Café: Mercado inicia semana com quedas técnicas na Bolsa Nova York

Publicado em 25/11/2019 09:03
187 exibições

LOGO nalogo

O mercado futuro do café inicia a semana com quedas técnicas na Bolsa de Nova York (ICE Future US). Por volta das 8h59 (horário de Brasília) os principais contratos registravam baixas de até 25 pontos.

Dezembro/19 registrava queda de 15 pontos, cotado a 114,45 cents/lbp, março/20 recuava 20 pontos, por 115,45 cents/lbp, maio/20 tinha baixa de 25 pontos, cotado a 117,70 cents/lbp e julho/20 caia 20 pontos, cotado a 119,70 cents/lbp. 

Semana passada 

A semana do mercado futuro foi marcada por grandes variações para o café arábica. Na segunda e terça-feira, os contratos registraram baixas de até 315 pontos na Bolsa de Nova York. Na quarta e quinta-feira, as cotações avançaram e foram registradas altas de 700 pontos no contrato com vencimento em dezembro/19 e de até 545 pontos nos demais contratos. 

O mercado reagiu após USDA (Departamento de Agricultura do Estados Unidos) divulgar uma redução de 10,5% para a produção de café brasileiro na safra 2019/20. De acordo com o relatório, a produção pode cair para 58 milhões de sacas de 60 kg. O FAS prevê ainda que a exportação do café arábica também reduza cerca de 14,7%, com 35,32 milhões de sacas. Segundo o USDA, a baixa acontece devido à menor oferta esperada de café para 2019/2020. 

Mercado Interno

No Brasil, o mercado interno também registrou baixas leves, acompanhando a Bolsa de Nova York. 

O café tipo 6 duro teve baixa de 1,01% em Poços de Caldas/MG, encerrando a semana por R$ 490,00. A mesma baixa foi registrada e mesmo valores foram registrados em Varginha/MG. Em Patrocínio/MG a baixa foi de 1,05%, por R$ 470,00. Guaxupé/MG manteve a estabilidade por R$ 490,00. A maior variação positiva foi registrada em Espírito Santo do Pinhal/SP, com 4,17%, encerrando a semana por R$ 500,00. 

Veja como fechou o mercado na sexta-feira (22) 

- Café: Mercado encerra com baixas técnicas, após altas expressivas na semana

- Confira mais cotações aqui 

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário