Café segue com 6ª feira tranquila e clima no sul do BR segue favorecendo a colheita

Publicado em 10/07/2020 13:25 185 exibições

LOGO nalogo

As cotações do mercado futuro do café arábica seguem operando com quedas técnicas na Bolsa de Nova York (ICE Future US). A sexta-feira (10) segue sendo um dia sem grandes movimentações, em um momento em que a colheita ganha intensidade no Brasil e as condições climáticas são favoráveis para os trabalhos nas lavouras. 

Por volta das 13h24 (horário de Brasília), setembro/20 tinha queda de 130 pontos, valendo 97,45 cents/lbp, dezembro/20 tinha queda de 125 pontos, negociado por 100,10 cents/lbp, março/21 tinha baixa de 125 pontos, negociado por 102,30 cents/lbp e maio/20 tinha baixa de 115 pontos, valendo 103,75 cents/lbp. 

Segundo o site internacional Barchart, o mercado ainda está absorvendo as informações de comercialização da safra atual sendo colhida no Brasil. "Os preços do café estão mais baixos. O café arábica está mais fraco na transferência negativa a partir de quinta-feira, quando a empresa de consultoria Safras & Mercado informou que os cafeicultores brasileiros venderam 40% ou 27,44 milhões de sacas de sua safra de café de 2020", afirmou. 

Mercado Interno - Última sessão

No Brasil, o mercado físico acompanhou o exterior e encerrou o pregão com pequenas baixas nas principais regiões produtoras. 

O tipo 6 duro teve queda de 0,97%, valendo R$ 513,00. Poços de Caldas/MG registrou baixa de 0,99%, negociado por R$ 500,00. Patrocínio/MG teve queda de 1,94%, valendo R$ 505,00. Varginha/MG encerrou com baixa de 0,94%, negociado por R$ 525,00. Em Franca/SP, a desvalorização de 0,96%, negociado por R$ 515,00.

O tipo cereja descascado teve baixa de 0,86% em Guaxupé/MG, valendo R$ 577,00, Patrocínio/MG teve baixa de 1,77%, negociado por R$ 555,00, Varginha/MG teve queda de 1,64%, valendo R$ 600,00. Poços de Caldas/MG manteve a estabilidade por R$ 605,00, assim como Campos Gerais/MG que manteve o valor de R$ 586,00.

>>> Veja mais cotações aqui

Tags:
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário