Avicultores integrados de Cianorte (PR) acertam reajuste com empresa e encerram paralisação

Publicado em 12/05/2020 10:56 456 exibições
Produtores integrados da Avenorte pleiteavam aumento nos preços pagos, e cerca de 1/3 do grupo de avicultores haviam paralisado as atividades desde o dia 6 de maio

LOGO nalogo

Depois de várias tentativas de negociação com a empresa Avenorte para obterem reajuste nos preços pagos, de Cianorte, no Paraná, os avicultores integrados conseguiram fechar um acordo e encerraram a paralisação das atividades de 1/3 do grupo que havia aderido ao movimento desde o dia 6 de maio. 

Segundo José Carlos Spoladore, presidente da Associação Dos Avicultores de Cianorte e integrante da Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da integração (Cadec), dos nove itens reinvidicados, todos foram atendidos, sendo ajustados por ambas as partes.

>> Leia mais: Avicultores integrados protestam em Cianorte contra preços baixos

>> Leia mais: Avicultores integrados em Cianorte ameaçam paralisar atividades se não houver reajuste

>> Leia mais: 1/3 dos integrados da Avenorte pode paralisar atividades a partir do dia 6
 

"O principal, que é sobre a remuneração, foi acertado que será pago retroativo à data da primeira reunião, em 25 de abril. O valor de R$ 0,2950 centavos/kg pago pelo peso do frango e em outubro vai passar para R$ 0,30 centavos".

Em torno de 110 dos 350 aviário integrados à empresa Avenorte, em Cianorte, no Paraná, ameaçam paralisar as atividades a partir do dia 6 de maio, caso a empresa não concedesse o reajuste nos preços pagos aos avicultores. Pelas estimativas de Spoladore, se cada aviário possuir uma média de 30 mil aves, e 110 aderiram à paralisação, seriam 3,3 milhões de aves a menos para serem abatidas. 

Entretanto, segundo ele, em quatro dias de paralisação (sem contar final de semana, quando não há abate), tento a negociação sido encerrada na segunda-feira (11), os trabalhos da empresa não chegaram a ser prejudicados. 

"Não foi todo mundo que aderiu à paralisação, e tinha aviários que estavam mais atrasados no alojamento, então a empresa puxou os que dava pra puxar pra tapar o buraco. Não parou o abatedouro, ia parar futuramentre, mas a Avenorte analisou e percebeu o problema que poderia dar e resolveram antes". 

 

Tags:
Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário