Boi Gordo: Mercado lento (Crise econômica reduz abate de bovinos ao menor nível em cinco anos)

Publicado em 15/12/2016 17:00
147 exibições
SCOT + FOLHA DE S. PAULO (por Mauro Zafalon)
Sem alterações significativas no mercado do boi.

Ao que tudo indica, o cenário para as duas semanas restantes do ano está bem definido e não deveremos ter grandes surpresas.

O pouco apetite pelas compras por parte dos frigoríficos resulta em um mercado em ritmo lento.

Existem algumas indústrias com programações mais apertadas, mas não representam o quadro típico neste momento.

Mesmo diante de um mercado com demanda calma, a pressão baixista não é intensa. 

No mercado atacadista de carne bovina com osso, preços estáveis.

A margem dos frigoríficos está em patamares bem melhores que os verificados no decorrer do primeiro semestre.

Clique AQUI e confira as cotações do Boi.

Crise econômica reduz abate de bovinos ao menor nível em cinco anos

(MAURO ZAFALON, na FOLHA DE S. PAULO)

O abate de bovinos no terceiro trimestre foi o menor em cinco anos para esse período do ano.

Foram abatidos 7,32 milhões de animais e produzido 1,83 milhão toneladas de carcaça.

Recessão econômica, queda de renda e competitividades das demais carnes, mais baratas do que a bovina, foram responsáveis por essa redução nos abates.

Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgados nesta quinta-feira (15).

Os líderes nacionais em abates são Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Nos três primeiros trimestres do ano, o país abateu 22,3 milhões de animais, 3% menos do que em igual período do ano passado, segundo o IBGE.

Ao contrário do que ocorreu com os bovinos, o abate de suínos é recorde, somando 10,6 milhões de animais no terceiro trimestre deste ano.

No ano, foram abatidos 31,1 milhões de animais, com alta de 7% ante igual período anterior.

Os líderes nacionais em abates de suínos são Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

A produção de carne suína teve bom desempenho porque o mercado externo foi bastante receptivo ao produto brasileiro. As exportações de carne "in natura" de janeiro a setembro superam em 22% as de igual período de 2015.

O setor de frango, com abates de 1,47 bilhão de aves no terceiro trimestre, também perdeu ritmo em relação ao período de julho a setembro de 2015. A queda foi de 2%.

Já no acumulado do ano, quando os produtores enviaram 4,45 bilhões de aves para os abatedouros, a evolução foi de 4% em relação a igual período do ano passado.

O setor de proteínas foi afetado neste ano pela forte elevação dos preços da matéria-prima básica para a alimentação dos animais.

Parte da queda de produção ocorreu não só pela demanda menor mas também pela perda de fôlego das indústrias de menor porte devido à dificuldade na compra e à alta do milho.

Fonte:
Scot Consultoria + FOLHA

0 comentário