Primavera com efeitos de La Niña: Climatempo alerta para chuvas abaixo da média no Sul do país

Publicado em 16/09/2020 11:09 e atualizado em 16/09/2020 19:36 4962 exibições

LOGO nalogo

A Climatempo divulgou em coletiva de imprensa as previsões climáticas para a primavera em todo o Brasil. A estação de transição entre a estação mais fria e mais quente do ano começa oficialmente no dia 22 de Setembro e durante o período áreas de produção agrícolas já poderão sentir os impactos do La Niña. 

Segundo Filipe Pungirum, meteorologista da Climatempo, as condições esperadas para o sul do país já geram preocupações, lembrando que no ano passado o Rio Grande do Sul sofreu uma das estiagens mais severas do estado, impactando diretamente na produção de grãos. "A previsão é que para esse próximo período úmido, será um período bem seco. A expectativa, infelizmente, não é boa para o sul do Brasil", comentou o meteorologista. 

Os modelos da Climatempo indicam que para o mês de outubro, a previsão é de chuvas entre 100 e 200 milímetros de precipitação acima da média para o Paraná. Já em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, a expectativa já é de chuva ligeiramente abaixo da média, enquanto as temperaturas devem permanecer dentro do esperado para o período. 

O meteorologista levanta o alerta para novembro, que é quando a condição de chuva tende a ficar mais crítica em todo o sul do Brasil. O baixo volume de chuvas para a região é uma das principais características do La Niña, levantando preocupação para o produtor. Os modelos da Climatempo apontam para números entre 100 e 200 mm a menos de chuva para toda a região. "Para dezembro, as chuvas ainda continuam abaixo da média, com exceção da faixa leste do Paraná e Santa Catarina que podem receber chuvas próximo a média", comenta Filipe. 

Sudeste

Já para o Sudeste do Brasil, a climatologia indica que os impactos da La Niña devem ser observados apenas nas temperaturas, que ficam mais amenas durante o período úmido. A tendência, segundo o meteorologista, é que as frentes passem a chegar no Sudeste durante o mês de Outubro de forma mais significativa. "A gente tem observado que as frentes avançam, mas chegam no Sudeste com pouca chuva", comenta. 

Vale destacar que o produtor de café de Minas Gerais aguarda pelo retorno das chuvas, já que a região passa por um dos períodos de estiagem mais crítico dos últimos anos e pode comprometer a produção da próxima safra de café. Os modelos de previsão para Outubro, mostram precipitação entre 25 e 50 mm acima da média para o extremo sul de Minas. As demais áreas do estado devem continuar com chuvas abaixo do esperado para o período. 

Já o modelo de previsão para Novembro, indicam chuvas mais regulares para todo o estado de Minas Gerais. Segundo a Climatempo, boa parte do estado deve ficar com volumes entre 25 e 50 mm acima da média esperada. A região central de Minas Gerais pode continuar chuvas ainda abaixo da média no próximo mês. Em contrapartida, todo o estado de São Paulo deve registrar chuvas entre 100 e 200 mm abaixo do esperado pela climatologia. Quanto às temperaturas, toda a região deve registrar o esperado para o período. 

 

Centro-Oeste

Para o Centro-Oeste, Filipe destaca que a estação não deve ter um atraso na estação chuvosa tão expressivo como aconteceu em 2019, mas que o retorno acontecerá de forma irregular. "Quem depende das chuvas precisa estar atento para organizar o início da safra. Não há expectativa de atraso como foi ano passado, mas ainda ficaremos com situação irregular até a chuva se estabelecer em meados de outubro ", comenta. 

Todo o Centro-Oeste brasileiro, que vem sofrendo com altas temperaturas e baixa umidade relativa do ar, deve continuar com as temperaturas acima da média histórica, com exceção do Mato Grosso do Sul que pode ter um alívio nas temperaturas máximas com início da primavera. "A expectativa é que esse início de primavera tenha alguma chuva significativa no Centro-Oeste. Duas frentes que avançam terão potencial para organizar chuvas no Mato Grosso e em Goiás, além do Mato Grosso do Sul", comentou. 

Em Novembro, o cenário tende a ser mais confortável. Segundo os modelos da Climatempo, boa parte da região deve ter chuvas acima da média, com destaque para o norte do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás, que podem registrar chuvas entre 50 e 100 mm acima da média histórica. As temperaturas também devem registrar declínio, ficando dentro da média esperada para o mês.

Para o mês de dezembro, os modelos indicam um padrão de corredor de umidade mais efetivo para o Centro-Oeste, atingindo principalmente parte do Mato Grosso e áreas de Goiás. Falando em temperaturas, a máxima pode continuar mais amena, resultado dos corredes de umidade que serão mais frequentes na área.

Matopiba

Para as áreas mais altas do país, o início da nova estação deve continuar com chuvas ligeiramente abaixo da média, sobretudo tudo no oeste e centro-sul baiano. "Lembrando que ainda não é uma época que chove muito nessas áreas, então teremos outubro com temperaturas e chuvas abaixo da média", comenta o meteorologista.

Para o mês de novembro, a previsão indica retorno de algumas chuvas, consequência dos corredores de umidade que ficam mais evidentes neste mês. Os volumes, no entanto, ainda devem continuar abaixo da média e as temperaturas elevadas em toda área de produção de grãos no Matopiba. 

Apesar da influência do La Niña, que também tem como característica chuvas volumosas para o norte do país, as previsões indicam precipitação abaixo da média para a região. "Lembrando que ainda estamos iniciando a transição das estações, também precisamos que os eventos (La Niña) significam uma porção das condições, mas ainda existem outros fatores que precisamos observar", afirma.

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário