Café: Negócios lentos no Brasil com produtores atentos à colheita e esperando melhores patamares de preço

Publicado em 04/07/2017 17:20 524 exibições

Os negócios com o café arábica seguem calmos nas praças de comercialização do Brasil com os produtores ainda bastante atentos aos trabalhos de colheita no campo, esperando melhores patamares de preço e de olho nas informações sobre o clima no país. De acordo com as principais estimativas, a colheita brasileira se aproxima da metade.

O mercado interno trabalhou nesta terça-feira (4) sem sua principal referência, a Bolsa de Nova York (ICE Futures US), fechada por conta do feriado "Independence Day", nos Estados Unidos.

"No geral, os negócios no Brasil estão calmos e os preços lateralizados. Os produtores seguem sem motivação para irem ao mercado, pois aguardam melhores patamares de preço, também ainda estão atentos à colheita e clima", afirma a analista de mercado de café do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP), Carolina Sales.

Na segunda-feira (3), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 448,38 e alta de 0,57%.

A especialista pondera que apesar da expectativa dos produtores de preços mais altos, o retrospecto em momentos de colheita costuma ser de cotações estabilizadas ou mais baixas. "O Indicador chegou até a subir nos últimos dias, mas baseado em questões técnicas e não fundamentais", explica Carolina.

Segundo estimativa divulgada na semana passada pela Safras & Mercado, até o dia 27 de junho, os trabalhos de colheita no Brasil estavam em 44% no Brasil. Levando em conta as estimativas da consultoria de 51,1 milhões de sacas de 60 kg neste ano no país, é apontado que foram colhidas 22,59 milhões de sacas.

A colheita de café dos cooperados da Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé) estava em 35,02% da produção prevista até o dia 1º de julho, ou 2,38 milhões de sacas de 60 kg. O ritmo dos trabalhos no campo da maior cooperativa de cafeicultores do Brasil é semelhante ao registrado no mesmo período do ano passado.

Leia mais:
» Colheita de café dos cooperados da Cooxupé avança para 35,02% do total

Ainda de acordo com a analista do Cepea, com base no relato de colaboradores do Centro, os primeiros lotes de arábica apresentaram baixa qualidade de bebida porque foram impactados pela chuva durante a colheita, no entanto, neste momento, segundo Carolina, são vistos lotes melhores e também com peneiras dentro do esperado e atendendo aos padrões do mercado.

O frio deve continuar nesta semana nas áreas produtoras de café do Brasil, porém, conforme noticiamos são baixas as chances de acontecerem geadas. O meteorologista do Inmet, Manuel Rangel, afirma que uma nova massa de ar polar, que está na Argentina, está prevista para a próxima semana no Brasil. No entanto, ela terá um potencial menor.

Leia mais:
» Massa polar que fez as temperaturas despencarem no centro sul do país perde força. Nova onda de frio prevista para semana que vem

Ronaldo Ferreira Cardoso, presidente do Sindicato Rural de Nova Resende (MG), destaca que as temperaturas chegaram a 7º C por volta das 3h da manhã na cidade que produz café. O município não recebeu geadas, mas as temperaturas estão muito baixas. Caso ocorresse uma geada, as lavouras que vão produzir a partir do ano que vem podem acabar não desenvolvendo floradas, disse.

Leia mais:
» Café: Com 50% da safra colhida, temperaturas mais baixas preocupam os produtores de Nova Resende (MG)

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com estabilidade e saca cotada a R$ 502,00. Não houve oscilação em nenhuma das praças no dia.

O tipo 4/5 anotou maior valor de negociação em Franca (SP) com 470,00 a saca – estável. Sem variação nas praças verificadas.

O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação em Araguari (MG) (estável), Franca (SP) (estável) e Patrocínio (MG) (estável), ambas com saca a R$ 460,00. Média Rio Grande do Sul teve a maior oscilação no dia com alta de 2,25% e saca a R$ 455,00.

» Clique e veja as cotações completas de café

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário