Milho se desvaloriza em Chicago nesta sexta-feira após projeções do USDA

Publicado em 21/02/2020 17:04
384 exibições
Departamento prevê colheita recorde para safra que será plantada em 2020

LOGO nalogo

A sexta-feira (21) chega ao final com os preços internacionais do milho futuro em baixa na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram perdas entre 1,50 e 2,00 pontos ao longo do dia.

O vencimento março/20 foi cotado à US$ 3,77 com queda de 1,50 pontos, o maio/20 valeu US$ 3,80 com desvalorização de 2,00 pontos, o julho/20 foi negociado por US$ 3,83 com baixa de 2,00 pontos e o setembro/20 teve valor de US$ 3,82 com perda de 2,00 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 0,26% para o março/20, de 0,52% para o maio/20 e de 0,52% para o julho/20 e de 0,52% para o setembro/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (14), os futuros do milho acumularam quedas de 0,52% para o maio/20, de 0,52% para julho/20, de 0,52% para o setembro/20 além de estabilidade para o março/20, na comparação dos últimos sete dias.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros do milho ficaram mais fracos pressionados por uma projeção de colheita recorde nos Estados Unidos para a próxima safra que será plantada em 2020.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) fixou a safra de milho norte-americana em 15,5 bilhões de bushels (393,7 milhões de toneladas), o que faria com que os estoques finais aumentassem para 2,637 bilhões de bushels (66,979 milhões de toneladas). “Se realizado, esse seria o maior estoque desde 1988”, destaca Mark Weinraub da Reuters Chicago.

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram registradas desvalorizações apenas em Jataí/GO (2,17% e preço de R$ 45,00).

Já as valorizações foram percebidas nas praças de Rio Verde/GO (2,17% e preço de R$ 47,00), Ponta Grossa/PR (2,27% e preço de R$ 45,00), Tangará da Serra/MT (2,44% e preço de R$ 42,00) e Campo Novo do Parecis/MT (2,50% e preço de R$ 41,00).

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Em seu boletim diário a Radar Investimentos apontou que, após movimentos rápidos e fortes de alta, as cotações do milho no mercado físico tem perdido força no final desta semana. “Por outro lado, o dólar continua estressado e próximo de R$4,39-R$4,40”.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Exportações brasileiras de milho em fevereiro estão 67,9% menores do que mesmo mês de 2019

>> USDA: Embarques semanais de soja, milho e trigo dos EUA ficam dentro das expectativas

>> Imea aponta que 63% do milho segunda safra já foi plantado no Mato Grosso

>> Deral indica que 23% do milho verão foram colhidos no Paraná; plantio da safrinha já está em 32%

>> Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS

>> EUA vendem 1,25 milhão de t de milho da safra 2019/20 na semana, diz USDA

>> USDA estima área plantada com soja 12% maior em 2020/21 ante 2019/20 nos EUA

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário