Cotações do milho seguem subindo na Bolsa Brasileira

Publicado em 29/06/2020 11:54 e atualizado em 29/06/2020 16:43 617 exibições
Chicago sobe enquanto espera redução na área cultivada nos EUA

LOGO nalogo

A segunda-feira (29) apresenta ganhos para os preços futuros do milho na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,53% e 1,40% por volta das 11h49 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 47,10 com valorização de 1,40%, o setembro/20 valia R$ 44,85 com elevação de 0,79% e o novembro/20 era negociado por US$ 47,01 com alta de 0,56%.

De acordo com análise da Agrifatto Consultoria, o mercado futuro do milho no Brasil visualiza a solidez do dólar e dá sustentação aos negócios do cereal na B3. “O vencimento setembro/20 voltou a flertar com os R$ 45,00 a saca, número que não é atingido desde o dia 22 de maio”.

Mercado Externo

Os preços internacionais do milho seguem subindo na Bolsa de Chicago (CBOT) nesta segunda-feira. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 5,50 e 6,00 pontos por volta das 11h41 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à 3,22 com alta de 5,50 pontos, o setembro/20 valia US$ 3,24 com elevação de 5,50 pontos, o dezembro/20 era negociado por US$ 3,31 com valorização de 6,00 pontos e o março/21 tinha valor de US$ 3,42 com ganho de 5,50 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os comerciantes fizeram ajustes finais nas posições de milho nesta manhã, antes dos relatórios de amanhã, que devem mostrar uma área de milho menor do que o relatório de 31 de março do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

A publicação destaca ainda que, a quantidade de chuvas necessária no Meio-Oeste neste fim de semana provavelmente ajudará a melhorar as condições da safra antes do relatório semanal de hoje sobre o Progresso da Safra, divulgado pelo USDA.

“A chuva e o clima mais úmido e quente estão ajudando a safra”, escreveu um agricultor do norte de Illinois ao Farm Futures.

Tags:
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário