Milho: Com ajuste técnico, mercado tenta consolidar alta em Chicago

Publicado em 22/08/2014 12:52 518 exibições

Na sessão desta sexta-feira (22) os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) trabalham em campo positivo. Por volta das 12h11 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam altas entre 3,00 e 3,25 pontos. O contrato setembro/14 era cotado a US$ 3,65 por bushel.

Os preços do cereal buscam consolidar o movimento de recuperação iniciado na última sessão. De acordo com o analista de mercado da Agrogt Corretora de Cereais, Gilberto Messias Toniolo, explica as oscilações positivas nas cotações são decorrentes de um ajuste técnico frente às quedas registradas no mercado internacional nos últimos 60 dias.

Além disso, a demanda aquecida diante dos preços em patamares mais baixos, também deu suporte aos contratos durante essa semana. Outra variável observada pelos participantes do mercado foi a produção de etanol nos EUA, reportada na última quarta-feira, que contribuiu para o movimento de recuperação registrado na quinta-feira.

Ainda assim, as informações são insuficientes para ocasionar uma modificação no cenário, já que a expectativa é de grande safra nos Estados Unidos. E as notícias de clima ainda indicam tempo favorável para o final de desenvolvimento da cultura do milho no país.

Segundo dados reportados pela expedição Crop Tour, realizada pela Pro Farmer, indicaram bons índices de produtividade para os principais estados produtores nessa semana. Em Ohio, Dakota do Sul, Indiana, Nebraska e Illinois, os rendimentos das plantações deverão ficar acima da média dos últimos anos, assim como, das projeções do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Em Iowa, os produtores norte-americanos deverão colher cerca de 189,2 sacas de milho por hectare. A estimativa está acima do registrado na safra anterior, de 181,97 sacas por hectare, mas é inferior à previsão do departamento, de 195,8 sacas por hectare.

Já em Minnesota, a expectativa de produtividade para a safra 2014/15 é de 180,72 sacas de milho por hectare, abaixo da média do último ano. Porém, a projeção está acima da expectativa do USDA, de 177,8 sacas por hectare.

Mercado interno
Os preços praticados no mercado interno permanecem estáveis nas principais praças pesquisadas pelo Notícias Agrícolas. Durante essa semana, os produtores rurais aguardaram o primeiro leilão de Pepro. A operação foi realizada na última quarta-feira e negociou cerca de 85,52% do total ofertado, de 1,050 milhão de toneladas. Porém, com a disputa, em muitas regiões, especialmente para o Norte de MT, o valor baixou de R$ 4,062 para R$ 2,27.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) deverá realizar nova operação no dia 28 de agosto, com oferta de 1,750 milhão de toneladas de milho. O estado de MT poderá leiloar 1,450 milhão de toneladas, divididos nas regiões Norte, com 500 mil toneladas, Centro Norte, 550 mil toneladas, Centro Sul, 250 mil toneladas, Nordeste, 100 mil toneladas e Sudeste, 50 mil toneladas.

Em Goiás e Mato Grosso do Sul, a oferta será de 75 mil toneladas para cada estado. Já o Oeste da Bahia participa do leilão com 50 mil toneladas, mesma quantidade das outras regiões participantes, Sul do Maranhão e Sul do Piauí. Os valores dos prêmios ainda não foram reportados pela companhia.

Ainda na visão do analista, as operações são medidas para auxiliar os produtores com o escoamento da produção. “Mas ainda precisamos exportar uma maior quantidade para que os estoques não fiquem mais altos do que o registrado no ano passado”, destaca Toniolo.

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário