Frigorífico JBS suspende compra de boi à vista em alguns estados

Publicado em 17/05/2017 14:52 e atualizado em 17/05/2017 16:23
6917 exibições

A JBS, maior indústria de alimentos do mundo, suspendeu as compras de boiadas à vista em algumas de suas unidades a partir desta quarta-feira (17). A informação foi repassada por um agente ligado ao setor, destacando que essa mudança para compra a prazo é uma prática adotada em  todos os estados de atuação da empresa , com exceção de São Paulo , pelo menos até agora.

Segundo a fonte, houve um aumento significativo na procura de contratos à vista nos últimos dias, por isso a atitude da empresa. Mas, apesar de estar efetuando somente negócios no prazo com 30 dias, a antecipação do recebimento pode ser feita pelo Banco Original [também pertencente à Companhia J&F, dona da JBS] mediante a cobrança da Nota Promissória Rural (NPR), no valor de 3,1% ao mês.

No início da semana, o Notícias Agrícolas já havia adiantado que os pecuaristas estavam pedindo antecipação dos pagamento a prazo, por temer pela saúde financeira da empresa, após estarem envolvidas em mais um escândalo de corrupção investigado pela Lava Jato.

Leia mais: 

>> Pecuaristas pedem antecipação de pagamento para JBS por temor com operação da PF

>> BNDES perde R$ 711 milhões com JBS, diz TCU

Na última sexta-feira (12), dois sócios do grupo JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, estiveram novamente na mira da PF, desta vez na Operação Bullish, que aponta prejuízo aos cofres públicos de R$ 1,2 bilhão, por supostas fraudes em aportes do BNDES.

Segundo Paulo José Mano, pecuarista no Mato Grosso, por cautela iniciou-se uma forte tendência por todo o país de vendas somente à vista. Ele, que havia vendido com pagamento para 30 dias, solicitou na segunda-feira (15), antecipação do recebimento dos valores relativos à venda de boiadas. Nessa operação, o prejuízo total do produtor se aproximou de oito mil reais.

A recomendação da Acrimat (Associação Criadores de Mato Grosso) é vender toda a produção somente à vista. Segundo o consultor técnico da associação, Amado de Oliveira Filho, em entrevista ao Notícias Agrícolas , essa orientação não é recente e muito menos restrita à JBS. Porém diante das incertezas sobre o futuro das operações da empresa, todo cuidado deve ser tomado.

Em nota a JBS informou que "não comenta suas políticas comerciais por questões estratégicas. A Companhia informa ainda que suas operações seguem dentro da normalidade dos negócios.”

A maior preocupação nesse cenário fica por conta dos produtores localizados em regiões que não possuem alternativas de venda. Os analistas afirmam que somente os rumores em relação aos desdobramentos da Operação Bullish já travaram o mercado no início desta semana.

Por: Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário