Suiá Missú: Frente Parlamentar acusa Gilberto Carvalho de estar por trás das prisões no MT

Publicado em 07/08/2014 17:29 e atualizado em 07/08/2014 18:00 1587 exibições
veja a nota à imprensa da FPA

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA

 

                                                                       Nota à imprensa – 07 de agosto de 2014

 

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), entidade constituída por mais de 200 deputados e senadores, vem a público repudiar a prisão ocorrida hoje pela manhã, em Goiânia, do produtor rural Sebastião Ferreira do Prado, presidente da Associação dos Produtores Rurais da Suiá-Missu, localizada no nordeste de Mato Grosso. Há informações, ainda não confirmadas, que outros líderes rurais podem ser presos a qualquer momento, o que vem causando um ambiente de insegurança jurídica na área, onde se desenvolvia a pecuária e se produziam alimentos.

Sabe-se que o mandado de prisão foi expedido no último dia 4  e a prisão cumprida dois dias depois da sabatina dos presidenciáveis na CNA, o que dá margem a algumas ilações. Vale lembrar que, em julho, o Secretário Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, mencionou numa audiência pública na Câmara Federal que a Polícia Federal estaria preparando uma megaoperação para prender algumas lideranças que teriam incitado os agricultores a resistir à operação de limpeza ética da área demarcada pela Funai.

O advogado do líder ruralista ainda não teve acesso ao processo, daí a dúvida sobre as acusações que pesam sobre o prisioneiro.  Para a FPA, trata-se de uma atitude política com o intuito de inibir ações dos produtores que se manifestam pelo direito da propriedade e contra a insegurança jurídica. O objetivo da operação seria retirar todas as famílias que não tivessem etnia xavante de uma área de 165 mil hectares demarcada pela Funai. O local estava ocupado por agricultores que tentaram resistir à desocupação da área. Sebastião Prado é considerado líder desse movimento de resistência (desintrusão).

Recorda-se que ao participar da sabatina promovida pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA), a presidenta Dilma Rousseff declarou ter determinado ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que fizesse uma revisão nos processos administrativos que envolvem a demarcação de terras indígenas e quilombolas. De acordo com a presidente, a medida tem o objetivo de garantir um ambiente de segurança jurídica no campo.

"A questão da demarcação de terras indígenas é um dos nossos desafios. A situação de conflito surgiu na medida em que ela chegou a áreas produtivas, contrapondo-se a laudos emitidos pela Funai". disse a presidenta aos representantes do setor produtivo rural.  Como se observa, as palavras da presidenta ficaram apenas nas intenções. Seriam vãs suas declarações ou as autoridades que compõem o seu governo tem ouvidos moucos ao clamor dos produtores rurais?

VEJA O MANDADO DE BUSCA E APREENSÃO 

Mandado de Prisão - Líderes da Suiá Missu 

LEIA TAMBÉM:
Tags:
Fonte:
FPA

3 comentários

  • Mônica Corrêa Aquidauana - MS

    Como disse um produtor, não basta emitir nota para imprensa. A Frente Parlamentar tem que ir pra cima deste DESgoverno que solta seus aliados da Papuda e prende produtores!!

    REAGE PRODUTOR!! MAIS AÇÃO FRENTE PARLAMENTAR!!

    0
  • Saulo Roberto neves Guanambi - BA

    Lênnin, usou muito este expediente ,quando da implantação do comunismo na antiga URSS. Os produtores, que se recusavam a aceitar a expropriação eram enforcados em praça pública.Em breve começarão as execuções aqui, ainda que de forma velada.

    Toda reação que teremos, será esta tímida nota da FPA? Onde está a CNA, e as demais entidades?

    Parabéns João Batista,sem você este fato nunca seria noticiado.

    0
  • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

    O QUE PODIAMOS ESPERAR DESTE MINISTRO QUE SÓ SERVE PARA ESPALHAR O TERROR E OS DESMANDOS NESTE PAÍS . DEVEMOS TRABALHAR PARA TIRAR ESTE PT DO PODER E DEIXAR ESTE GILBERTO SEM EMPREGO E VIVENDO EM UMA ALDEIA NO FUNDO DO AMAZONAS OU NO PARAGUAY .

    0