Os petralhas, como os pokémons, estão sendo pegos (por REINALDO AZEVEDO)

Publicado em 12/08/2016 06:42
666 exibições
em veja.com

Os petralhas, para o bem do Brasil, estão sendo pegos, como pokémons inimigos da civilidade. E não! Eles nunca foram do tipo Zubat ou Pidgey, que se capturam logo na primeira pokebola. Que nada! São bichos tinhosos. Estão mais para Dragonite, Blastoise e Charizard. Vejam quanto tempo demorou até que caíssem em desgraça.

Ladrões de dinheiro público continuarão a existir em todos os partidos. Os operadores de caixa dois também. E é claro que crimes e criminosos têm de continuar a ser combatidos com severidade. Pokebola neles! Mas é preciso tomar cuidado para não cair presa de uma falácia. Nem todos os pokémons são iguais. E o jornalismo existe, entre outras razões, para tratar de modo diferente os diferentes. Já volto ao ponto.

Há 15 anos, criei o vocábulo "petralha". Nasceu da fusão da sigla "PT" com a palavra "metralha", numa referência aos irmãos que viviam tentando roubar o Tio Patinhas. Um "petralha" é aquele que justifica o roubo de dinheiro público em nome de uma causa. E não me venham dizer que se trata de uma caricatura da esquerda, assim como "coxinha" é uma caricatura da direita! Um "coxinha" não é o ladrão do lado de cá. Não é um criminoso ou um justificador de crimes.

Como se vê, a palavra antecede a chegada do PT ao governo federal. Com ela, eu designava aquela que eu entendia ser a prática dos petistas na Prefeitura de Santo André, então administrada por Celso Daniel, que foi assassinado.

O "Washington Post" afirmou que o turista precisa saber o significado de seis palavras se quiser entender o Brasil contemporâneo. Fiquei contente. Uma delas é "petralha". As outras são "gourmetização", "jeitinho", "zoeira", "coxinha" e "crise".

A minha criação já havia alcançado altitude maior como expressão de uma realidade reconhecível: a palavra integra o "Grande Dicionário Sacconi da Língua Portuguesa". O autor da obra, Luiz Antonio Sacconi, diga-se, sofreu retaliações por isso. Teve seu dicionário e seu minidicionário rejeitados pelo MEC dos... petralhas!

O jornal americano não foi muito feliz ao tentar explicar o significado da palavra. Misturou alhos com bugalhos. Os barbudos, os maconheiros e até os estudantes de sociologia fariam parte de tal comunidade. Eu jamais disse isso. Até porque nunca entendi a associação entre drogas e esquerda. Fui vermelho um dia. Tínhamos um desprezo solene por viciados. O que mudou?

Talvez isso se deva ao fato de os esquerdistas terem passado a consumir mais maconha e menos Marx, o que, quero crer, não colabora para a qualidade do marxismo que praticam nem para a gostosura da viagem. Sempre achei curioso esse esforço para transformar fumaça em categoria de pensamento. Mas deixo essas digressões para outros baratos. Tentarei não desperdiçar a minha pokebola.

Não basta ser ladrão para ser petralha, embora o petralha seja um ladrão. Não basta fazer caixa dois para ser petralha, embora um petralha faça caixa dois. Não basta cobrar propina para ser petralha, embora um petralha cobre propina.

Um petralha torna o vício uma precondição da virtude. Um petralha transforma o crime numa teoria de poder. Um petralha usa o assalto ao cofre como ato preparatório do assalto à institucionalidade.

Nós matamos os petralhas como horizonte utópico.

Agora começa a luta.

Resta ao PT assoviar uma música triste; julgamento de Dilma começa no dia 25

A presidente afastada, Dilma Rousseff, será intimada nesta sexta-feira, depois que José Eduardo Cardozo, seu advogado, entregar as alegações finais. O julgamento, já está definido, começa no dia 25.

Segundo o rito estabelecido, a partir do libelo da defesa, cantam-se 10 dias para o julgamento. Logo, deveria ter início no dia 22. Mas aí se descobre que não se começa a contar o prazo num fim de semana. Ah, bom. Só a partir de segunda, dia 15. E os dias 20 e 21, também sábado e domingo, respectivamente? Ah, esses contam.

Ok. Que seja! Começando a 25 de agosto, há cinco dias úteis para o julgamento (25, 26, 29, 30 e 31). Os que defendem o impeachment acreditam que três são mais do que suficientes. A acusação já afirmou que pretende abrir mão de três das seis testemunhas para acelerar as coisas.

O processo, assim, termina em agosto mesmo, o que permitirá ao presidente, aí não mais interino, Michel Temer participar da reunião do G-20, na China.

Os petistas e assemelhados inventaram a cascata de que Temer quer pressa na votação porque tem receio das investigações da Lava-Jato, o que poderia reverter alguns votos no Senado. É uma tolice sem tamanho.

Em primeiro lugar, ainda que a acusação contra Temer já estivesse clara e consolidada, não se trocaria o certo pelo duvidoso. Dilma também está enrolada na Lava-Jato.

