Com semana marcada pelo clima no Brasil, café finaliza com estabilidade e esperando pelas chuvas

Publicado em 09/10/2020 16:15 e atualizado em 11/10/2020 12:13 1522 exibições

LOGO nalogo

O mercado futuro do café arábica encerrou o pregão desta sexta-feira (9) com valorização de até 130 pontos para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). As previsões meteorológicas indicam chances de chuvas nos próximos dias, o que deve voltar a movimentar os preços em Nova York. 

Dezembro/20 teve alta de 130 pontos, valendo 111,55 cents/lbp, março/21 subiu 125 pontos, negociado por 113,80 cents/lbp, maio/21 teve alta de 115 pontos, valendo 115,20 cents/lbp e julho/21 subiu 105 pontos, negociado por 116,60 cents/lbp. 

A semana termina com todo o setor cafeeiro de olho nas condições do clima no Brasil. A falta de chuvas em Minas Gerais e na Alta Mogiana/SP levantam preocupações para a safra de 2021. Segundo especialistas, as perdas já são dadas como certas, consequência do défict hídrico, que é o mais severo dos últimos anos. "Os preços do café na sexta-feira subiram, com o café arábica em alta em 1 semana, devido à preocupação de que as condições de seca no Brasil reduziriam a produtividade do café", destacou o site internacional Barchart em sua análise diária. 

As últimas atualizações do modelo Cosmo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) seguem indicando condições de chuvas para o extremo sul mineiro no final de semana. De acordo com o modelo, a tendência é precipitação entre 20 e 30 mm nos próximos dias. A formação do corredor de umidade em todo o Brasil Central também já aparece com mais evidência nos mapas, o que deve levar alívio ao produtor de café em todas áreas de Minas Gerais, Alta Mogiana/SP e Espírito Santo na próxima semana. 

Também nesta semana, a Federação de Nacional dos Cafeicultores da Colômbia (FNC) divulgou uma queda de 9% na produção de café tipo arábica em setembro. De acordo com a publicação, a produção colombiana atingiu 995 mil sacas de 60 quilos no mês passado, contra 1.088 sacas produzidas em setembro de 2019.

Com mais de 12,6 milhões de sacas de 60 quilos, as exportações colombianas de café nos últimos 12 meses, que coincidem com o ano cafeeiro, caíram 6% ante as quase 13,5 milhões de sacas exportadas no ano anterior..

>>> Produção de café colombiano cai 9% em setembro; Exportação cai 6% nos últimos 12 meses

No Brasil, o mercado físico manteve a estabilidade nas principais praças produtoras do país. Confira como ficaram os preços:

Tipo 6 bebida dura bica corrida: Guaxupé/MG - R$ 562,00, Poços de Caldas/MG - R$ 510,00, Patrocínio/MG - R$ 540,00, Araguarí/MG - R$ 550,00, Varginha/MG - R$ 550,00 e Franca/SP teve valorização de 1,82%, valendo R$ 560,00.

Tipo cereja descascado: Guaxupé/MG - R$ 605,00, Poços de Caldas/MG - R$ 560,00, Patrocínio/MG - 590,00 e Varginha/MG - R$ 600,00.

Leia Mais:

+ Seca no café: Produtor deve avaliar junto com técnico agrícola necessidade de podas que não estavam programadas, diz Cooxupé

+ Café e Clima Cooxupé: Florada se abriu com calor e baixa reserva de água no solo, diz especialista

+ Uma marca de roupas que se inspirou no café, com Felipe Liberal (Use Café)

+ Café no ES: Até o momento chuvas contribuíram para nova safra e expectativa é de boa produção no conilon e no arábica em 2021

+ Mais de 1.700 amostras são inscritas no Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais 2020

+ IBGE eleva previsão de safra de café do Brasil 2020 para 60,6 mi sacas

 

Tags:
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário