Juros nos EUA x Soja: Alta da taxa nos EUA pode elevar preços no Brasil, por Apexsim

Publicado em 02/12/2016 12:53
810 exibições
Os autores são Guilherme Zanin e Filipe Dawson, economistas da Apexsim

Em um mundo globalizado como o atual, onde notícias movem-se rapidamente, uma quebra ou melhora nas expectativas dos agentes do mercado pode afetar vertiginosamente as cotações no mercado financeiro. Como todo produtor rural bem sabe, uma mudança nos relatórios USDA da safra Americana, Argentina ou Brasileira afeta o resultado final da sua colheita, fazendo os preços da soja subirem ou descerem. O produtor moderno sabe que tem que ficar cada vez mais atento aos fatos que estão ocorrendo ao redor do planeta.

No último ano, um dos principais fatores que moveram o mercado financeiro foi a especulação de quando o Banco Central Norte Americano aumentaria os juros no seu país. Hoje em 0,25% a.a., esta taxa é a mínima histórica há mais de 2 anos. Em contraste, a taxa de juros brasileira (14% a.a.) demonstra que precisamos pagar muito mais para receber investimento estrangeiros. Investidores no mundo todo preferem aplicar o seu dinheiro nos Estados Unidos mesmo recebendo tão pouco, tamanha a sua credibilidade como pagador. E isto tem implicações muito grandes sobre as cotações de todas as moedas, além das commodities, pois se a expectativa lá é tão alta, imagine se eles começarem a pagar mais que os 0,25% ao ano.

Há anos existe especulações sobre quando a presidente Janet Yellen aumentaria os juros nos Estados Unidos, porém no final de 2016 o fato está para se concretizar com mais de 95% de certeza. O que muitos produtores nos perguntam agora é: Qual o impacto da variação dos juros americanos nos preços do dólar e da soja?

Para responder esta pergunta, nosso grupo de economistas decidiu realizar algumas análises financeiras. Todos os estudos foram verificados através de testes econométricos, como Engle-Granger, que analisam a causalidade dos impactos e quais ativos possuem precedência temporal. O período analisado foi entre janeiro de 2009 e junho de 2016 e as cotações são da soja CEPEA-Esalq (Porto de Paranaguá), Chicago, dólar US$/BR$ e juros futuros americanos de 1 ano (T bonds 1 Year).

Incialmente, é possível verificar uma correlação positiva de grande importância entre os juros americanos de 1 ano e a variação da moeda brasileira R$/U$. Como é de se esperar, se os juros lá aumentam, a nossa moeda fica menos atraente e os preços sobem. 

Gráfico Apexsim 1

Como o produtor bem sabe, uma valorização da moeda americana é benéfica também para os preços das commodities. Este é um importante indicador de inflação, e como todo brasileiro sabe, o aumento dos preços tende a valorizar dos alimentos básicos. Graficamente fica evidente a correlação positivamente entre a alta do dólar nos últimos 5 anos e o aumento de preços da soja.

Gráfico Apexsim 2

Além do mais, sendo o Brasil um dos grandes produtores mundiais de soja, é notória a paridade dos preços locais com o mercado internacional. Ao longo dos últimos 7 anos, os preços da soja Paranaguá e Chicago oscilaram paralelamente, sendo a alta recente do dólar/R$ um importante fator para o aumento do spread entre os mercados. Esta é uma implicação importante, pois um aumento das moedas, que não seja a americana, faz a soja americana mais barata e a soja internacional (Brasil/Argentina) mais cara.  Esta correlação negativa entre commodities soja Chicago e juros americanos tenderia a pressionar os preços de lá durante a elevação de juros do Federal Reserve.

Para resumir ao produtor: um aumento de juros (1 Year Bonds) nos Estados Unido tende a diminuir os preços da soja em Chicago, porém, também faz o dólar ficar mais forte e a soja Brasileira também, aumentando o diferencial de preço entre os mercados. 

Conforme visualizado nos gráficos, seria razoável então supor que:

1 - Se os juros americanos subirem na próxima reunião do FED, o dólar aqui irá subir, correto?

2 - Se o dólar aqui valorizar, os preços da soja no Brasil irão subir também, certo?

3 - Porém, se o dólar subir em relação a outras moedas, os preços da soja em Chicago caem e consequentemente seguram os preços no Brasil devido ao aumento do spread, ok?

Estas correlações positivas entre juros americanos e dólar/R$ e negativas entre juros e soja Chicago podem ser quantificadas através de regressões econométricas. Com isto, podemos calcular o diferencial entre os impactos no preço da soja local e saber se um aumento dos juros americanos aumenta ou diminuiu os preços da soja local.

