Sindilat: Queda no preço do leite é mais sutil em novembro

Publicado em 25/11/2016 08:15
117 exibições

O preço de referência projetado para o leite no mercado gaúcho em novembro deve ficar em R$ 0,9362, redução de 1,49% em relação a outubro, quando o valor consolidado ficou em R$ 0,9504. Os dados foram divulgados pelo Conseleite em reunião nesta quinta-feira (24/11), durante o Avisulat, em Porto Alegre (RS). Apesar do avanço da safra em outros estados do Brasil, a queda foi mais sutil este mês em relação aos anteriores.  “A alta registrada no meio deste ano decorrente de uma entressafra severa não se mostrou sustentável, foi uma bolha, um bônus que o mercado deu ao setor. Agora, veio a queda do preço ao consumidor que foi repassada ao produtor e coloca o leite novamente na sua normalidade”, salientou o professor da UPF Eduardo Belisário Finamore.  Apesar da queda, a maioria dos preços dos produtos lácteos está acima dos valores praticados em novembro de 2015, com exceção do leite UHT.

O presidente do Sindilat e do Conseleite, Alexandre Guerra, alertou que o setor vive um momento difícil, onde as indústrias operam sem margem, algumas até no negativo. “No mercado, os preços já pararam de cair, o que sinaliza uma retomada importante para atender à expectativa da indústria e dos produtores nos próximos meses”.

Valores Finais da Matéria-Prima (Leite) de Referência1, em R$ – Outubro de 2016.

 

Matéria-prima

Valores Finais

Outubro / 16

I – Maior valor de referência

1,0929

II – Preço de referência

0,9504

III – Menor valor de referência

0,8553

  1. Valor para o leite posto na plataforma do laticínio com Funrural incluso (preço bruto - o frete é custo do produtor)

 

Valores Projetados da Matéria-Prima (Leite) de Referência1, em R$ – Novembro de 2016.

 

Matéria-prima

Novembro /16 *

I – Maior valor de referência

1,0766

II – Preço de referência

0,9362

III – Menor valor de referência

0,8426

(1) Valor para o leite posto na plataforma do laticínio com Funrural incluso (preço bruto - o frete é custo do produtor)

Fonte: Sindilat

0 comentário