Bolsonaro tem 24% em São Paulo e em Minas Gerais; Alckmin só vai a 15% e 9%

Publicado em 14/09/2018 08:42 e atualizado em 15/09/2018 18:56
1683 exibições
DataPoder360 foi a redutos do PSDB e concluiu: Voto seguro em Bolsonaro vai a 85%

Bolsonaro derruba rejeição e vai a 26%; Haddad empata com Ciro no Nordeste e chega a 10%, mostra XP/Ipespe

SÃO PAULO - Uma semana após ser vítima de um ataque a facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), o deputado Jair Bolsonaro (PSL) ampliou sua vantagem em relação aos adversários na corrida presidencial e viu sua taxa de rejeição deixar de ser a maior entre os candidatos. É o que mostra pesquisa XP Investimentos/Ipespe, realizada entre 10 e 18 de setembro. Segundo o levantamento, o parlamentar saltou de 23% para 26% das intenções de voto no intervalo de uma semana e agora está 14 pontos percentuais à frente de  Ciro Gomes (PDT), adversário mais bem posicionado na disputa. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Na semana em que foi oficializado candidato - substituindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) chegou a 10% das intenções de voto no cenário estimulado de primeiro turno. O desempenho representa uma oscilação positiva de 2 pontos percentuais em relação à pesquisa da semana anterior e um salto de 4 pontos comparando com levantamento de duas semanas atrás.

Leia a notícia na íntegra no site do InfoMoney.com

O Antagonista: O empate no segundo turno

A pesquisa da XP para o segundo turno mostra Jair Bolsonaro praticamente empatado com seus principais adversários.

Ele tem 36% contra 37% de Geraldo Alckmin, 36% contra 37% de Marina Silva, 35% contra 40% de Ciro Gomes e 40% contra 38% de Fernando Haddad.

O candidato do PT perde de 10 pontos percentuais na disputa direta com Geraldo Alckmin: 38% a 28%.

Bolsonaro tem 24% em São Paulo e em Minas Gerais; Alckmin só vai a 15% e 9%

Pesquisas do DataPoder360 em São Paulo e em Minas Gerais registram de maneira minuciosa as dificuldades enfrentadas pelo candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin. Ele tem pontuação baixa nos 2 maiores colégios eleitorais, seu voto é pouco consistente e o maior adversário, Jair Bolsonaro (PSL), tem apoios cada vez mais cristalizados entre paulistas e mineiros.

Os Estados de São Paulo e de Minas Gerais são redutos históricos do PSDB. A expectativa tucana era a de que o partido pudesse ter vitórias nas disputas pelos governos locais e para presidente nessas localidades.

São Paulo é o Estado natal de Alckmin. Tem 33.040.411 eleitores. Isso equivale a 22,4% do total do país. O PSDB governou o Estado por mais de 20 anos. Além disso, tem 1 candidato competitivo concorrendo ao Palácio dos Bandeirantes, João Doria.

O Estado de Minas Gerais já foi comandado algumas vezes pelo PSDB. Tem 15.700.966 eleitores (10,7% do Brasil). O favorito nesta disputa para ganhar o Palácio da Liberdade é o tucano Antonio Anastasia.

Juntos, os eleitorados paulista e mineiro equivalem a 33,1% dos brasileiros que vão escolher o próximo presidente da República. Em teoria, esse terreno seria muito favorável para Geraldo Alckmin –que não tem ido bem no Nordeste nem no Sul, outras regiões com grandes eleitorados.

Faltam pouco mais de 3 semanas para a eleição de 7 de outubro. Alckmin está muito atrás em São Paulo e em Minas Gerais. Tem 15% de intenção de votos entre paulistas. E meros 9% entre mineiros.

O pior para o tucano é que Jair Bolsonaro, que disputa o mesmo eleitor conservador desejado por Alckmin, tem 24% tanto em São Paulo como em Minas Gerais.

Eis os números gerais de intenção de voto nas pesquisas realizadas em São Paulo e em Minas Gerais de 9 a 11 de setembro, com 3.000 entrevistas em cada Estado e margem de erro de 2 pontos percentuais:

O que torna o cenário mais complicado para Geraldo Alckmin é que, entre paulistas, 85% dos que dizem apoiar Jair Bolsonaro declaram que não pretendem mais mudar de posição até o dia da eleição. Essa taxa é de 62% entre mineiros.

Já os eleitores de Alckmin são bem mais volúveis. Só 26% dos simpatizantes do tucano em Minas Gerais afirmam já ter tomado a decisão de votar nele de maneira definitiva. Em São Paulo, a taxa é maior, de 57% –mas ainda bem distante dos 85% cristalizados de Bolsonaro.

Eis os dados sobre certeza de voto nos candidatos a presidente em São Paulo e em Minas Gerais:

BOLSODORIA E ANASTONARO

E o apoio de eleitores que votam em candidatos tucanos para governador? Doria e Anastasia ajudam Alckmin? Poderão alavancá-lo e jogá-lo no 2º turno?

De novo, há outra notícia ruim para o tucano quando se faz os cruzamentos do eleitorado de Doria e de Anastasia com as preferências para presidente em São Paulo e em Minas Gerais.

Antonio Anastasia lidera a corrida pelo governo mineiro com 31%. Desses, 34% afirmam votar em Jair Bolsonaro para presidente. Mas apenas 18% dos apoiadores de Anastasia dizem que escolherão Alckmin em 7 de outubro.

A situação é também desalentadora para o tucano em São Paulo. João Doria tem 21% das intenções de voto para governador, mas 29% desses eleitores afirmam votar em Bolsonaro. Só 21% dos apoiadores de Doria escolhem Alckmin como candidato a presidente.

Esse é 1 fenômeno comum em eleições brasileiras. O eleitor escolhe o governador de 1 partido e o presidente de outra sigla. Em uma eleição houve o voto Lulécio –quando Lula (PT) ganhou para presidente e Aécio Neves (PSDB) para governador de Minas Gerais.

Agora, em 2018, vai se formando em São Paulo o voto BolsoDoria. Em Minas Gerais, o Anastonaro.

Tudo considerado, é extremamente estreito o espaço para crescimento de Geraldo Alckmin nos 2 maiores eleitorados brasileiros.

O tucano encontra 1 muro quando tenta penetrar na seara bolsonarista. Teria de pescar votos entre os eleitores de João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Podemos). Esses 3 juntos têm 10% em São Paulo e 8% em Minas Gerais. Mas não há indicação de que seja fácil fazer apelos para eleitorados tão dispersos ao mesmo tempo e com tão poucos dias para trabalhar tal estratégia.

Por exemplo, Amoêdo, com seus 5% de intenção de voto em São Paulo funciona como uma bola de ferro amarrada nos pés de Alckmin. Para piorar, 67% dos eleitores de Amoêdo dizem que não mudam mais de posição.

CENTRO-ESQUERDA E ESQUERDA

DataPoder360 apurou em São Paulo e Minas Gerais que é muito parelha a disputa entre Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT).

Os 2 candidatos que disputam o voto da centro-esquerda e da esquerda estão empatados entre paulistas e mineiros.

Em São Paulo, Fernando Haddad tem 10% contra 9% de Ciro Gomes.

Em Minas Gerais, o petista também pontua 10%, mas o pedetista vai a 14%. Como a margem de erro é de 2 pontos percentuais, os 2 estão muito próximos do que se considera empate técnico do ponto de vista estatístico.

Marina Silva (Rede), que trafega no centro e flerta com franjas da esquerda e da direita, tem 9% em São Paulo e 7% em Minas Gerais.

O problema de Marina Silva, que já vem sendo apontado há vários meses em levantamentos do DataPoder360, é que seu voto é pouco consistente. Isso tende a fragilizá-la na reta final da campanha.

Apenas 28% dos eleitores paulistas que escolheram Marina dizem que vão manter essa decisão até 7 de outubro. Essa taxa de certeza de voto é uma das mais baixas entre os principais candidatos a presidente em São Paulo.

Em Minas Gerais, o “voto certo” de Marina sobe 1 pouco. Entre seus eleitores, 41% afirmam que a decisão é definitiva. Ocorre que outros concorrentes estão bem à frente. Ciro tem 55% de seus votos certos entre os mineiros. Haddad, 60%.

CAPITAL E INTERIOR

DataPoder360 pesquisou de maneira a estratificar o resultado entre os votos da capital e do interior dos Estados de São Paulo e de Minas Gerais.

Quase todos os candidatos têm votações homogêneas na capital e no interior. Jair Bolsonaro difere 1 pouco.

Em Minas Gerais, o capitão do Exército na reserva tem 20% de intenção de votos em Belo Horizonte e 24% no interior do Estado.

Em São Paulo, Bolsonaro tem 23% na capital e 25% no interior.

Leia também as reportagens sobre a intenção de voto para governador de Minas Gerais e para governador de São Paulo.

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

Há agora também outra novidade no Poder360: o agregador de pesquisas, que reúne todos os levantamentos de todas as empresas que investigam intenção de voto e divulgam seus dados.

Trata-se de ferramenta potente para pesquisadores ou leitores em geral que desejam estar informados sobre o atual processo eleitoral –além de poder observar o que disseram todas as pesquisas desde o ano 2000. Copie a URL e guarde na sua lista de favoritos: https://www.poder360.com.br/pesquisas-de-opiniao/

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só são consideradas as ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

“Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outras se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

Para entender mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas realizadas pelo DataPoder360, leia estes posts:

Conheça a metodologia das pesquisas telefônicas e pessoais face a face

Conheça o impacto da presença de Lula sobre os resultados das pesquisas

Pesquisa por telefone teve maior taxa de acerto nos EUA na eleição de Trump

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa a compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 9 a 11 de setembro de 2018. Este post considerou duas pesquisas realizadas simultaneamente em São Paulo e em Minas Gerais.

Em São Paulo foram entrevistadas 3.000 pessoas com 16 anos ou mais em 191 cidades. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Os números de registro na Justiça Eleitoral são SP-03343/2018 e BR-06432/2018.

Em Minas Gerais foram entrevistadas 3.000 pessoas com 16 anos ou mais em 223 cidades. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Os números de registro na Justiça Eleitoral são MG-00998/2018 e BR-09257/2018.

Fonte: O Antagonista + Poder360

Nenhum comentário