O berro do boi chacoalha o câmbio, por Prof. Dr. Marcos Fava Neves

Publicado em 19/05/2017 15:36 e atualizado em 19/05/2017 18:36
898 exibições
Marcos Fava Neves é Professor Titular da FEA/USP, Campus de Ribeirão Preto. Em 2013 foi Professor Visitante Internacional da Purdue University (EUA) e desde 2006 é Professor Visitante Internacional da Universidade de Buenos Aires. Este material é um resumo mensal feito sobre assuntos nacionais e internacionais de relevância ao agro.

Minha Leitura e Conversa dos Fatos e Impactos do Agro em Maio de 2017

Números da nossa economia no primeiro trimestre viram para o azul, depois de muito tempo no vermelho, o otimismo havia voltado, não fosse o berro do boi, que comento ao final.

Tivemos o oitavo anúncio de safra da CONAB, que agora estima uma colheita de 232,02 milhões de toneladas. São mais de 4 milhões de toneladas acima do anúncio de abril. Em se confirmando, teremos uma safra 24% maior que a anterior, que foi de 186,61 milhões de toneladas. Houve também aumento de 3,5% na área total cultivada, chegando a 60,4 milhões de hectares;

Na soja a estimativa pula agora para 113,1 milhões de toneladas, quase 3 milhões acima da estimativa anterior e 18,4% a mais que a safra 2015/16 (95,4 milhões de toneladas);

No milho teremos um total de 92,83 milhões de toneladas, 1,5 milhão a mais que a estimativa anterior. Deste total 30,15 milhões de toneladas são de verão (17,1% a mais que 2015/16) e a explosão mesmo veio na segunda safra, que pula para 62,68 milhões de toneladas, 53,7% a mais que a “safrinha” 2015/2016;

Algodão também terá crescimento de 15%, pulando para 1,48 milhão de toneladas de pluma;

O índice de preços de alimentos da FAO/ONU, que monitoramos nesta análise mensal, praticamente não variou no relatório de maio;

A nova estimativa do valor bruto da produção na safra 2017 no país teve queda principalmente pelo recuo dos preços dos grãos e da pecuária. Estamos agora com R$ 544,9 bilhões, R$ 5,5 bilhões menos que a estimativa de fevereiro, mas ainda 4,4% acima de 2016.

São 21 produtos agrícolas com VBP esperado de R$ 374,6 bilhões (R$ 3,7 bilhões a mais que no mês anterior e 10,2% acima de 2016. Na pecuária, que tem cinco produtos, a estimativa caiu para 170,3 bilhões (era de R$ 179,5 bilhões no mês anterior e foi de R$ 181,8 bilhões em 2016.

A soja gerará de renda R$ 116,7 bilhões, a cana R$ 77,4 bilhões e o milho R$ 49,8 bilhões. Bovinos ficam com R$ 68 bilhões e frango com R$ 48,2 bilhões.

As exportações do agro em abril chegaram a US$ 8,67 bilhões, 7,3% maiores que as de abril de 2016 (US$ 8,08 bi). As importações do agro foram da ordem de US$ 1,09 bilhão, um aumento de 11,8% na comparação com abril de 2016. Com isto, o saldo da balança do agro foi de US$ 7,58 bi (6,7% maior que no mesmo mês de 2016).

Os demais produtos brasileiros fora do agro tiveram um salto de 23,6% nas exportações (US$ 7,30 bi em abril de 2016, para US$ 9,02 bi em 2017), o que levou a participação do agronegócio a alcançar 49,0% em relação ao total exportado pelo Brasil no mês. Este resultado trouxe um saldo da balança comercial total brasileira em abril de US$ 6,97 bi, um incrível crescimento de 43,3% em relação à abril de 2016.

No acumulado do ano, as exportações do agro alcançaram US$ 29,2 bilhões, um crescimento de 3,8% em relação ao mesmo período de 2016. O saldo da balança do agro foi de US$ 24,3 bi, apresentando aumento de 1,0% em relação ao mesmo período de 2016.

Nosso grande balizador agora é acompanhar o clima e o desenrolar da safra nos EUA;

Tirando a confusão destes dias com a delação dos controladores da JBS, meu viés para os grãos é altista, pois as variáveis que estão na mesa neste momento tem mais chances de pender mais fortemente para este lado. Portanto, eu não venderia.

Sobre a delação: mais confusão num Brasil confuso. Dólar subiu e derrubou algumas commodities onde o Brasil é grande exportador, mas acredito que volte em breve ao estágio em que estava pré-crise política. Os mercados aprenderam a separar a condução da economia brasileira com a sequência de escândalos políticos. Porém, isto tudo é lamentável. Não dá para ver ainda a dimensão do estrago político, pois o material vem sendo analisado neste momento.

 

Tags:
Fonte: Marcos Fava Neves

1 comentário

  • Carlos Massayuki Sekine Ubiratã - PR

    Este ano veremos - novamente - o cáos na logística de escoamento da produção agrícola nesse país. A produção vai sair de 186 milhões de toneladas para 232 milhões. Quem tem estrutura para suportar esses 46 milhões de toneladas a mais? Vai faltar armazém, rodovia, caminhão, ferrovia, trem, porto, navio. Vai faltar tudo. Com os baixos preços das commodities agrícolas e a nossa incompetência da porteira pra fora, vai ficar evidente a nossa falta de competitividade. Enquanto isso, em Brasília o que falta é vergonha na cara, caráter, honestidade, planejamento, competência... A preocupação dos políticos é apenas de manter os seus cargos e privilégios e de não irem presos. O esforço político se direciona só para isso. O Brasil que se dane. O país está aí só para pagar a conta dos políticos e de seus apaniguados, os empresários do capitalismo de estado e a horda de servidores parasitas. 40 % das nossas riquezas é o que custa essa máquina diabólica e insensata. Tiradentes e os inconfidentes se levantaram contra um quinto que a coroa portuguesa cobrava de impostos. Hoje nos tiram dois quintos e não fazemos nada!!!!. Ainda esfregam diariamente em nossas caras todo tipo de mau uso do dinheiro público, que de público não tem nada. É dinheiro do contribuinte. Fala se muito do dinheiro que foi dos empresários para os políticos, mas ainda não se fala muito do dinheiro que foi na direção contrária, dos políticos para as empresas, via BNDES ou outros bancos. Quando for aberta essa caixa preta veremos montantes que, na mão da iniciativa privada, poderiam resolver ou minimizar vários problemas de infraestrutura desse país, mas que foram usados para enriquecer políticos e empresários desonestos e para construir obras em países de transparência duvidosa. Até quando?

    0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Carlos, quando são firmados os conluios entre empresas e agentes públicos há uma depravação do ambiente. Veja nos casos em que os diretores da Petrobrás, segundo às delações, as propinas giravam em torno de 2 a 3%, mas as empresas superfaturavam em até 100% os valores das obras e, os agentes públicos corrompidos fechavam os olhos. É esse dinheiro que deve-se exigir, com multas e correções, sua devolução.

      0
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Caro Carlos...ao meu ver o grande problema possa ser a falta de armazém da porteira pra dentro só no caso da safrinha do milho..pois da porteira para fora só o caso da via de acesso a saida norte foi problema nos últimos 2 anos..e preste atenção que a maioria do problema foi resolvido sem grandes investimentos..e sim por postura gerencial no processo de embarques aos portos que antes era feito de forma ao deus dará..e foi tomada uma decisão de planejamento de cargas com os referidos embarques que reduziu estoque sobre rodas..reduziu diarias em aguardo de atracamento dos navios..fez os caminhoes rodarem mais(menos reduziu os custos fixos)enfim com atitudes simples resolveu-se um grande problema..aliás a maioria dos problemas logísticos de resolvem com atitudes gerenciais de fluxo e processo..

      3
    • CARLOS MASSAYUKI SEKINEUBIRATÃ - PR

      Sr. Dalzir, é inegável que evoluímos na gestão da logística no Brasil, mas esses ganhos tem um limite. Este ano vivemos uma situação atípica. Muitos produtores ainda não comercializaram a sua produção de verão devido aos baixos preços, estão buscando recursos de pré custeio ou de EGF nos bancos e deixando a sua produção nos silos. Vem aí uma super safrinha de milho que terá que ser armazenado e/ou escoado no segundo semestre juntamente com a soja. Vamos ver o que vai acontecer.

      0
    • SANDRO ROBERTO LAUTERTCONDOR - RS

      Sr. Carlos, não sei do tamanho de sua propriedade.Mas não esta na hora do produtor começar a sua armazenagem?

      0