Governo Bolsonaro é contra a moratória da soja e não aceita embargos da Abiove

Publicado em 31/10/2019 07:13
6776 exibições
Assessor da Presidência da República, Abelardo Lupion, manifesta apoio aos produtores de soja que estão sendo embargados pela Abiove. "Esta entidade se submete às pressões de alguns países da Europa, colocando-se contra a soberania do Brasil"
Abelardo Lupion - Sec. Esp. Presidência da República para Relacionamento Externo

Podcast

Governo Bolsonaro é contra a moratória da soja e não aceita embargos da Abiove

Download

Em reação aos embargos que a Abiove (entidade que reune as empresas compradoras de soja no Brasil) está promovendo contra produtores da Amazonia Legal, o assessor da presidência da República, Abelardo Lupion fez ontem, ao Notícias Agrícolas, contundente manifestação de apoio aos agricultores impedidos de comercializarem grãos com essas traders. 

Lupion diz que o Governo Bolsonaro tem conhecimento que os produtores estão instalados nos Estados do Arco Norte do País (Pará, Mato Grosso e Matopiba) desde a abertura da Rodovia Belém-Brasília (portanto, há mais de 20 anos), e que possuem licença ambiental aprovadas pelos seus Estados (em acordo com o Código Florestal) para produzirem grãos em suas propriedades. 

--"Portanto, diz Lupion, é inadmissível que esta entidade se submeta às pressões de alguns países da Europa contra nossos produtores. Além de ilegal, esta perseguição significa uma afronta à nossa soberania". 

O assessor da Presidencia da República diz que o Governo está acionando a Advocacia Geral da União para investigar as licenças dessas empresas internacionais que operam no Brasil. "Não vamos admitir intromissão em nosso território, e muito menos paralisar a produção de alimentos nesses Estados", asseverou.

Somente em um municipio do Pará, Dom Eliseu, já são 63 as fazendas embargadas pela Abiove. Em alguns casos, o embargo também tem apoio do Ibama, que vem cassando a licença ambiental e impedindo o funcionamento das propriedades rurais.

Os agricultores dos Estados afetados pela ação da Abiove planejam promover manifestação em Dom Eliseo no proximo dia 10 de novembro. O movimento de reação está ganhando grande participação de agricultores e entidades.

(Acompanhe a entrevista do assessor da Presidencia da República, Abelardo Lupion, no video acima).

Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    De onde surgiu esse poder da Abiove? Vejam que não é pouca coisa, pois, não podendo impedir o cultivo, proíbem a comercialização. ... Como chegamos nesse ponto? A quem está servindo a Abiove? De todos os levantamentos realizados, a da Abiove é de longe o mais nocivo ao produtor rural. Seus relatórios e previsões são sempre baixistas para o preço, otimizando a produção e diminuindo o consumo. Com o acesso à internet, os produtores rurais deviam se organizar para formar uma entidade própria para análise e produção de estatísticas. Aliás, o produtor rural paga muito e não recebe quase nada pelo dinheiro recolhido aos cofres de governos federal, estaduais e municipais. A ministra da agricultura devia reformular completamente a Conab, muito cara para a sociedade pelo serviço que presta.

    3
    • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

      E diga-se de passagem que um dos sócios da ABIOVE é a AMAGGI, empresa de um brasileiro (ex-Governador, ex-Ministro e ex-Senador), que, pelo jeito, joga contra o Brasil e seus produtores rurais. Lamentável quando brasileiros jogam contra o Brasil.

      4
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. Rodrigo. Li em algum lugar: sociedades que optam em exportar commodities primárias (agrícolas e minerais), estão optando para a permanência do papel de coadjuvantes no mercado global. O aumento de renda da população é obtido agregando valor nos bens produzidos e, consumido no mercado interno, sendo o excedente exportado. ... Com um detalhe muito importante, detalhe este que é a principal causa da "guerra comercial entre os EUA & China... Os produtos produzidos devem ser obtidos com "tecnologia própria". ... Ou seja ... Zero royalties ... de pagamento para o país detentor da tecnologia aplicada na produção dos bens consumidos pelos seus habitantes. ... O programa "MADE IN CHINA 2025" prevê a produção de 70% dos bens consumidos no país em 2025 com tecnologia própria. ... Dá para imaginar esse valor em US$ que os países "exportadores de tecnologias" vão deixar de arrecadar em royalties. ...

      Veja o caso do Brasil... Maior exportador de minério de ferro & soja em grãos do mundo. Mas, a sua participação financeira beira aos míseros 2% do volume das exportações mundiais. Ou seja, somos um país que participa de grandes volumes exportados... mas, quanto ao resultado financeiro...

      3
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Eu acho que o Maggi usa está de artimanha para combater os produtores concorrentes (que tem condiçoes de produzir soja de forma mais economica do que ele)... Sera???

      1
    • Eurypedes Ribeiro Jr.

      Concordo com o autor e temos que reforçar o apoio ao governo sob pena da oposição conseguir retornar ao poder.

      2
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Segundo consta a ABIOVE é: Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais... Veja que de "indústria a indústria" (ABIOVE a ABITRIGO) o produtor rural é esfolado sem anestésico. A "dor" é a anestesia pois, fica berrando a altos brados e se esquece de atacar a causa que lhe provoca a "dor".

      Não vou elencar os procedimentos para não sermos esfolados, cada qual já tem em mente como livrar-se, só falta a atitude...

      0
  • Vitor Rossetto Lucas do Rio Verde - MT

    Todo mundo é inocente até que se prove ao contrário, menos o agricultor..., primeiro ferram com ele e depois ele que se dane pra provar que não está fazendo nada errado..., tudo arquitetado por governos que não conseguem competir com nossa capacidade produtiva, que já acabaram com suas matas nativas e que nosso antigo governo comunista cedeu a pressão..., devíamos é deixar passando fome por um ano, quem sabe aprendiam de onde sai a comida da mesa deles.

    2