Café: Bolsa de Nova York realiza ajustes e sobe mais de 200 pts na sessão desta 6ª feira

Publicado em 16/11/2018 17:12 e atualizado em 16/11/2018 21:05
278 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica registraram ajustes na sessão desta sexta-feira (16) na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Depois da forte queda na véspera, o mercado buscou acomodação e avançou mais de 200 pontos. A queda do dólar ante o real contribuiu para os ganhos no mercado.

O vencimento dezembro/18 encerrou a sessão com alta de 250 pontos, a 112,55 cents/lb, e o março/19 avançou 250 pontos, cotado a 116,30 cents/lb. Já o contrato maio/19 registrou 119,05 cents/lb com 245 pontos de ganhos e o julho/19 teve valorização de 240 pontos, a 121,65 cents/lb.

"A relação das moedas, especialmente entre o dólar e o real brasileiro, continuam a ser uma força motriz nas negociação do café. Um real mais alto contra o dólar incentiva os agricultores a reter as vendas. Houve poucas outras notícias do Brasil", diz Jack Scoville, analista da Price Futures Group.

Às 15h43, o dólar comercial recuava 1,03%, cotado a R$ 3,743 na venda, acompanhando o cenário político local e após autoridades do Federal Reserve colocarem em dúvida a trajetória de juros dos Estados Unidos. A moeda mais baixa ante o real desencoraja exportações e dá suporte aos preços.

"Há bom humor em função da confirmação do Mansueto no Tesouro e a escolha do Roberto Campos Neto para presidência do BC", disse para a agência de notícias Reuters o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

Apesar de uma sessão mais técnica, operadores não ignoram os fundamentos e seguem de olho nas informações climáticos no Brasil. "O El Niño permanece com previsão para as áreas de café do Brasil, que poderiam ser afetadas pela seca. O próximo ano será de baixa produção e isso poderia significar mais perdas", disse Scoville.

Mercado interno

O mercado brasileiro de café esteve esvaziado durante toda a semana por conta do feriado da Proclamação da República, comemorado na quinta-feira (15). Nesta sexta, o cenário prevaleceu, e algumas das praças não funcionaram.

"A forte queda internacional pressionou os valores do café arábica nos últimos dias. Assim, segundo pesquisadores do Cepea, o ritmo de negócios continua lento", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 469,00 e queda de 0,85%. A maior oscilação no dia foi registrada em Poços de Caldas (MG) com recuo de 2,52% e saca a R$ 465,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor em Franca (SP) com saca a R$ 450,00 - estável. A maior oscilação dentre as praças no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com queda de 2,07% e saca a R$ 425,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação na Média Rio Grande do Sul com saca a R$ 450,00 e alta de 1,12%. A maior oscilação no dia ocorreu em Guaxupé (MG) com avanço de 2,77% e saca a R$ 445,00.

Na quarta-feira (14), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 444,24 e alta de 1,98%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário