Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago

Publicado em 12/06/2019 16:58 e atualizado em 13/06/2019 09:52
781 exibições

LOGO nalogo

A quarta-feira (12) chega ao fim com os preços internacionais do milho levemente mais altos na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram valorizações entre 0,75 e 2,25 pontos.

O vencimento julho/19 foi cotado à US$ 4,30, o setembro/19 valeu US$ 4,38 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,48.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho tiveram uma forte repercussão nos preços da soja na quarta-feira, elevando-se quase 0,5% na sessão.

“Previsões húmidas na próxima semana estão a criar ventos contrários adicionais, embora uma rodada de obtenção de lucros também possa estar próxima, após os preços terem subido mais de 4% até agora esta semana”, destaca Potter.

De acordo com informações da Agência Reuters, os atrasos de plantio sem precedentes apontados nesta semana podem sofrer novas dificuldades nos próximos dias, com as chuvas ameaçando atrasar ainda mais as plantações de milho e soja e colocar em risco o rendimento das safras.

“Os comerciantes continuam incertos sobre quantos hectares serão plantados com milho e soja e quanto as colheitas produzirão. Se as condições melhorarem, os agricultores podem trocar os hectares por soja, que normalmente é plantada depois do milho. No entanto, as chuvas futuras significam que mais plantações de soja podem estar paralisadas”, comenta Tom Polansek da Reuters Chicago.

O mercado também aguarda a divulgação do novo relatório de exportação do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) de amanhã. Os analistas esperam que a agência mostre vendas de milho entre 13,8 milhões e 33,5 milhões de bushels na semana encerrada em 6 de junho.

Mercado Interno

No mercado interno os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, nenhuma praça registrou desvalorização.

Já as valorizações, apareceram em Pato Branco/PR (1,68% e preço de R$ 30,20), Brasília/DF (1,69% e preço de R$ 30,00), Ubiratã/PR e Londrina/PR (1,79% e preço de R$ 28,50), Jataí/GO e Rio Verde/GO (3,77% e preço de R$ 27,50) e São Gabriel do Oeste/MS (5,77% e preço de R$ 27,50).

Para a XP Investimentos, o mercado de grãos segue estudado e a leve pressão baixista permanece graças à intensificação da colheita no Centro-Oeste e Sul do Brasil. “Observando o aumento das ofertas, compradores locais deixam o milho diferido de lado e pressionam intermediários e silos”, dizem os analistas.

O Deral apontou colheita de 12% do total plantado no Paraná, melhor início dentre todas as temporadas. No Mato Grosso, o Imea mensura em 8,57% do total e 2º melhor início para o estado.

A Radar Investimentos destaca que as divulgações do últimos números do USDA para a safra americana contribuíram para o aumento da volatidade dos mercados.

Confira como ficaram as cotações nesta quarta-feira:

>> MILHO

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário