Após explosão, Líbano tem reservas de grãos para menos de um mês

Publicado em 05/08/2020 09:45 e atualizado em 05/08/2020 12:04 1865 exibições

LOGO REUTERS

Por Ellen Francis e Maha El Dahan

BEIRUTE/DUBAI (Reuters) - O principal silo de armazenamento de grãos do Líbano, no porto de Beirute, foi destruído em uma explosão registrada na véspera, o que deixou o país com menos de um mês em reservas de grãos, embora ainda haja farinha suficiente para evitar uma crise, disse o ministro da economia nesta quarta-feira.

Um dia depois da devastadora explosão, o ministro Raoul Nehme disse à Reuters que o Líbano precisa de reservas para ao menos três meses para garantir a segurança alimentar e que estava olhando outras áreas para armazenamento.

A explosão foi a mais forte que já atingiu Beirute, uma cidade marcada por uma guerra civil há três décadas atrás. A economia já estava desabando antes do incidente, com importações de grãos desacelerando à medida que o país enfrentava dificuldades para obter moeda forte para as compras.

"Não há crise de pão ou farinha", disse o ministro. "Nós temos estoques suficientes e barcos a caminho para cobrir as necessidades do Líbano no longo prazo".

Ele afirmou que as reservas de grãos nos silos restantes do Líbano são suficientes para "pouco menos de um mês", mas disse que o silo destruído estava com apenas 15 mil toneladas em grãos, muito menos que sua capacidade, que um oficial descreveu como de 120 mil toneladas.

O distrito portuário de Beirute foi destruído pela explosão, o que desativou o principal ponto de entrada para importações que alimentam uma nação com mais de 6 milhões de pessoas.

Ahmed Tamer, diretor do porto de Trípoli, a segunda maior instalação do Líbano, disse que seu porto não possui armazenamento de grãos, mas as cargas podem ser levadas para armazéns a 2 km de distância.

"Tememos que haja um enorme problema na cadeia de suprimento, a menos que haja um consenso internacional para nos salvar", disse Hani Bohsali, chefe de um sindicato de importadores.

Agências da ONU estão reunidas nesta quarta-feira para coordenar esforços de socorro a Beirute, disse Tamara al-Rifai, porta-voz da agência palestina de refugiados UNRWA.

"As pessoas são extremamente pobres, é cada vez mais difícil para qualquer um comprar comida e o fato de Beirute ser o maior porto do Líbano torna a situação muito ruim", disse ela. "Estamos olhando para Trípoli, mas é um porto muito menor".

As reservas de farinha eram suficientes para cobrir as necessidades do mercado por um mês e meio e havia quatro navios transportando 28.000 toneladas de trigo em direção ao Líbano, disse Ahmed Hattit, chefe do sindicato dos importadores de trigo, ao jornal Al-Akhbar.

O Líbano está tentando transferir imediatamente para o porto de Trípoli quatro navios que transportam 25.000 toneladas de farinha, disse um representante do governo ao canal de notícias LBCI.

(Por Ellen Francis, Tom Perry e Dahlia Nehme em Beirute e Maha El Dahan em Dubai; reportagem adicional de Stephen Farrell em Jerusalém)

 

 

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário