Sobre o adiamento da leitura do relatório do Código Florestal por Jorge Viana.

Publicado em 18/11/2011 17:18 707 exibições
"Viana não é apenas amigo de Marina Silva. Viana é Marina Silva. O texto agora está nas mãos de Marina. Se a nomeação de Viana como relator da matéria se confirmar, minha opinião é a de que o texto será completamente desfigurado. Thats it! Game over!"
O parágrafo acima foi publicado por mim, aqui no blog, em 31 de maio de 2011.

Há sete meses e meio, logo depois da aprovação histórica do Relatório Rebelo de reforma do Código Florestal na Câmara dos Deputados, quando foi oficializada a nomeação do Senador Jorge Viana como relator da matéria na Comissão de Meio Ambiental (CMA) do Senado, alertei para o risco Jorge Viana. Caso queira reler é só clicar: Relatoria do Código Florestal cai nas mãos de Marina Silva.

Jorge Viana assumiu o compromisso de apresentar seu relatório de reforma do Código Florestal na CMA, dia 17 de novembro. Mas Viana pediu mais tempo para apresentar o texto, o que deve acontecer apenas na próxima segunda, 21 de novembro.

Jorge Viana justificou o adiamento dizendo que precisava de mais tempo para a analisar todas as emendas que o texto recebeu. Folha, G1, Estadão e Agência Brasil, aceitaram a justificativa de Viana. Mas eu acho que tem caroço de bacuri nesse angu de farinha rala.

O primeiro alerta veio na semana passada quando o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves, disse publicamente que estava preocupado com as mudanças que o Senado estava fazendo no Relatório Rebelo. Alves ameaçou restituir o texto original se o Senado o desfigurasse em prejuízo da agricultura nacional. O segundo alerta veio hoje pela manhã, em reportagem da Agência Brasil, onde o Senador Acir Gurgacz afirmou que o relatório que seria apresentado hoje não contemplava os produtores rurais. Viana pediu tempo para finalizar o relatório, mas Gurgacz se referiu ao texto como se ele estive pronto.

Meu palpite é que Jorge Viana fez o que eu avisei que faria sete meses atrás: desfigurou completamente o relatório em prejuízo da agricultura e para o regozijo de Marina Silva e seus Marina's boys. Ao expor seu relatório com o texto desfigurado a um círculo mais amplo de senadores, entre eles Gurgacz, Viana colheu a insatisfação de todos, desculpou-se e pediu mais uma semana para refazer tudo.

Ocorre que Viana não é bebê, ele não nasceu ontem. Ele sempre soube que não há condições políticas para levar adiante um relatório radicalmente diferente como querem as ONGs internacionais e a turma de Marina Silva. Se ele produziu uma aberração de relatório, ele não o fez por ingenuidade, ou por ingerência da sua assessoria. Ele fez para ganhar tempo.

A estratégia das ONGs é clara

Não sei pra vocês, mas para mim é tudo muito claro. Marina Silva e suas ONGs internacionais não têm voto. Eles podem ter alguns artistas incautos, meia dúzia de estudantes estridentes desocupados e podem dominar as redes sociais da internet. Mas eles não têm as ruas. O brasileiro suburbano que pega 2 ou 3 ônibus todos os dias para dar duro no batente está preocupado é com o picadinho sem RL e o arroz e o cafezinho de APP do almoço. Quem está preocupado com o oxigênio é o Al Gore, mas o Al Gore não é deputado nem senador no Brasil.

Os Deputados e Senadores brasileiros exercem o poder que emana do povo, das ruas, do voto. No voto a reforma do Código Florestal em defesa da agricultura nacional e contra os absurdos do fundamentalismo ambiental, passa fácil. Marina Silva e suas ONGs sabem que não podem disputar a reforma do Código Florestal no voto, democraticamente. Eles têm pela frente a dura tarefa de vencer a democracia e para isso contam com a única arma que pode vencer a democracia conforme Goebbels já mostrou: a mídia.

Mas a mídia os fundamentalistas de meio ambiente já têm. Veja por exemplo o post abaixo (Folha de São Paulo manda repórter reescrever manchete mentirosa) onde um ativista ambiental com diploma de jornalista usa a credibilidade da Folha de São Paulo para mentir em defesa da ideologia verde radical de Marina Silva. Mas, mesmo com a mídia nacional na mão o fundamentalismo ambiental não conseguiu até agora barrar a reforma do Código Florestal.

Eles contam com a mídia internacional. Marina Silva e suas ONGs precisam levar a reforma do Código Florestal para 2012 quando haverá no Brasil uma Conferência Internacional sobre meio ambiental, a Rio+20. A conferência caminha para ser um fiasco total. Nenhum chefe de Estado virá, nenhum grande acordo sobre o clima será feito, mas virão milhares de militontos verdes e milhares de jornalistas que ignoram completamente a problemática por trás da reforma do Código Florestal. Desocupados com um conferência vazia essa turma tem tudo para virar massa de manobra nas mãos de Santa Marina Mãe de Gaia e seu bando de ONGs internacionais e seus sofismas arrumadinhos.

Jorge Viana não pode dar um novo relatório de Código Florestal a Marina Silva e às ONGs esculhambando a agricultura nacional. Mas Jorge Vina pode, assim como quem não quer nada, como quem não controla seus próprios funcionários, fazer com que o tempo se esgote e que o texto precise ser apreciado quando quer Marina Silva.

Ano que vem teremos grandes batalhas e estaremos em desvantagem em todas elas.

Vejam no link a seguir o que será preciso fazer caso não seja possível sancionar a reforma do Código Florestal em 2011. E se não der tempo de votar o Código Florestal em 2011?

Entenda o que muda com o novo Código Florestal

POR Ciro Siqueira

Tags:
Fonte:
Blog:Código Florestal Brasileiro

1 comentário

  • joão leite machado Capitólio - MG

    ja disse minha opinião neste espaço mais de uma vez e volto a repetir:

    so existe uma saida pra aprovar o còdigo ambiental como deve ser:

    os produtores rurais mobilizarem como fizeram na ocasião da votação na câmara dos deputados,indo em Brasilia novamente.senão vai ficar pro ano

    que vem e no ano que vem,todo mundo sabe nè,tem eleições municipais e todos os deputados estarão voltados para elas.

    pensem nisso!

    Obrigado!

    João Leite.

    Capitolio-MG.

    0