Abate de bovinos cai 8,0% no 2º trimestre ante 2º tri de 2019, diz IBGE

Publicado em 10/09/2020 13:05 e atualizado em 10/09/2020 13:45 196 exibições

LOGO estadao

O País registrou o abate de 7,3 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária no segundo trimestre, queda de 8,0% ante igual período de 2019. Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve alta de 0,3%. Os dados são da divulgação definitiva das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha, divulgadas nesta quinta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme o IBGE, a quantidade de cabeças abatidas no segundo trimestre foi a menor para segundos trimestres desde 2011. Na comparação mensal, abril apresentou a maior queda em relação à 2019, com 15,1% de cabeças abatidas a menos, por causa da pandemia de covid-19. "A quarentena iniciada no fim de março de 2020, por conta pandemia do covid-19, pode ter causado o maior impacto no mês subsequente, devido à reestruturação do setor para se adaptar ao cenário adverso", diz a nota do IBGE. Por outro lado, em junho foi detectado um aumento de 1,8%, informou o órgão.

O abate de 638,11 mil cabeças de bovinos a menos no segundo trimestre ante igual período de 2019 foi impulsionado por reduções em 22 dos 27 Estados. Mato Grosso continua liderando o abate de bovinos, com 16,0% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (11,5%) e São Paulo (10,7%).

Frango

A pandemia também afetou a produção de frangos. No segundo trimestre, foram abatidos 1,41 bilhão de cabeças de frangos, queda de 1,0% em relação ao mesmo período de 2019 e recuo de 6,8% na comparação com o primeiro trimestre de 2020. "Efeitos da pandemia da covid-19, como paralisações temporárias devido ao contágio, que impactaram a produção dos frigoríficos, ajudam a explicar as quedas registradas", diz a nota do IBGE.

O abate de 14,17 milhões de cabeças de frangos a menos no segundo trimestre de 2020, em relação a igual período do ano anterior, foi determinado por queda no abate em 12 dos 25 Estados que participaram da pesquisa do IBGE. O Paraná continua liderando amplamente o abate de frangos, com 34,2% da participação nacional, seguido por Santa Catarina (13,8%) e Rio Grande Sul (12,9%).

Ao mesmo tempo em que derrubou a produção de carne bovina e de frangos, a crise causada pela covid-19 impulsionou a produção de ovos de galinha. No segundo trimestre, foram produzidas 974,15 milhões de dúzias, alta de 2,8% ante o segundo trimestre de 2019 e de 0,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior. O pico da produção ocorreu em maio, quando foram contabilizadas 326,73 milhões de dúzias, 2,0% acima da produção do mês equivalente de 2019.

"Períodos de recessão econômica como o do isolamento social por conta da pandemia do covid-19 tendem a aumentar o consumo de ovos de galinha, por se tratar de uma fonte de proteína mais acessível do que as carnes", diz a nota do IBGE.

Tags:
Fonte:
Estadão Conteúdo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário