China detecta peste suína africana em outro caminhão de suínos

Publicado em 22/04/2020 08:51 1023 exibições

LOGO REUTERS

O Ministério da Agricultura da China disse na terça-feira (21) que detectou o mortal vírus da peste suína africana em porcos transportados para a província de Sichuan, no sudoeste, o mais recente em uma dúzia de casos nos últimos dois meses.

A China luta contra a peste suína africana desde agosto de 2018, depois que a doença se espalhou rapidamente pelo principal produtor mundial de carne suína, matando milhões de porcos e elevando os preços da carne suína.

No último incidente, o vírus foi encontrado em porcos em um caminhão parado para inspeção no condado de Nanjiang, perto da cidade de Bazhong. O caminhão carregava mais de 100 porcos e dois morreram, informou o ministério.

Os casos relatados pelo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais haviam diminuído para apenas um par por mês até o final do ano passado, mas 13 foram publicados no site do ministério desde março.

Todos os casos, além do encontrado em javalis, foram em porcos transportados entre províncias.

"O governo tem acesso mais fácil aos caminhões de transporte de suínos do que ter que confiar na disposição dos agricultores de denunciar surtos", disse Dirk Pfeiffer, professor de epidemiologia veterinária na City University de Hong Kong.

Pfeiffer acrescentou que os relatórios recentes podem não revelar muito sobre a epidemiologia da doença, com casos relatados provavelmente apenas na ponta do iceberg.

Apesar dos números de surtos do ministério da agricultura sugerirem muito menos animais envolvidos, os próprios dados do ministério mostraram que em setembro de 2019 o rebanho havia encolhido 41% ano a ano. Muitos na indústria acreditam que ela encolheu até 60%.

O vice-ministro da Agricultura, Yu Kangzhen, disse na segunda-feira que o risco de peste suína africana aumentou significativamente recentemente, à medida que os agricultores correm para reconstruir seus rebanhos e mover porcos jovens para novas fazendas.

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário