Pesquisa ataca eficiência da produção do etanol 2G em parceira com empresas. Com cana energia, multiplica-se rendimento

Publicado em 01/12/2017 16:00 871 exibições
Além de pesquisar a produção de enzimas, utilizadas na ‘quebra’ da celulose do bagaço e da palha, no local da planta industrial, barateando os custos em 30%, estudos tentam melhorar a performance do movimento mecânico da biomassa, um dos gargalos industriais. Quanto à cana energia, com a produtividade de 240 t/ha, a equivalência é de 240 barris de petróleo – a sacarina, convencional, com 80 t/ha, a proporção é de 80 barris. Zillor, Raízen, GranBio, São Martinho e outras são parceiras do CTBE.
Por:
Giovanni Lorenzon
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • dejair minotti jaboticabal - SP

    Drª. Carolina, penso que a área de pastagens no Brasil gira em 170 milhões de hectares, caso 60% esteja degradada, aumentando, pois a pecuária brasileira evoluiu muito, teremos em torno de 100 milhões de hectares de pastagens degradadas e não 200 milhões como citado... Vamos reflorestar esses 100 milhões degradados e pagar créditos de carbono aos pecuaristas e sermos mais produtivos usando tecnologia na área não degradada .É uma idéia...

    5
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Aqui na região de Itapetininga já fizeram isso uns dez anos atras-----Estão todos altamente arrependidos -----Tirando o custo de corte da madeira mais o transporte só sobra o custo do plantio----CONCLUSÃO SETE ANOS DE GANHO ZERO---Imaginem plantar 100 milhões de hectares-----

      1