Clima e câmbio vão influenciar nos rumos da próxima safra, avaliam especialistas

Publicado em 20/09/2016 08:11
222 exibições

Após um ciclo com perdas de mais de 10% na produção de grãos por causa do El Niño, o Brasil começa o plantio de soja do ciclo 2016/17 com um olho no céu e outro no mercado. A chance de ocorrer o fenômeno La Niña e a valorização do real frente ao dólar são os principais motivos de preocupação. Mesmo assim, para especialistas, o agronegócio brasileiro deve registrar resultados bem melhores do que os do ciclo passado.

La Niña

Fenômeno que acontece quando ocorre a diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico. Causa mudanças no tempo, como o aumento das chuvas no Nordeste do Brasil e temperaturas abaixo do normal para o verão, no Sudeste.

Camilo Motter, analista da Granoeste, vê um momento em que é preciso esperar a meteorologia se definir para que os rumos fiquem mais claros. “Não somente o produtor brasileiro, mas o mercado está muito atento na questão climática no Brasil. É um ano de transição de padrão climático e viemos de perdas muito significativas no último ciclo”, enfatiza. O potencial produtivo de grãos para 2016/17, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), é de mais de 200 milhões de toneladas (em 2015/16, foram 189,3 milhões de toneladas).

Para os meteorologistas, a previsão até o momento é de que a La Niña vai acontecer, mas com intensidade de fraca a moderada. O meteorologista do Climatempo Alexandre Nascimento explica que quando o fenômeno vem com essa característica, os problemas são sentidos de forma mais isolada pelo país. “[A La Niña] vai deixar a chuva muito próxima do normal de forma geral, diferente do ano passado que foram prejudicadas grandes áreas. Você pode até ter meses com chuva maior do que a média, mas no mês seguinte chove abaixo da média”, exemplifica.

Leia a notícia na íntegra no site Gazeta do Povo.

Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário