Casos de peste suína africana na República Dominicana geram alerta regional

Publicado em 02/08/2021 08:28 222 exibições

Logotipo Reuters

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) pediu aos países que intensifiquem os esforços para evitar a febre suína africana depois que a República Dominicana notificou os primeiros casos da doença mortal suína nas Américas em quase 40 anos na última semana.

O surto no país caribenho começou em 1º de julho, de acordo com um relatório da OIE, embora não tenha sido confirmado por meio de testes nos EUA até quarta-feira.

Os casos dominicanos levantaram preocupações sobre o risco de propagação da peste suína africana na região, inclusive nos Estados Unidos.

A doença é tipicamente fatal para porcos, embora inofensiva para humanos. Os casos prejudicam financeiramente os produtores e as empresas de carne porque os animais morrem e os governos muitas vezes restringem os embarques de carne suína de países infectados. Controlar a disseminação da doença para novos países nas Américas “será fundamental para proteger a segurança alimentar e a subsistência de algumas das populações mais vulneráveis ??do mundo”, disse a OIE.

A doença se originou na África antes de se espalhar para a Europa e Ásia e matou centenas de milhões de porcos, enquanto remodelava os mercados globais de carne e ração.

As investigações estão em andamento para determinar como ele entrou na República Dominicana, disse a OIE. Porcos em duas fazendas em províncias localizadas a cerca de 200 quilômetros uma da outra foram infectados, de acordo com o relatório.

Um surto na província de Monte Cristi começou em 1 ° de julho entre animais de diferentes idades e sexos criados em um quintal comunitário”, disse o relatório. Foram 827 animais que morreram ou foram mortos.

Outro surto na província de Sánchez Ramírez começou em 14 de julho e envolveu 15 porcos em uma fazenda de quintal que morreram, segundo a OIE.

“A grande diversidade de sistemas de produção e comércio que atualmente coexistem na região das Américas apresenta desafios adicionais únicos no que diz respeito ao enfrentamento desta doença”, disse Luis Barcos, representante da OIE para as Américas.

Na China, o maior produtor mundial de carne suína, a peste suína africana destruiu metade do rebanho de suínos em um ano após ser detectada lá em 2018.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário