Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas

Publicado em 02/04/2020 20:53 e atualizado em 02/04/2020 21:29 550 exibições
Chicago registra primeiras altas em 5 dias após recuperação do petróleo

LOGO nalogo

A quinta-feira (02) chegou ao final com os preços do milho no mercado interno brasileiro registrando poucas variações. Em levantamento realizado pelo Notícias Agrícolas, não foram registradas valorizações em nenhuma praça. Já as desvalorizações apareceram apenas em Londrina/PR (1,16% e preço de R$ 42,50), Ubiratã/PR (1,16% e preço de R$ 42,50) e Brasília/DF (4,08% e preço de R$ 47,00).

Os preços do milho no mercado interno brasileiro vêm se mantendo sustentados apoiados na forte demanda interna, principalmente para os setores de ração e etanol, e no número recorde de exportações atingido no ano passado. O indicador ESALQ/BM&FBovespa, por exemplo, acumulou altas de 11,74% na parcial de março fechando a última sexta-feira com valor de R$ 59,50/sc de 60 kg, configurando portanto, o maior patamar nominal da série histórica do Cepea

Segundo a analista de mercado da INTL FCStone, Ana Luiza Lodi, 2020 começou com menos disponibilidade do cereal, o que mantem os preços em alta mesmo com a chegada de algum volume colhido na safra de verão em regiões pontuais do país.

Na visão da analista, é a safrinha deste ano quem pode modificar este cenário, já que a consultoria espera uma produção recorde de 73,9 milhões de toneladas. Porém, Lodi destaca que o clima de abril vai ser fundamental para a manutenção destas perspectivas e que o mercado segue acompanhando de perto o desenvolvimento das lavouras.

Lodi ainda acredita que as exportações devam retomar a tendência de alta no segundo semestre e fechar o ano em 35 milhões de toneladas, só não repetindo os números do ano anterior devido, justamente a menor disponibilidade de estoques. O dólar valorizado é quem vai estimular esse movimento, já que o cereal brasileiro se torna mais competitivo no mercado exterior.

Veja a entrevista completa com a analista de mercado da INSTL FCStone.

Confira como ficaram todas as cotações nesta quinta-feira.

Mercado Externo

Após operar por grande parte do dia no campo positivo das cotações, os preços internacionais do milho futuro encerraram a quinta-feira (02) no campo misto na Bolsa de Chicago (CBOT). Os principais vencimentos registraram movimentações entre 1,25 pontos negativos e 2,50 pontos positivo ao final do dia.

O contrato maio/20 foi cotado à US$ 3,33 com desvalorização de 1,25 pontos, o julho/20 teve valor de US$ 3,38 com queda de 0,25 pontos, o setembro/20 foi negociado por US$ 4,42 com alta de 1,25 pontos e o dezembro/20 valeu US$ 3,49 com valorização de 2,50 pontos.

Esses índices representaram baixas, com relação ao fechamento da última quarta-feira, de 0,30% para o maio/20, estabilidade para o julho/20, e ganhos de 0,59% para o setembro/20 e de 0,58% para o dezembro/20.

Segundo informações da Agência Reuters, os contratos futuros de milho firmaram-se pela primeira vez em cinco sessões, com os preços do petróleo bruscamente mais altos, levando alguns investidores a cobrir posições curtas.

“A maioria dos contratos de milho registrou mínimos novos no início da sessão ou correspondeu aos mínimos anteriores. Os dados de vendas de exportação de milho e soja sólidos do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) mantiveram um piso no mercado. As vendas de exportação de milho na semana passada chegaram perto do final de uma série de previsões comerciais”, aponta o analista Karl Plume.

O departamento informou que as vendas semanais norte-americanas de milho foram de 1.075,4 milhão de toneladas, contras as projeções de 700 mil a 1,3 milhão de toneladas.  O volume apresenta um recuo de 41% em relação à semana anterior e de 13% frente à média das últimas quatro semanas.

Veja mais detalhes sobre este boletim do USDA

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário