Com dificuldade em preencher as escalas de abate, JBS Austrália suspende operações por uma semana

Publicado em 28/05/2020 14:13 226 exibições
A paralisação foi adotada diante das incertezas do mercado internacional e a oferta restrita de animais terminados para o abate.

LOGO nalogo

A maior fábrica de processamento de carne bovina da JBS na Austrália, localizada em Dinmore, suspendeu as operações por uma semana. De acordo com as informações do Beef Central, a paralisação foi adotada diante das incertezas do mercado internacional e a oferta restrita de animais terminados para o abate.

A indústria é responsável por abater 1.370 cabeças por turno, sendo que são dez turnos por semana e representa cerca de 13.700 cabeças. No entanto, em plena capacidade o frigorífico chega a abater até 1.700 animais por turno e emprega mais de 1.600 funcionários.

Ainda de segundo as informações do Beef Central, o fechamento temporário da planta frigorífica não vai afetar as operações nas demais indústrias da empresa. “A decisão mais uma vez sinaliza a desconexão que está ocorrendo entre os preços do boi australiano e o atual mercado global de carne bovina que está sendo impactado pelo o coronavírus”, comentou o jornalista Jon Condon.

O leste da Austrália passou por dois anos de secas prolongadas que afetaram na alimentação dos animais neste ano. Diante deste cenário, as cotações do boi registraram aumentos expressivos nas últimas seis semanas. "A medida de suspender os trabalhos em uma fábrica, como Dinmore, é extrema. Só que não podemos preencher as escalas de abate para a próxima semana", disse o chefe de operações da JBS Northern, Anthony Pratt, ao Beef Central.

Em entrevista, o chefe de operações da JBS ressaltou que vender carne australiana no mercado internacional está cada vez mais difícil. “O impacto do coronavírus ainda é muito aparente e as condições comerciais globais estão piorando”, afirmou.

Confira mais detalhes:

>> Após a China suspender frigoríficos, produção de carne na Austrália começa a ser afetada

Tags:
Por:
Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário