Farelo de soja na China sobe 7% em abril e se movimento de alta se consolidar, vendas do grão no Brasil devem ganhar ritmo

Publicado em 07/04/2021 16:59 e atualizado em 07/04/2021 19:01 1673 exibições
Eduardo Vanin - Analista de Mercado da Agrinvest
Clima favorável ao plantio americano nos próximos 15 dias enfraquece mercado da soja em Chicago

Podcast

Preços do farelo de soja na China dão indícios de melhora e se movimento se consolidar, vendas no Brasil devem destravar

Download

LOGO nalogo

Depois de iniciarem o dia em alta na Bolsa de Chicago, as cotações da soja voltaram a recuar e fecharam o dia em baixa na sessão desta quarta-feira (7). Os futuros da oleaginosa terminaram o dia com perdas de 0,50 a 10 pontos nas posições mais negociadas, levando o maio a US$ 14,08 e o setembro a US$ 13,01 por bushel. 

Parte desta pressão se deu pelas boas condições de clima nos Estados Unidos para o início do plantio da safra 2021/22 do país, começando pelo milho e, na sequência, o da soja. 

"Ao que tudo indica, se o clima continuar assim, teremos um plantio rápido, uma germinação rápida, diferentemente do que se deu nos últimos dois anos, e aí esse clima parece que trará um risco menor em termos de quebra, para o milho neste momento, e para a soja também", explica Eduardo Vanin, analista de mercado da Agrinvest Commodities. 

Mantendo-se este cenário, as mudanças na área de ambas as culturas podem começar a aparecer, com algum aumento podendo ser registrado. O mês de abril deve ser benéfico, de acordo com as últimas previsões, e isso sinaliza essa pressão sobre as cotações. 

"Neste momento, o weather market é o cartão de visitas. Quando o mercado climático se der como nós conhecemos, vamos ver uma maior volatilidade", diz o analista. Aos poucos, portanto, o mercado vai acompanhando as questões do clima e essa opção do produtor americano pela possibilidade de aumentar a área, o que poderia vir pelos preços ainda altos em Chicago. 

Em contrapartida, os preços do farelo de soja voltando a subir na China sinalizam essa melhora da demanda chinesa, podendo intensificar suas compras no mercado brasileiro ainda para cobrir sua demanda para os meses mais próximos. Caso isso se confirme, o movimento poderia dar mais espaço ao avanço da comercialização no Brasil, inclusive, com uma melhora dos prêmios no mercado nacional. 

Leia Mais:

+ Soja: O que esperar da China? Contínua demanda forte, inclusive, pela necessidade política

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário