Frango, ovo, milho e inflação em março de 2020 e na vigência do real

Publicado em 08/04/2020 08:48 e atualizado em 08/04/2020 10:19 126 exibições

Considerados os preços alcançados no mercado paulista desde meados de 1994, época de implantação do real como novo padrão monetário brasileiro, em março passado o ovo voltou a apresentar evolução muito similar à do frango vivo, fato observado pela última vez no primeiro semestre de 2018.

Em outras palavras, graças às valorizações obtidas no bimestre fevereiro-março passado, o ovo encerrou o primeiro trimestre de 2020 com uma cotação média cerca de 433% superior à alcançada na época de implantação do real, ficando apenas 8,97 pontos percentuais abaixo da evolução do frango vivo, cujo preço acumula variação próxima de 442%. Quase um ano atrás (maio de 2019), a diferença entre os dois produtos chegou a superar os 260 pontos percentuais.

Seria adequado considerar esses índices uma valorização do frango e do ovo? De forma alguma, porquanto a inflação acumulada no mesmo período – aqui representada pelo IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas – se encontra mais de 200 pontos percentuais acima, pois apresenta variação de mais de 660%.

Isso, porém, não é o pior. Porque ruim mesmo é o fato de a principal matéria-prima do frango e do ovo, o milho, ter ultrapassado novamente a inflação do real, acumulando em março variação muito próxima dos 700%.

Para exemplificar o que isso representa basta observar que, para obter o mesmo volume de milho de 1994, é preciso, agora, um volume de frangos vivos ou de ovos quase 50% maior.

Tags:
Fonte:
AviSite

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário