Seca na Argentina começa a preocupar os agricultores e o mercado

Publicado em 08/12/2016 14:59
735 exibições

Os agricultores na Argentina estão ficando mais atentos a respeito da seca que se desenvolve nas áreas central e sul do país, importantes regiões produtoras.

As áreas de maior risco no momento são as províncias de Buenos Aires, La Pampa, o sul de Santa Fe e o sul de Córdoba. Essas áreas são grandes produtoras de milho.

A temperatura no país foi, em grande parte, chuvosa durante o mês de outubro, mas se tornou seca em novembro e essa perspectiva deve continuar ao longo do mês de dezembro.

Aproximadamente 45% da safra 2016/17 de milho foi plantada, em comparação com uma média de 54%. Os produtores argentinos devem plantar aproximadamente 4,3 milhões de hectares de milho em 2016/17. O milho na Argentina é plantado em duas fases: a primeira fase é plantada durante setembro e outubro e a segunda, em dezembro e janeiro. Eles não gostam de plantar em novembro para que o milho possa ter um bom desenvolvimento em janeiro.

O milho plantado durante a primeira fase está se aproximando da fase de polinização - cerca de 25% a 30% do milho argentino estará polinizando durante o mês de dezembro, grande parte na metade do mês. O próximo grande mês de polinização deve ser em fevereiro, quando o milho plantado durante a segunda fase se aproxima dessa etapa. A polinização é a fase mais sensível para o plantio, portanto, condições quentes e secas podem resultar em perdas significantes.

Ainda há aproximadamente 750.000 hectares de milho a serem plantados. Os agricultores argentinos estão plantando seu milho cada vez mais tarde nos últimos anos, mas o plantio este ano está muito mais atrasado do que o normal e, se a seca persistir durante os meses de dezembro e janeiro, muitos podem não plantar toda a área planejada de milho.

Portanto, há um grande risco em potencial para a safra de milho na Argentina, com as condições de seca à frente. Os meteorologistas no país estão prevendo um verão mais seco do que o normal, mas os agricultores esperam que eles estejam errados.

Tradução: Izadora Pimenta

Fonte: Soybeans and Corn Advisor

0 comentário