Após ganhos recentes, milho inicia a sessão desta 3ª feira com leve queda, próximo da estabilidade na CBOT

Publicado em 22/11/2016 07:03 e atualizado em 22/11/2016 12:18
252 exibições

Na manhã desta terça-feira (22), os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) testam ligeiras quedas e operam próximos da estabilidade. Às 7h37 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam perdas entre 0,50 e 0,75 pontos. O vencimento dezembro/16 era cotado a US$ 3,49 por bushel, enquanto o março/17 era negociado a US$ 3,57 por bushel.

O mercado voltou a operar do lado negativo da tabela, depois de encerrar o dia anterior com leves ganhos. As cotações foram impulsionadas pelas valorizações expressivas registradas nos futuros da soja e também pela recuperação nos preços do petróleo, conforme dados reportados pelo site internacional Agrimoney.com.

"O petróleo subiu mais de 4% diante da reunião da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) que será realizada na próxima semana e que aumentou as expectativas sobre um corte na produção", informou o portal. Por outro lado, os analistas ainda ponderam que, os números dos embarques semanais de milho, reportados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) também deram suporte aos preços.

Na semana encerrada no dia 17 de novembro, os embarques do cereal somaram 875,976 mil toneladas de milho. O número ficou dentro do esperado pelos investidores, entre 800 mil a 1 milhão de toneladas do cereal.

Ainda nesta segunda-feira (21), o USDA reportou que, a colheita de milho já está completa em 97% da área semeada nesta temporada. Os dados são referentes até o último domingo (20). O percentual está em linha com o observado no mesmo período do ano passado. Na semana passada, o índice era de 93% e a média dos últimos cinco anos para o período é de 96%.

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

>> Milho dá continuidade ao movimento positivo e encerra 2ª feira com valorização de mais de 1% na CBOT

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário