Milho se movimenta em campo misto no Brasil nesta 4ªfeira de olho na demanda e na safra

Publicado em 20/05/2020 16:52 544 exibições
Chicago cai com ganhos de demanda batalhando com o avanço no plantio

LOGO nalogo

A quarta-feira (20) chega ao final com movimentações em campo misto para os preços do milho no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas valorizações em Jataí/GO (1,39% e preço de R$ 36,50), Rio Verde/GO (1,39% e preço de R$ 36,50) e Ponta Grossa/PR (2,27% e preço de R$ 45,00).

Já as desvalorizações apareceram nas praças de Brasília/DF (0,50% e preço de R$ 40,00), Campinas/SP (0,96% e preço de R$ 51,50), Porto de Santos/SP (1,96% e preço de R$ 50,00) e Porto Paranaguá/PR (2,04% e preço de R$ 48,00).

Confira como ficaram todas as cotações nesta quarta-feira.

Em seu reporte diário, a Radar Investimento aponta que os participantes do mercado físico estão atentos a retração da demanda nos Estados Unidos e no Brasil para o cereal. “Além disto, o cenário de chuvas abaixo do esperado para boa parte das regiões produtoras também chama a atenção. Em Campinas-SP, as referência estão praticamente estável entre R$50-R$51/sc, CIF,30d”.

B3

Já a Bolsa Brasileira (B3) operou, majoritariamente, com elevações durante toda esta quarta-feira (20) para os preços futuros do milho no final. Os principais contratos flutuavam entre 0,09% negativo e 1,21% por volta das 16h21 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 46,75 com queda de 0,02%, o setembro/20 valia R$ 45,54 com perda de 0,09%, o novembro/20 era negociado por R$ 48,50 com valorização de 1,21% e o março/21 tinha valor de R$ 48,24 com elevação de 1,03%.

A Secretaria de Agricultura e do Abastecimento do Paraná divulgou, por meio do Departamento de Economia Rural (Deral), seu o relatório de plantio, colheita e comercialização das principais safras do estado.

O relatório semanal apontou que, para a segunda safra de milho no estado, as lavouras se dividem com 8% já em maturação, 44% em frutificação, 38% em floração e 10% ainda em descanso vegetativo.

Quanto à qualidade destas áreas, 45% estão boas, e 39% estão em médias e 16% com condições ruins. No último levantamento divulgado à uma semana, ainda eram 53% das áreas com boas condições no estado, uma queda de 8 pontos percentuais.

Mercado Externo

Para a Bolsa de Chicago (CBOT) a quarta-feira (20) foi de leves movimentações para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registraram flutuações negativas entre 0,25 e 1,75 pontos ao final do dia.

O vencimento julho/20 foi cotado à US$ 3,19 com desvalorização de 1,750 pontos, o setembro/20 valeu US$ 3,24 com baixa de 1,25 pontos, o dezembro/20 foi negociado por US$ 3,34 com perda de 0,25 pontos e o março/21 teve valor de US$ 3,46 com estabilidade.

Esses índices representaram quedas, com relação ao fechamento da última terça-feira, de 0,62% para o julho/20 e de 0,31% para o setembro/20, além de estabilidade para o dezembro/20 e para o março/21.

Segundo informações da Agência Reuters, o milho foi estável nesta quarta-feira com os ganhos da demanda em etanol e ração animal compensando o plantio antecipado.

“O milho, amplamente utilizado em etanol combustível nos Estados Unidos, foi levantado da noite para o dia, com a recuperação dos mercados de petróleo, mas ficou praticamente estável durante as negociações, em meio a um forte progresso no plantio da primavera”, aponta Christopher Walljasper da Reuters Chicago.

A publicação destaca que os agricultores americanos fizeram progressos mais rápidos do que o normal no plantio desta safra de milho de acordo com o último reporte do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), para o que se espera que seja uma enorme área cultivada de milho este ano.

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário