Como iremos para a nova safra? Por José Luiz Tejon

Publicado em 15/09/2016 13:56
163 exibições
Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

Agora com a nova Presidente no Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia, a pacificadora justa, com Eduardo Cunha cassado, com o impeachment da Ex-Presidente Dilma e, com o crescimento do nível de otimismo do agronegócio, perante 60 dias atrás, como iremos para a nova safra?

Uma notícia boa vem da ABPA (Associação Brasileira da Proteína Animal), em reunião no Seul, na Coreia do Sul. A ABPA ressaltou sermos hoje o líder mundial na exportação de frango e termos ainda a 4º posição para a carne suína. Devemos isso à qualidade superior da produção brasileira e a um elevado status sanitário, estes que são reconhecidos globalmente. Além disso, a recente missão do Ministro Blairo Maggi na Ásia gerou cerca de 50 milhões de dólares em negociações, incluindo madeira, grãos, café e carnes.

Da mesma forma, nessa viagem de negócios ficaram alinhados alguns investimentos do exterior no setor agroindustrial brasileiro, em infraestrutura e logística. Além disso, em outra reunião do G20 na China ficou claro também o interesse internacional em investir no Brasil.

Agora, para todos esses investimentos internacionais é preciso garantir nossa segurança jurídica. Somente com isso conseguiremos melhorar a qualidade de vida e garantir emprego para os brasileiros.

O mundo da política está pautado pela economia, pelo crescimento econômico, e claro, pela competente comunicação desses feitos. E o agronegócio está entrando com mais otimismo na boca da nova safra 2016, 2017. Gestão de fato nas mentes e no coração. Revolução de gestão!

Tags:
Fonte: CCAS

1 comentário

  • adegildo moreira lima presidente medici - SC

    Tai um artigo que ambiciona ser otimista mas na realidade não diz nada... palavras soltas, nada de fatos!

    0
    • ARLINDO PAVAN FILHODOURADOS - MS

      Parece que saiu diretamente da assessoria de imprensa do ministro. O que acrescentou?

      0