Em segundo lugar, talvez os petistas pudessem apontar quais senadores tenderiam a mudar de lado. Isso é conversa mole! O que deve acontecer é o contrário: o impeachment tende a ganhar mais dois ou três votos. É parte apenas da estratégia para deslegitimar aquele que é substituto constitucional de Dilma.

“E se também Michel Temer for engolfado pela Lava-Jato?” Ora, nós vamos, como diz o próprio presidente, ver o que diz o “livrinho”, a Constituição.

Os petistas sabem que nada mais há a fazer a não ser assoviar uma melodia triste. Já era. Por isso pagam o mico de recorrer até à Comissão Interamericana de Direitos Humanos para denunciar uma suposta agressão aos direitos individuais de Dilma, o que adiciona ao patético um flagrante desrespeito pelos Poderes Legislativo e Judiciário.

Tomara que o ministro Ricardo Lewandowski continue a presidir com a devida isenção e destreza os trabalhos. Se assim for, não há nenhuma razão para que se estenda o julgamento além de 29 de agosto.

E aí estaremos a dois dias apenas de entrar no mês de setembro, quando chegará a hora de Eduardo Cunha prestar contas por suas escolhas.

Se a Câmara fizer o serviço sujo, o Supremo se encarregará de limpar a sujeira.

A morte do solado Hélio e nossas mazelas e virtudes. Ou: Beltrame tem de sair

Hélio Andrade, da Polícia Militar de Roraima, está morto. Ele era membro da Força Nacional. Nesta quarta-feira, por engano, entrou no Complexo da Maré, no Rio, numa viatura da corporação. Os traficantes lhe acertaram um tiro na cabeça. Internado no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, para uma cirurgia de urgência, que durou quatro horas e meia, não resistiu e morreu nesta quinta.

Pois é…

Qual é o Brasil real? Este que mata um inocente com um tiro na cabeça ou aquele que faz uma abertura grandiosa do evento e que abriga os jogos, apesar de alguns sobressaltos, de forma bastante satisfatória?

Os retóricos condoreiros tenderiam a dizer que real mesmo é o país que mata Hélio. Aquele da solenidade de abertura seria só uma fantasia.

Discordo, é claro! Os dois países são reais: tanto aquele em que um bandido acerta um tiro na cabeça de um policial como o outro, capaz de lidar com o sublime. O Brasil que dá certo nos lembra de que podemos, sim, ser melhores. Não somos natural e congenitamente avessos à qualidade, ao saber técnico, à competência.

Em larga medida, o que infelicita o país é a ligeireza com que determinadas correntes de pensamento afrontam o óbvio, o elementar.

A forma como o estado do Rio vem cuidando da segurança pública nos últimos 10 anos não passa de um delírio coletivo de supostos bem-pensantes.

É claro que, cotidianamente, muitos outros atos violentos são praticados sem que ninguém saiba. A morte de um homem da Força Nacional vira um símbolo porque ele foi convocado justamente para aumentar a segurança, garantindo que os Jogos Olímpicos ocorram em paz.

A política de ocupação pacífica das favelas não passa de uma narrativa de ficção tendente a alimentar consciências eventualmente culpadas. Ainda não se inventou uma alternativa eficaz à prisão de bandidos. Espantá-los ou redistribuí-los entre “comunidades” ainda não-pacificadas é uma escolha errada na origem.

Parece claro que o ciclo José Mariano Beltrame, no Rio, chegou ao fim. Não duvido da sua honestidade pessoal e de sua honestidade de propósito, mas cobro que ele tenha a humildade de confessar o insucesso de suas escolhas.

Uma verdade se mostra insofismável: mesmo nos locais em que se instala a tal Unidade de Polícia Pacificadora, o controle do território ainda está com o narcotráfico. E, meus caros, sem a conquista territorial, não se faz nem a guerra nem a paz.

E, ora vejam, o Rio nem chega a estar entre os cinco estados mais violentos do país. Mas é o único, sim, em que uma política de segurança pública notavelmente inepta é vendida ao distinto público como uma fantasia integracionista.

É lamentável.

Governo cede a pressões, erra e vai recriar Ministério do Desenvolvimento Agrário

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, confirmou nesta quinta que o governo recriará o Ministério do Desenvolvimento Agrário em setembro, logo depois da conclusão do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff. O ministro deu a informação em uma audiência pública da comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, hoje pela manhã.

A pasta foi extinta quando Temer assumiu interinamente o comando do país, em maio, e uma secretaria sobre a área ficou vinculada à Casa Civil. Com a pressão de setores ligados à reforma agrária, como a Frente Nacional de Luta Campo e Cidade, o peemedebista resolveu voltar atrás.

De acordo com Padilha, Temer decidiu recriar a pasta quando se deu conta do tamanho do número de famílias que foram assentadas, mas ainda não receberam condições mínimas, como as escrituras das terras que agora ocupam.

Ainda que exista essa demanda, não vejo por que recriar o ministério. Acho que só serve para reforçar a mística de MST e assemelhados de que temos um gravíssimo problema de terras no Brasil, o que é falso como moeda de R$ 3.

O governo não deveria ter cedido à pressão. Ponto.

Bumlai volta para a cadeia; ou o critério é estranho ou é convite a uma delação

O juiz Sergio Moro voltou a decretar a prisão preventiva de José Carlos Bumlai, que se trata de um câncer na bexiga e estava em prisão domiciliar desde março.

O juiz argumenta que sua saúde é estável e que ele representa risco à instrução criminal e à ordem pública. Ou por outra: teria como interferir nas provas ou se relacionar com as testemunhas, podendo cometer novos crimes.

Moro explicou a decisão lembrando que Bumlai se tornou réu em outra ação penal, esta em Brasília, por obstrução da Justiça. É aquela ação que apura a tentativa de comprar o silêncio de Nestor Cerveró. São também réus neste caso o ex-presidente Lula; o ex-senador Delcídio do Amaral; Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete de Delcídio, o banqueiro André Esteves; o advogado Edson Ribeiro e Maurício Bumlai, filho de José Carlos.

Dizer o quê? Para meu gosto pessoal, Lula estaria fazendo companhia a seu amigão no xilindró. Mas há algo de estranho nessa decisão caso se considere a lógica: Bumlai estava fora da cadeia, creio, porque se considerou que os motivos que estavam na raiz da preventiva já não existiam mais, certo? Como é que uma ação que ele cometeu no passado — tentar comprar o silêncio de Cerveró — poderia representar risco à instrução criminal ou à ordem pública no presente?

A menos que algo tenha deixado de ser informado, trata-se de um critério insondável. Ou, então, trata-se de um novo convite à delação premiada.

E a função do jornalismo é dizer tudo, não fazer torcida. Ainda que eu, como indivíduo, torça bastante.

Fotos de Dilma nas paredes de órgãos públicos têm causado ‘efeito psicológico’ nos gabinetes (por PEDRO DE CARVALHO)

As fotos de Dilma Rousseff nos órgãos públicos têm causado, segundo interlocutores, um “efeito psicológico” nos gabinetes. O sentimento que permeia os corredores da Esplanada é que o governo Temer só começará, efetivamente, quando os retratos na parede forem trocados.

Há quem acredite que esse é um dos motivos para o governo interino ainda andar a passos lentos. Servidores de carreira do quadro funcional, terceirizados e até alguns comissionados se deparam todo dia com a foto da presidente afastada em todos os órgãos públicos federais.

Vai nessa, Lula!

Apesar do sucesso no Nordeste, o chefão foge do teste de popularidade no Maracanã (AUGUSTO NUNES)

“Ele está muito disposto a sair para a rua. Fez uma avaliação muito positiva do giro que fez recentemente pelo Nordeste”. (Vicente Candido, deputado federal pelo PT de São Paulo, ao garantir que a excursão de Lula pelo Nordeste foi um sucesso de público e crítica, sem explicar o que espera o campeão de popularidade com plateias amestradas para aparecer na cerimônia de encerramento na Olimpíada e roubar a festa no Maracanã).

Carmen Lúcia revogou a invencionice arrogante de Dilma

A ministra que comandará o STF rejeitou publicamente o tratamento de “presidenta”

“Então eu concedo a palavra à eminente ministra Carmen Lúcia, nossa presidenta eleita…”, disse Ricardo Lewandowski na sessão do Supremo Tribunal Federal desta quarta-feira. A pausa ligeiríssima informou que Lewandowski estacionara numa dúvida. “Ou presidente?”, quis saber. Resposta de Carmen Lúcia: “Eu fui estudante e eu sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não é não?”.

Claro que sim. Quem se curvou ao surto de arrogância de Dilma Rousseff, um poste que exigiu o tratamento de “presidenta” depois de instalado no Planalto por Lula,  é gente vocacionada para o servilismo, a subordinação medrosa, a vassalagem. Ao revogar o exotismo inventado pela presidente a caminho do desemprego, Carmen Lúcia confirmou que o STF, a partir de setembro, será comandado por uma grande ministra.

“É bom esclarecer desde logo, não é?”, conformou-se Lewandowski. Fez bem. Ficou muito claro que, além de restabelecer o uso das palavras certas, Carmen Lúcia vai restaurar a dignidade, a independência e a altivez que sempre orientaram sua trajetória ─ e que deveriam também balizar permanentemente o comportamento de quem preside a Corte Suprema.

Tags:
Fonte: Blog Reinaldo Azevedo (VEJA)

1 comentário

  • Sebastião Ferreira Santos Fátima do Sul - MS

    O Temer já começa a ceder e fazer aos atos insanos dessa corja terrorista do MST..., pode ser o inicio do fim de seu governo, pois a população trabalhadora, que é do bem, não aguenta mais ser atacada e aterrorizada por essa corja de desocupados que são treinados para agir de forma violenta, queimando casas, matando animais e hostilizando pais de família que perdem a paz e o sossêgo de seus lares. Isso é o fim do país.....

    0