmo um pouco menos acelerado em relação aos meses anteriores, o que já vinha sendo esperado. 

Até o último dia 22 de março, o Brasil já havia embarcado 6,7 milhões de toneladas da oleaginosa no acumulado do mês, e o recorde para este mês é de 8,98 milhões. Deste total já embarcado, cerca de 50% teve destino China. 

Exportações soja Brasil março

E todos estes números ajudam a mostrar ainda que, mesmo com esse movimento um tanto desacelerado do maior comprador global da commodity, o produtor brasileiro ainda não sente uma pressão muito agressiva sobre os preços da sua soja até este momento, como explica o analista da Agrinvest. No enanto, diz também que com a quebra deste ano na safra do Brasil, se a demanda chinesa estivesse como no ano passado, os preços brasileiros estariam ainda melhores, com prêmios mais altos inclusive, o que este ano ainda não acontece. 

"Quem está pagando a conta hoje é o exportador. Se pegarmos o preço que roda hoje no Brasil, em reais por saca, e o preço que o comprador na China está pagando, existe uma diferença de cerca de US$ 15 por tonelada negativa. Então, hoje, o exportador que compra soja no Brasil, no interior, leva esse grão até o porto e dali para China, tem essa margem negativa de US$ 15 por tonelada para o exportador. E esse é importante indicador de que o nosso programa de exportação deve perder o ritmo em algum momento ainda nesse primeiro semestre", diz Vanin. 

Soja x Milho

Nos portos do Brasil, o que deve ser observado acontecendo mais cedo este ano, também como explica o executivo, será o programa de exportações do milho começando mais cedo, principalmente na medida em que as maiores ofertas do grão para exportação começarem a chegar, e uma redução nos embarques de soja. 

Segundo o analista, para continuar movimentando o mercado exportador, o milho deverá ter preferência em relação à soja nos próximos meses. 

E essa relação também tem influência da China. "Se a demanda chinesa estivesse como no ano passada, ela estaria pagando preços mais altos, absorvendo essa diferença dos US$ 15 por tonelada. Mas, como a China está recebendo mais oferta do que precisa, os prêmios nos portos chineses estão bem pressionados, então, isso mostra que a demanda não está normal, e é por isso que se espera essa mudança no programa da soja mais cedo este ano". 

Prêmios no Brasil e Logística

Todo esse cenário reflete diretamente nos prêmios brasileiros. Há algumas semanas, as margens de esmagamento na China deram algum sinal de melhora, refletindo em mais compras, o que ajudou imediatamente os prêmios no Brasil. Na sequência, o movimento foi inverso no país asiático, e os prêmios brasileiros voltaram a cair. 

Na sequência, uma alta do frete marítimo em função do petróleo mais caro também se reverteu em custos maiores, o que provocou uma nova baixa nos prêmios no Brasil. "Isso tudo mostra que a China não está absorvendo neste momento altas de custos. E quando a margem por lá cai, vemos uma situação de compras mais baixas aqui no nosso mercado", relata. 

Já é possível observar, em imagens de satélites, que embora ainda considerável, o fluxo de navios dos portos do Brasil para a nação asiática é um pouco menor do que o se observava há pouco. 

As imagens abaixo, compiladas pela especialista Karen Braun, da Reuters Internacional, e vindas da Williams Shipping, uma agência internacional de serviços logísticos marinhos, mostram - nos pontos verdes - os navios carregados com soja nos portos de Santos e Paranaguá. Respectivamente, o porto paulista responde por 34% dos embarques de soja do país e o paranaense, 18%.

Lineup Santos

Lineup Paranaguá

Na imagem seguinte, de 22 de março, do sistema Refinitiv Eikon, mostra também o fluxo dos navios se dirigindo do Brasil para a China. 

Lineup 22 de março

Concorrência

A China segue comprando soja, mas em menor volume, isso já é sabido. E suas compras seguem concentradas na América do Sul. Não só o Brasil oferece boa oportunidade para os compradores, mas também a Argentina este ano. A recuperação da safra do país vizinho permitiu que os argentinos viesse mais agressivos ao mercado e também vendem consideravelmente bem para os chineses. 

"Para embarque maio, a Argentina é a mais competitiva", diz Vanin. "Mas a soja brasileira é a mais barata e o Brasil deve manter sua liderança", completa. 

Um quadro comparativo da ARC Mercosul, com referências desta última terça-feira (26), mostra que para maio, os prêmios são negativos na Argentina em 5 cents de dólar, com a tonelada da soja valendo US$ 336,20, contra US$ 349,90 em Paranaguá - com prêmio positivo de 46 cents - e US$ 353,20 no Golfo americano, com prêmio de 55 centavos de dólar, no mercado FOB.

No físico, em reais por saca, Rosário, na Argentina, tem R$ 51,77; Sorriso/MT, R$ 59,95 e Iowa, nos EUA, 68,82. 

Soja ARC Mercosul

Racionamento da Demanda

E um racionamento da demanda que vinha sendo esperado para acontecer no segundo semestre no Brasil, ainda como explica o analista da Agrinvest Commodities, já está acontecendo. 

"Essa margem negativa para o exportador é uma forma de racionamento da demanda. O preço tem que fazer seu papel de reduzir a demanda e isso já está acontecendo. E o produtor tem que ficar atento porque se esta demanda para exportação realmente for menor, haverá menos disputa com a indústria nacional e isso tende a trazer menos prêmio para sua soja. O racionamento é necessário e já está acontecendo", conclui. 

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • geraldo emanuel prizon Coromandel - MG

    Uma interpretação de mercado completamente inversa a minha...

    0