Índia libera 500 mil toneladas de importações de milho com imposto muito reduzido em reforço para o setor avícola

Publicado em 24/06/2020 10:11 92 exibições

LOGO REUTERS

A Índia autorizou a importação de 500.000 toneladas de milho este ano com uma taxa concessional de importação de 15%, informou o governo na terça-feira, enquanto Nova Délhi tenta aumentar o suprimento de ração animal para a indústria avícola.

A Índia, sétimo maior produtor mundial de milho, normalmente impõe um imposto de importação de 60% sobre o grão.

As importações de milho sob a cota tarifária (TRQ) foram permitidas para consumidores finais nos setores de fornecimento de aves e amido, informou o governo em uma notificação.

Grande exportadora de milho para o sudeste da Ásia até alguns anos atrás, a Índia tornou-se importadora à medida que a produção diminuía e a demanda cresceu de produtores domésticos de aves e fabricantes de amido de milho.

As importações de milho da Índia em 2019 saltaram para 312.389 toneladas em 2019, em comparação com apenas 30.962 toneladas há um ano, mostraram os dados do governo.

A Índia, que não permite o cultivo de qualquer alimento geneticamente modificado, possui regras para garantir que as importações não contenham vestígios de organismos geneticamente modificados.

Nova Délhi também liberou as importações de 10.000 toneladas de leite e creme em pó para este ano, com um imposto de importação concessional de 15%, informou a notificação do governo.

O país também autorizou cotas de importação de 150.000 toneladas de óleo de colza e óleo de girassol, com taxas de importação de 45% e 50%, respectivamente.

A Índia é o maior importador mundial de óleos comestíveis. Importa principalmente óleo de canola / canola do Canadá e óleo de girassol da Ucrânia e da Rússia.

BV Mehta, diretor executivo da Associação de Extratores de Solventes (SEA), um órgão comercial de Mumbai, disse que é improvável que as refinarias indianas importem óleo de colza e óleo de girassol sob essas cotas tarifárias, já que o imposto de importação sobre importações regulares é realmente mais baixo, em 35%.

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário