Preço do arroz em casca recupera 2% do valor em abril

Publicado em 19/04/2013 12:27 612 exibições
Exportações acima da média esperada e quebra acima do esperado na colheita do Sul estão criando um efeito de valorização nas cotações do cereal em casca no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina
Depois de passar por uma desvalorização natural durante a safra em fevereiro e março, o arroz em casca voltou a registrar recuperação dos preços ao produtor no Rio Grande do Sul nos primeiros 18 dias do mês de abril, quando a colheita alcança cerca de 80% da área cultivada. O indicador de preços do Arroz em Casca Esalq/Bolsa Brasileira de Mercadorias-BM&FBovespa (Rio Grande do Sul, 58% de grãos inteiros) fechou a última quinta-feira, 18/4, apontando o preço médio de R$ 31,41/saca de 50 kg, à vista. O valor é 1,98% maior do que o registrado no último dia de março. Pela cotação do dia, a saca de arroz em casca equivale a 15,56 dólares.

Quatro fatores são determinantes para esta valorização dos preços do arroz em casca no Rio Grande do Sul, que também está refletindo em Santa Catarina. O primeiro são os estoques de passagem do País, os mais baixos da década, segundo a Conab; o segundo é uma quebra de safra maior do que o esperado no Rio Grande do Sul, em razão de algum atraso no plantio, frio na fase de floração – que provocou o efeito de grãos chochos – e a ocorrência da doença fúngica brusone, entre outros fatores; a boa exportação verificada em março, com expectativa de firmar-se ao longo deste primeiro semestre, apesar das dificuldades de logística do Brasil, também colaboram para uma recuperação de preços.

Por fim, a comercialização de soja e milho pelos arrozeiros que adotaram estas culturas em várzea, no primeiro semestre do ano, estão permitindo aos produtores “segurarem” a safra de arroz. Sem oferta, a indústria tem buscado o grão e, para isso, precisa majorar os preços. Pode ser considerado um quinto componente para a formação deste cenário, a queda da produção argentina em 4,5%.

Nos três primeiros meses do ano houve uma queda de 12% nas cotações do arroz em casca no Rio Grande do Sul, perda que já caiu para 10% em 18 dias de abril. Os analistas do setor consideram que não há margem para quedas acentuadas de preços do arroz, exceto se ocorrer algum fator que gere uma redução nas vendas externas e uma avalanche de arroz do Mercosul no Brasil. Os estoques seguirão apertados. Desta forma, a média de preços no mercado livre gaúcho oscila entre R$ 30,00 e R$ 31,00 livre ao produtor, contra uma faixa de preços que variava entre R$ 28,00 e R$ 29,00 um mês atrás na Depressão Central.

O produto colocado na indústria já chega a ser cotado a R$ 32,50 em algumas regiões. Os analistas acreditam que o mercado deve manter-se com esta estabilidade até o final do mês, com fôlego para recuperar até uns 3%. Alertam, porém, que uma alta mais significativa dos preços afetará as vendas externas, e isso não seria bom para alcançar as metas de exportação, o que interfere nas cotações do mercado interno.

Mercado

A Corretora Mercado, de Porto Alegre, indica que os preços subiram 1% esta semana para o arroz em casca em sacas de 50 quilos (58x10), agora cotado a R$ 31,80, em média, no Rio Grande do Sul. A saca de 60 quilos de arroz beneficiado, tipo 1, é cotada a R$ 66,00, valor R$ 1,54% superior aos da semana passada. Os quebrados e o farelo seguem com estabilidade de preços em função da ótima safra de milho e soja que alcançou o Rio Grande do Sul. Sendo assim, o canjicão segue cotado a R$ 36,00 a saca de 60 quilos, a quirera a R$ 33,00 (60kg) e a tonelada do farelo de arroz (FOB/Arroio do Meio) está cotada em estáveis R$ 330,00.

Tags:
Fonte:
Planeta Arroz

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário