Preços da soja no Brasil tendem a recuar em março e produtores devem repensar estratégia de comercialização

Publicado em 19/02/2021 16:53 e atualizado em 19/02/2021 20:32 7748 exibições
Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting
A oferta de soja em março pode chegar concentrada e representar mais de 70 milhões de ton

Podcast

Entrevista com Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting sobre o Fechamento do Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

"O mercado da soja está fechando uma semana boa", resume o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, com ganhos sendo registrados para os futuros da soja negociados tanto na Bolsa de Chicago, quanto no mercado brasileiro. Os últimos dias foram marcados por uma enxurrada de informações, as quais poderiam pesar sobre os preços e resultar em um saldo negativo, mas a condição foi contrária. 

Na CBOT, o contrato março/21 subiu na semana 0,36% para US$ 13,77; o maio 0,66% para US$ 13,80 e o agosto, 0,99% para US$ 13,27 por bushel. Ainda segundo Brandalizze, boa parte deste suporte veio dos desdobramentos dessa severa e intensa onda de frio que chega não só aos Estados Unidos, mas em todo hemisfério norte. 

"O inverno extremo está causando um aumento de demanda de rações pelos animais, que consomem mais pelo frio. E se ele consumir o mesmo volume, mas com todo esse frio, ele não garante o mesmo ganho de peso (...) Assim, considerando todo o plantel mundial, são 4 milhões de toneladas a mais de ração por dia consumidas, e tudo isso é reflexo em demanda maior de soja, de milho, e também nos dados finais, sobre os estoques finais", explica Brandalizze. 

Trata-se de uma "demanda extra" em um quadro de oferta e consumo já extremamente ajustado. No entanto, o fôlego que estas condições poderiam oferecer aos preços poderiam se dar sobre o médio e longo prazo. 

"O mercado já está, afinal, com esse quadro (de oferta e demanda) absorvido, a safra brasileira vai chegar a todo vapor, já está comprometida. Mas é também um bom sinal porque diminui a diferença entre o curto e o médio/longo prazos. Essa demanda adicional pode dar um ajuste e melhorar as condições mais a frente, da safra 2021/22", complementa. 

Leia Mais:

+ Severa onda de frio nos EUA se soma a preocupações já grandes com a seca no país

+ EUA: Nova tempestade de inverno traz mais neve e compromete cadeias agropecuárias


USDA AGRICULTURAL OUTLOOK FORUM

A semana também foi marcada pelos novos números divulgados nesta quinta (18) e sexta-feira (19) pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seu Agricultural Outlook Forum para a temporada nova. Foram reportados números de produção, produtividade, estoques iniciais e finais, exportação e esmagamento "Gostei do número. Foi um número bom, bem pé no chão, já temendo que pode haver limitação de potencial produtivo pelo clima nesta temporada", afirma Brandalizze. 

Afinal, mais do que essa onda forte de frio, o tempo seco nos EUA preocupa mais, já que há mais de 60% do território norte-americano sofrendo com alguma condição de seca. 

A produção de soja foi estimada em 123,15 milhões de toneladas, com uma produtividade média esperada inicialmente de 56,93 sacas por hectare. Na safra 2019/20, os números são de, respectivamente, 112,54 milhões e 56,26 sacas por hectare. 

Os estoques iniciais de soja nos EUA estão estimados em 3,27 milhões de toneladas e os finais em 3,95 milhões. Para a temporada atual, os estoques finais ainda são projetados em 3,27 milhões de toneladas. Ou seja, apesar do aumento expressivo da área destinada à oleaginosa, os estoques americanos seguem apertados. 

No front da demanda, as exportações da nova temporada são estimadas em 59,87 milhões de toneladas, menos do que na safra anterior, de 61,23 milhões, de acordo com a última estimativa do USDA. Já para o esmagamento, o departamento estima 60,15 milhões de toneladas, contra 59,87 milhões do ano comercial atual. 

Com estes números, a relação estoque x uso da soja nos EUA é estimada pelo USDA em 3,2%, ligeiramente maior do que a deste ano, de 2,6% e terceira mais apertada da história. O preço médio esperado pelo departamento para a commodity é de US$ 11,25 por bushel, contra US$ 11,15 da temporada anterior. 

Para a soja, as primeiras projeções do USDA indicam uma área de 36,42 milhões de hectares (90 milhões de acres), quase em linha com a média das expectativas do mercado de 36,34 milhões de hectares (89,8 milhões de acres). 

+ USDA estima área recorde combinando soja e milho nos EUA para safra 2021/22

+ USDA Outlook Forum estima safras maiores nos EUA, mas estoques ainda apertados de soja e milho

BRASIL: COLHEITA, LINEUP E NOVOS NEGÓCIOS

A colheita brasileira caminha em um ritmo já um pouco melhor, o que também melhora - ainda que ligeiramente - as operações de embarque de soja nos portos brasileiros. Todavia, adversidades climáticas ainda comprometem alguns elos da cadeia de distribuição e escoamento da oleaginosa no Brasil. 

O lineup brasileiro da soja cresce todos os dias com a dificuldade dos embarques nos portos brasileiros e já chega a 15,9 milhões de toneladas, com tendência de alcançar um número maior até o final desta semana. As atuais condições de clima no Brasil comprometem bastante o escoamento e o embarque da nova safra e já causa preocupações ao mercado. E até o último dia 15, apenas 8% desse volume já havia sido embarcado. 

+ Lineup de soja no Brasil cresce diariamente, com clima adverso, e já se aproxima de 16 milhões de t

Nas imagens abaixo, é possível observar que o fluxo de navios carregados com soja indo do Brasil para a China está melhorando gradativamente. No entanto, é possível perceber também que o volume de embarcações é menor do que há um ano. 

Fluxo de navios com soja do Brasil para a China

Fluxo de navios com soja na rota Brasil - China em 19 de fevereiro de 2021

Fluxo de navios com soja do Brasil para a China

Fluxo de navios com soja na rota Brasil - China em 12 de fevereiro de 2021

Fluxo de navios com soja do Brasil para a China

Fluxo de navios com soja na rota Brasil - China em 26 de fevereiro de 2020

Na semana, os preços nos portos acumularam pequenas altas nas principais referências. Em Paranaguá, o produto disponível e para março tiveram alta de 0,61% para R$ 166,00 e R$ 165,00 por saca, respectivamente. Em Rio Grande, altas de 0,30% e 0,31% para R$ 165,00 e R$ 163,00. A sustentação das referências veio do avanço em Chicago e do dólar ainda alto, mas foram limitadas pelos prêmios que estão bastante pressionados. 

"No Brasil, há uma tendência de pressão de baixa. Caminhamos para uma acomodação do câmbio, e aí as cotações neste período de pico de safra que deve se dar na virada de fevereiro para março podem passar por uma pressão de baixa nos valores em reais", acredita Brandalizze. 

Colheita de soja 2020/21 do Brasil chega a 12,4% da área, com atraso, diz Safras

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja 2020/21 do Brasil, maior produtor e exportador global da commodity, chegou a 12,4% das áreas, estimou a consultoria Safras & Mercado nesta sexta-feira, sinalizando atraso em relação a anos anteriores.

Uma semana atrás, os trabalhos haviam alcançado 7,1% das lavouras da oleaginosa, de acordo com a consultoria. O plantio tardio, em função de uma seca no início da temporada, e chuvas entre janeiro e fevereiro dificultaram o avanço das colheitadeiras.

"Os trabalhos estão atrasados em relação ao ano passado, quando 30,4% da safra já estava colhida, e também atrás da média normal para o período, que é de 26,6%", afirmou em nota.

O Estado de Mato Grosso lidera a colheita, com 34% das áreas, seguido por Goiás com 14%. Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Tocantins vêm na terceira posição com 5% das áreas colhidas cada um.

Na média histórica para o período, Mato Grosso estaria com 55,8%, Goiás com 31,4% e Paraná com 26,8%, destacou a Safras, enfatizando o atraso nos trabalhos regionais que reduziram a oferta disponível do grão.

Rabobank eleva projeção para safra de soja 20/21 do Brasil com chuvas favoráveis

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita brasileira de soja deve alcançar 132,5 milhões de toneladas na safra 2020/21, estimou o banco holandês Rabobank à Reuters, ao elevar sua projeção diante de chuvas favoráveis ao desenvolvimento da cultura em diversas regiões produtoras.

No mês passado, a instituição financeira estimava a safra do maior produtor e exportador da oleaginosa no mundo em 131 milhões de toneladas.

"Houve uma alteração na projeção mais recente do Rabobank para a soja... devido às boas chuvas durante os meses de janeiro e fevereiro nas principais áreas produtoras", disse o banco.

Na mesma linha, a área de plantio da oleaginosa foi revisada ligeiramente e passou de 38,19 milhões de hectares para 38,3 milhões.

Para milho, a perspectiva é que a produção total do Brasil alcance o recorde de 107 milhões de toneladas, em uma área de 19,2 milhões de hectares, cerca de 4,3% acima da semeadura vista no ciclo anterior --em linha com projeção divulgada pelo banco no fim de 2020.

Em novembro, o Rabobank disse que a China deverá importar pela primeira vez 100 milhões de toneladas de soja em um ano-safra, na medida em que amplia compras para recompor seu plantel de suínos afetado por uma doença fatal para porcos, adicionando mais um fator altista para o grão.

Quanto ao milho, a instituição acredita em aumento na área do Brasil independentemente de eventuais dificuldades para se plantar a segunda safra, em meio ao atraso da colheita de soja, considerando que os preços do cereal também atingiram níveis recordes no país.

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Carlos William Nascimento Campo Mourão - PR

    Já tem contratado e vendido umas 78 mi de toneladas. Mais 70 mi de toneladas que, segundo essa reportagem, serão vendidos em março. Realmente a safra será grande. 148 mi de toneladas vendidas. E ainda vai sobrar aqueles que não venderão em março. Santo Deus, acho que a safra vai passar de 180 mi de toneladas.

    4
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. CARLOS, veja como papel aceita tudo! ... Até previsões de idiotas pagos para ferrar o produtor rural ...

      2
  • Cácio Ribeiro de Paula Bela Vista de Goiás - GO

    Um pouco pra lá, um pouco pra cá...(números da safra soja 20/21). Poucos poderão discordar de que boa parte dessas 70 milhões de toneladas já foi vendida ao longo dos últimos 12 meses. Portanto, a dita pressão não deverá ocorrer na magnitude descrita na entrevista em apreço.

    A conferir!!

    2
    • Carlos William Nascimento Campo Mourão - PR

      Isso é pura fakenews. Tentando influenciar produtor a vender soja barato. Por aqui, cooperativas já oferecem ágio pra quem entregar soja no mês de fevereiro. Navios estão esperando pra carregar e não tem soja suficiente. Mato Grosso tem previsão de chuvas pra mais 16 dias. Não esqueçam, muito do que dizem aqui é pra tomar sua produção bem baratinha.

      2
    • Leodir Vicente Sbaraine Terra Roxa - PR

      Pura verdade Sr. Carlos, abram os olhos, a comida está super escassa no Mundo; e querem nos Ludibriar pra comprarem bem Barato nossos Cereais, Bem Isso pessoal...

      2