Realizando uma regressão entre Bonds de 1 ano, soja Chicago e Dólar Real, pode-se verificar graficamente a relação positiva e negativa entre os indicadores. A regressões exponencial ajustou-se ao grande grupo de retornos dos últimos anos, visto que os juros futuros americanos se mantiveram baixo por um longo período.

Gráfico Apexsim 3

Pode-se visualizar que juros baixos nos Estados Unidos mantêm os preços da soja em Chicago em alta. Porém, se eles começarem a subir, os preços tendem a cair gradativamente, não muito longe da média. Já quando os juros lá estão baixos, a moeda brasileira ganha valor em relação ao dólar. Entretanto, um aumento dos juros faz a moeda brasileira se desvalorizar significativamente.

Nota-se  que a amplitude dos retornos do R$/US$ são muito superiores à tendência exponencial quando os juros aumentam, o que demonstra que uma variação no câmbio seria muito mais sentida pela moeda brasileira do que uma variação na soja CBOT. Isto entre em consonância com a teoria econômica, visto que a commodity possuí demanda menos elástica (menos susceptível à oscilações de demanda) a fatores exógenos (externos) devido a utilidade fixa. Já uma variação nos juros tende a impactar mais que unitariamente em ativos cambiais, principalmente a moeda brasileira, fazendo-a se valorizar.

A conclusão que o produtor pode esperar é que um aumento dos juros americanos (Bonds 1 Year) tende a aumentar os preços do dólar no Brasil. Além disso, a correlação entre a soja brasileira e o dólar teria por consequência uma grande valorização dos dois indicadores. Entretanto, o aumento do FED irá tornar a soja de Chicago mais barata que a soja Brasileira, aumentando o diferencial e segurando o preço. Este diferencial, apesar ser negativo para soja local, possui um impacto menor que a variação cambial positiva, sendo esta muito mais dispersa. Nossa expectativa é que vista a resiliência dos preços internacionais aliada ao grande aumento do dólar/R$ irão valorizar significativamente os preços da soja no Brasil.

Tags:
Fonte: Apexsim

1 comentário

  • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

    O trabalho exposto mostra consistência técnica na avaliação das correlações propostas entre o preço da Soja, paridade cambial e juros. Entretanto, o período posto em avaliação contemplou fatores que não foram diretamente incluídos e que influenciaram diretamente na composição dos preços da Soja. Cito como exemplo a forte seca nos Estados Unidos em 2011-2012 que diminuiu significativamente o estoque de passagem, ao mesmo tempo em que a demanda manteve-se forte na Asia. Os efeitos do cambio e dos juros nos Estados Unidos nesse período parecem não ter gerado maiores repercussões sobre os preços alcançados pela Soja, os quais atingiram patamares recordes devido a escassez. Penso que em condições de relativo equilíbrio entre a Oferta e a Demanda, o peso do cambio e dos juros poderão sim contribuir de maneira mais evidente para uma maior ou menor volatilidade. Sugiro aos colegas Economistas que incluam nos seus modelos econométricos o Petróleo, como um dos fatores relevantes de influência sobre os preços da Soja. Parabéns pelo excelente trabalho que melhora ainda mais a qualificação do Noticias Agrícolas.

    0
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Eduardo..voce acredita que os americanos vão subir os juros!!!!! estão falando isto a quantos anos!!!! só fofoca pra encher noticiario...outra coisa se subirem os juros vai ser micharia e voce acredita que isto tem alto impacto no preço da soja!!!!au meu ver ocorre o contrario..hoje quem joga a soja pra cima são os fundos...se as safras continuarem normais e a taxa de juros subir vao comprar dolar e deixar a soja papel de lado caindo o preço da soja..é isto mesmo ou minhas convicções estão erradas...

      3
    • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

      Senhor Dalzir, respeitosamente divirjo da sua opinião, pois acredito que os juros nos Estados Unidos deverão subir e acho que isso deveria ter ocorrido há bastante tempo. O impacto dos juros sobre a formação dos preços dos ativos e/ou produtos ao redor do Mundo ocorre em ondas. Essa situação deslocará para cima o custo de captação dos Bancos e conseqüentemente encarecerá o crédito. Criará uma pressão elevada sobre o Ponto de Equilíbrio das atividades produtivas, retirando do mercado quem não estiver em condições de ajustar-se e na seqüência poderá impactar na oferta com os conhecidos reflexos sobre os preços, caso a demanda mantenha-se firme. Demanda Firme e Crédito Escasso deverão ser as tônicas na minha forma de ver, o que gerará uma forte concentração na base da oferta porque muito poucos terão condições de permanecer no jogo. O papel dos fundos de investimento continuará relevante nesse mercado, mas com certa realocação dos recursos para Renda Fixa nos Estados Unidos em função do aumento das taxas de juros.

