Mercado de Carnes: Boi gordo, suínos e frango ainda amargam estabilidade de preços

Publicado em 15/11/2016 10:45
175 exibições

Análise do mercado desta segunda-feira (14):

Boi Gordo: Mercado com ritmo lento e preços estáveis, por Scot Consultoria

Mercado do boi gordo parado nesta segunda-feira. O feriado desta semana colabora com um ritmo de negociação mais lento no mercado do boi gordo.

Com as programações de abate mais alongadas, parte dos frigoríficos está testando o mercado ofertando preços abaixo da referência. Algumas indústrias aguardam um melhor posicionamento do mercado e iniciaram a segunda-feira fora das compras.

No mercado atacadista de carne com osso, o boi casado de animais castrados está estável, cotado em R$ 9,44/kg.

Mesmo para a época do ano, mês em que sazonalmente há uma valorização no atacado, as indústrias têm encontrado dificuldade no escoamento da carne. Na comparação com o início do mês, o boi casado de animais castrados teve queda de 2,7%.

Para os próximos dias fica a expectativa de enxugamento dos estoques, o que pode dar força aos mercados da carne e boi gordo.

Clique AQUI e confira as cotações do Boi

Suíno vivo: Mercado fecha em alta no RS, enquanto SC, SP e MG definem manutenção

Por Larissa Albuquerque, no Notícias Agrícolas

Nesta segunda-feira (14) o mercado independente de suíno vivo no Rio Grande do Sul fechou em alta. A pesquisa semana de cotação apontou valorização de R$ 0,05 em relação ao fechamento anterior, sendo negociado atualmente em R$ 3,90/kg, segundo a ACSURS (Associação dos Criadores de Suínos do Estado).

Em outros estados o cenário é de estabilidade, mas as perspectivas são positivas para as últimas semanas do ano. Conforme divulgação da APCS (Associação Paulista dos Criadores de Suínos ) a bolsa de comercialização do estado, em sua reunião semanal, definiu pela manutenção nos preços do suíno vivo em R$ 77,00 a R$ 79,00/@ [equivalente a R$ 4,11 a R$ 4,21/Kg vivo], condições bolsa.

No entanto, informou que "melhora na procura e pela redução na oferta de suíno vivo, ficou decidido que a Bolsa irá apresentar uma nova posição em relação ao mercado na próxima quarta-feira (16) no final da tarde". Vale ressaltar que no mercado paulista a estabilidade já dura oito semanas.

Em Minas Gerais, a Bolsa de Suínos Mercominas manteve o acordo entre representantes dos frigoríficos e produtores e determinou o valor de comercialização do quilo do suíno vivo em R$ 4,20/kg.

Já em Santa Catarina, apesar da estabilidade em R$ 3,90 o quilo do animal vivo, a ACCS (Associação Catarinense dos Criadores de Suínos) destacou que a expectativa é de que os produtores alcancem o valor de referência nesta semana, já que nos últimos dias as negociações ficaram R$ 0,20 abaixo do esperado.

“O mercado está começando esta semana com uma recuperação de preços. Devemos nesta semana atingir o preço da bolsa, já que há mais procura no mercado com as vendas de final de ano. Outro fator importante a ser destacado é que o peso dos animais tem caído muito”, relata o presidente da ACCS, Losivanio Luiz de Lorenzi.

Exportações

Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, divulgados nesta segunda (14), na parcial de novembro [oito dias úteis], o Brasil exportou 24,3 mil toneladas de carne suína 'in natura', registrando média diária de 3 mil toneladas/dia. Esse resultado representa um avanço de 14,1% em relação ao volume de outubro e, 10% na comparação com nov/15.

Veja mais:

>> Exportações totais de carne suína crescem 38,1% em 2016

Em receita, os embarques acumulam saldo de US$ 63,9 milhões, com média diária de US$ 8 milhões, totalizando avanço de 20% com mês passado.

Frango vivo: Semana começa com mercado estável e exportações em alta

Sem modificação desde o final agosto, o mercado independente do frango vivo não consegue reagir diante de uma demanda interna fraca. Em São Paulo a referência completa a décima semana de manutenção em R$ 3,10 o quilo. Já em Minas Gerais a cotação permanece em R$ 3,30/kg.

De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o desempenho acabou ficando aquém do esperado, considerando o maior apelo ao consumo durante o período da primeira metade do mês.

Veja mais:

>> Novos casos de gripe aviária são relatados na Alemanha, Áustria e Suíça

Novembro também tem sido um mês fraco para o frango no atacado. Depois de atingir recordes nominais em outubro, os preços recuaram, ampliando a competitividade frente as demais proteínas.

Segundo levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), "a carne de frango está custando 5,57 reais a menos que a bovina, ante uma diferença de 5,49 reais em outubro. Em relação à carne suína, a de frango também está mais competitiva", declaram os analistas do Centro.

Exportações

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, divulgados nesta segunda (11), apontam que na parcial de novembro [oito dias úteis], o Brasil exportou 125,5 mil toneladas de carne de frango 'in natura', registrando média diária de 15,7 mil toneladas/dia. Esse resultado representa um avanço de 13,5% em relação à média de outubro.

Em receita o acumulado do período é de US$ 194,8 milhões, com US$ 24,3 milhões/dia.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas + Scot

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Existem algumas coisas que realmente não consigo compreender... A translação inclinada da lua ao redor da terra é uma delas, mas também coisas bem mais simples como a credibilidade na intenção da retórica. Calma lá, isso diz respeito às pessoas que adquirem credibilidade apenas prometendo coisas, ou fazendo propaganda delas. O sujeito diz, vou á Ásia vender carnes, o Brasil será o maior fornecedor mundial em... sei lá quanto tempo, vamos dobrar as exportações em... mais outro tempo. Volta de lá, o tempo passa não acontece nada, e dá-lhe declarações, "fizemos nossa parte..." Essa é uma das bandeiras propagandisticas do ministro da agricultura. Tem a da reforma agrária, e agora tá prá lá de Marrakesh pleiteando recursos para os bravos, não mais desbravadores e sim conservadores da natureza, queremos dinheiro pois obedecemos como cordeirinhos às exigências ambientalistas. No Brasil não existe certo e errado, o que existe é: está do nosso lado ou está contra nós. Não importam os resultados e isso é o que é realmente impressionante pois a fama adquira é de um grande empreendedor e conhecedor dos assuntos agropecuários. A fama pois na realidade é um politico mediocre que apoiou o Lula e o PT no caminho da derrocada do país. As pessoas chamam essa associação de "empresários" com o governo de capitalismo, um casamento insano chamado na realidade fascismo, mas o que é isso companheiro? Fascistas são os outros. No Brasil é assim, a fama precede o mérito.

    0
    • Carlos Massayuki Sekine Ubiratã - PR

      É aquela velha história Sr Rodrigo. É muito cocoricó e pouco ovo...

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      A política é um circulo vicioso!!!

      Refrescando-lhes a memória: Após a redemocratização surgiu um "menino das Alagoas" em 1989, na campanha para a presidência da República dizendo que ia "Caçar os Marajás" e, ... Deu no que deu... Após mais de duas décadas, surge uma cobra criada nos porões dos palácios brasilianos, cobra essa, também de origem das Alagoas e, resurge com o mesmo jargão, "Caça aos Marajás"... Esquece a víbora, que ele é a pior metástase que o sistema produziu nessa chamada redemocratização. ... O QUE SERÁ O FIM DISSO ??? ... Ah! Quer que dê nome à víbora ?? ... Que tal chamá-la de ... RENAN CALHEIROS ...

      0