Boi: Intenções de confinamento caem 32% de abril a julho, aponta Acrimat

Publicado em 15/08/2016 18:20 e atualizado em 15/08/2016 18:59
231 exibições

O alto preço dos insumos alimentares e a manutenção do valor do boi magro fizeram com que a expectativa de abril, de 755,4 mil cabeças confinadas, caísse para 506,6 mil animais em julho – o menor índice do período registrado nos últimos três anos. Com a queda de 32% na expectativa das intenções, a capacidade estática dos confinamentos também atingiu seu pior índice nos últimos três anos.

A redução aconteceu em todas as regiões do Estado, e apenas 50% dos pecuaristas devem confinar em 2016. Com destaque para as regiões nordeste e médio norte, onde as lavouras de milho e soja mais sofreram com a falta de chuvas, segundo os dados do 2º Levantamento das Intenções de Confinamento em 2016, realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). “Atenção e custos na ponta do lápis são as diretrizes nesse momento. O produtor confinador mato-grossense é profissional, ele trabalha avaliando seus custos, os preços do boi gordo e as perspectivas do mercado, o que fez com metade deles utilizem a estratégia nessa seca”, afirma o superintendente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco Manzi.

O milho foi apontado isoladamente por 20,95% dos entrevistados com o principal responsável pela queda nas intenções. O pecuarista Marcos Antônio Jacinto, que trabalha ciclo completo na sua propriedade em Gaúcha do Norte, tem 200 machos em confinamento e 170 fêmeas em sistema de semiconfinamento, ressalta a falta de chuvas na região como fator chave para o aumento de custos. “A seca encareceu o milho, que no ano passado compramos por R$ 13,50 e esse ano por R$ 36,50, e também diminuiu o pasto mais rápido. Algumas propriedades da região terão problemas até com a falta de água”, disse Marcos. O produtor reforça ainda, que além das contas dentro da fazenda, o confinamento depende do mercado do boi. “Por aqui a minha conta ainda fecha, mas não sobra. A dica é ficar atento para um possível pico de preço e travar a venda”, afirma ele.

No mercado do boi, o cenário instável da economia é um dos fatores que afetou diretamente as intenções de confinamento em Mato Grosso, como explica o gerente de projetos da Acrimat, Fábio da Silva. “A queda nas intenções deveria impactar no preço recebido pelo pecuarista, já que o cenário vindouro se apresenta com um desequilíbrio entre a pouca oferta e maior demanda tipicamente mais elevada para do segundo semestre, porém, a conjuntura econômica brasileira impede que os preços boi gordo aumentem, freando ainda mais as intenções”, diz Fábio.

Dos 506,6 mil animais com expectativa de confinamento, 46,95% terão entrega concentrada nos meses de setembro e outubro, quando a seca é intensa. Na estratificação das intenções por regiões, o centro-sul é destaque pela maior expectativa de confinamento, com 116,39 mil cabeças, seguida de perto pelo Sudeste – 104,58 mil e do Oeste de Mato Grosso – com 101,48 mil cabeças.

Fonte: Acrimat

Nenhum comentário