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      As tuas convicções são somente opiniões de quem não compreende o mecanismo de formação de preços. Se comprarem dólares o real se desvaloriza e o preço sobe internamente beneficiando os produtores, mesmo que em cima dos consumidores nacionais, quem se favorece com isso são os importadores de commodities brasileiras. A verdade é que a curva de juros está para baixo e mesmo assim o preço não cede em Chicago, o dólar está valorizando e o preço está em tendencia de alta, se continuar assim os preços no Brasil vão subir e ponto. Logo, logo o governo brasileiro vai ter que aumentar juros novamente para conter a inflação. O governo Temer acabou.

      0
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Caro Rodrigo..se os fundos comprarem dolares sabemos que o real desvaloriza...mas os fundos saem do soja papel caindo Chicago...logo trocamos 6 por meia duzia...o Temer vai contrata-lo para ministro da fazenda...voce é o cara certo...quem sabe o Trump...a inflação brasileira vem caindo e só voltará a subir por quebra de safras ou por fato novo político...claro que poderá ter percalços de sazonalidade mas trajetoria de curto..medio e longo prazo é de queda paulatina...O governo Temer não acabou e não sou pago pra defende-lo ou apoia-lo mas as medidas econômicas em sua maioria são corretas..e darão resposta no curto e medio e longo prazo caso se conclua..pec da gastos...reforma previdencia..reforma trabalhista...etc..

      Eduardo..divergir de opinião faz parte de nosso trabalho...afinal nada é 100% eficaz...chega-se o mais perto de 100% com a aplicação de um consenso de opiniões...

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Se você lesse e entendesse meus comentários saberia que os fundos estão comprando dólares, que o real não está em 3,7 ou 3,8 por que a Banco Central entra vendendo sempre que chega aos 3,5, para evitar inflação e a soja continua subindo, 1,5% nesse exato momento e com tendencia de alta, o dólar cai um pouco por ação do Banco Central que quer evitar aumento da inflação. Eu não inventei isso, acompanho o mercado financeiro e estudo, o que repasso aqui de graça me custa muito esforço.

      1
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Como seus comentarios nada agregam leio poucos deles...sobre a alta soja esta dentro de 8,5 a 10,5...tem variado ultimos dias por expectativa climática (sul)e alguma regioes do MT..e atuação dos fundos...mais uma vez voce erra o dolar cai 0,2%...nem voce nem o azevedo e vossas teorias uso para minhas intevenções...coisa de graça e sem resultado te custa muito esforço!!!!explica isto melhor!!!!!aliás se pouco se aproveita pouco imagina voce inventando!!!! ..mola de isqueiro...cabo de guarda chuva...

      2
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Ué Dalzir, se você não lê como é que pode saber. Aliás essa história de dizer que não lê meus comentários por que não agregam nada, como você pode saber se não lê? É o argumento ad ignorancia, se nunca ouvi falar disso é por que não existe!! Só rindo mesmo.

      2
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Mais uma vez vê-se que quando te confrontam ou pensam diferente de voce nem ler direito voce consegue...se voce estudou portugues ou e daqueles que fugiu da escola leia minha primeira frase do meu comentario anterior..transcrevo para que seus neoronios acordem do episodio do PIRULITO...como seus comentarios nada agregam leio poucos deles...caso ainda assim seus neoronios não conseguem entender peça a um tradutor te explicar e achar a frase do texto acima...os habitantes de Itapema..Pereque...Porto Belo..Bombas..Bombinhas e Zimbros continuam ouvindo o nenê dar birra e sapatear...alguem foi na avenida do estado no supermercado menzke...comprar o dito pirulito a criança chorona e birrenta..

      2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      GENTE ACHO MUITO CHATO ESSA DISCUSSAO E OFENSAS PESSOAIS---POR FAVOR PAREM OS DOIS---INFECTA O AMBIENTE-----

      2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      SR EDUARDO EU JA' PENSO DIFERENTE----OS JUROS SO' PODERAO SUBIR NOS ESTADOS UNIDOS SE HOUVER UMA BRIGA COM A CHINA----A CHINA DETEM UMA FATIA ENORME DA DIVIDA DOS ESTADOS UNIDOS----

      1