Milho despenca em Chicago com dúvidas sobre compras da China

Publicado em 16/01/2020 17:07
469 exibições
Principais cotações caíram 3% nesta quinta-feira

LOGO nalogo

Os preços internacionais do milho futuro perderam força na Bolsa de Chicago (CBOT) e encerraram a quinta-feira (16) com grandes quedas. As principais cotações registraram desvalorizações entre 9,75 e 12,00 pontos.

O vencimento março/20 foi cotado à US$ 3,75 com perda de 12,00 pontos, o maio/20 valeu US$ 3,82 com baixa de 11,50 pontos, o julho/20 foi negociado por US$ 3,89 com desvalorização de 11,50 pontos e o setembro/20 teve valor de US$ 3,90 com queda de 9,75 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quarta-feira, de 3,10% para o março/20, de 3,05% para o maio/20, de 2,75% pra o julho/20 e de 2,50% para o setembro/20.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho ficaram com dúvidas sobre se a China fará as compras dos Estados Unidos prometidas em um acordo comercial entre os dois países.

“É apenas ceticismo quanto à China cumprir o acordo comercial”, disse Dan Cekander, presidente da DC Analysis, sobre a ampla venda entre mercados agrícolas.

Sob os termos do pacto, a China se comprometeu a aumentar as compras de produtos agrícolas dos EUA em US $ 32 bilhões em dois anos, incluindo US $ 12,5 bilhões acima da linha de base correspondente de 2017, de US $ 24 bilhões em 2020 e US $ 19,5 bilhões acima da linha de base em 2021.

No entanto, de acordo com Julie ingwersen, da Reuters Chicago, o compromisso da China de comprar produtos agrícolas dos EUA com base em "condições de mercado" aumentou as dúvidas sobre o tamanho de quaisquer compras futuras.

“Essas frases são vistas como alçapões, potencialmente, que a China pode usar. Dito isso, a questão maior é que estamos hoje em um lugar melhor com a China do que há seis meses”, disse Rich Feltes, vice-presidente de pesquisa da R.J. O'Brien.

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a quinta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações apenas em Luís Eduardo Magalhães/BA (1,01% e preço de R$ 49,00).

Já as valorizações foram percebidas nas praças de Assis/SP (1,12% e preço de R$ 45,00), Pato Branco/PR (1,20% e preço de R$ 42,20), Ubiratã/PR (1,23% e preço de R$ 41,00), Londrina/PR (1,23% e preço de R$ 41,00), Cascavel/PR (1,23% e preço de R$ 41,00), Castro/PR (2,22% e preço de R$ 46,00), São Garbriel do Oeste/MS (2,38% e preço de R$ 43,00), Tangará da Serra/MT (2,63% e preço de R$ 39,00) e Campo Novo do Parecis/MT (2,70% e preço de R$ 38,00).

Em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta quinta-feira, o superintendente do Imea, Daniel Latorraca Ferreira, destacou que a tendência de alta nas cotações do milho devem seguir em alta no Mato Grosso durante 2020.

De acordo com Ferreira, o estado passa hoje por escassez do cereal, com a safra 18/19 já 99,4% vendida e próximo ciclo 19/20 já está 56,88% negociada.

Confira como ficaram as cotações nesta quinta-feira:

>> MILHO

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário