Café encerra semana com baixas e volatilidade deve permanecer na próxima semana

Publicado em 03/04/2020 16:52 e atualizado em 05/04/2020 11:38 301 exibições

LOGO nalogo

O mercado futuro do café arábica encerra a semana e a sessão desta sexta-feira (3) com baixas para os principais contratos, após uma semana apresentando uma alta volatilidade, mais uma vez com preços sustentados por Coronavírus, consumo interno e externo, além de incertezas com as embarcações. Diante do atual cenário, a expectativa é que o mercado continue apresentando oscilação nas sessões.

Maio/20 teve queda de 445 pontos, negociado por 114,90 cents/lbp, julho/20 registrou queda de 420 pontos, valendo 116,50 cents/lbp, setembro/20 teve baixa de 410 pontos, valendo 117,60 cents/lbp e dezembro/20 encerrou com queda de 410 pontos, negociado por 118,80 cents/lbp.

"Se pegar as oscilações dos últimos 10 dias, a gente vai ver que apesar os altos e dos baixos, nós tivemos o campo positivo sendo prevalecido", destaca Marcus Magalhães, analista de mercado da Maros Corretora. Segundo o analista, a diminuição de café nos estoques mundiais é um ponto positivo para os preços do café em Nova York, tendo em vista que operadores mesmo sem estoques, conseguiam fazer compras de maneira muito fácil, cenário que pode mudar com a pandemia do Coronavírus, podendo ser registrado atrasos na logística. 

Marcus comentou ainda que outro ponto que mostra que o café ainda está em uma posição mais farovável do que as demias commodities agrícolas, é que cada vez mais os números comprovam que apesar das cafeterias e padarias fechadas em vários lugares do mundo, começar acontecer a mudança de consumo e cada vez mais as pessoas estão aumentando o consumo doméstico da bebida. 

>>> Apesar de baixas, cenário ainda é positivo para o café e demanda de consumo em casa chama atenção

"Na sexta-feira, a Organização Internacional do Café (OIC) reduziu ligeiramente sua estimativa global de déficit de café 2019/20 para -474.000 sacas, ante uma estimativa de fevereiro de -476.000 sacas. A OIC também disse que o fraco crescimento econômico global este ano e o aumento do desemprego reduzirão a demanda de café e pressionarão os preços do café", também destacou o site internacional Barchart em sua análise diária. 

Ainda de acordo com o Barchart, outro ponto positivo para os preços do café foram os dados de sexta-feira da Federação de Produtores de Café da Colômbia que mostraram que a produção de café da Colômbia caiu de -12%, para 806.000 sacas e que as exportações de café de Mar caíram -21%, para 903.000 sacas. A Colômbia é o segundo maior produtor mundial de grãos de café arábica.


O mercado físico brasileiro acompanhou o exterior e também finalizou com movimentações nas principais praças produtoras do país. 

O tipo 6 duro teve queda de 1,67% em Guaxupé/MG, sendo negociado por R$ 590,00. Poços de Caldas/MG teve alta de 1,75%, negociado por R$ 580,00. Patrocínio/MG registrou queda de 0,85%, estabelecendo os preços por R$ 580,00. 

O tipo 4/5 subiu 1,72% em Poços de Caldas/MG, cotdo por R$ 590,00. Varginha/MG registrou queda de 0,85% em Varginha/MG, valendo R$ 580,00. Franca/SP teve baixa de 3,28%, negociado por R$ 590,00.  

O tipo cereja descascado subiu 1,55% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 635,00. Poços de Caldas/MG registrou alta de 1,54%, valendo R$ 660,00. Patrocínio/MG teve queda de 0,79%, cotado por R$ 630,00. 

Tags:
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário