Hong Kong registra novos protestos após plano da China de impor nova lei de segurança nacional

Publicado em 24/05/2020 09:38 e atualizado em 24/05/2020 14:16 203 exibições

A região autônoma de Hong Kong voltou a registrar protestos na manhã deste domingo contra o partido Comunista da China, após o anúncio de que o país planeja uma nova lei de segurança nacional. Os atos tiveram confronto entre manifestantes, em sua maioria formado por jovens, e a polícia local. A manifestação desafia as regras de distanciamento social do país.

A polícia utilizou gás lacrimogêneo, canhões de água e spray de pimenta para dispersar milhares de manifestantes espalhados pelo distrito. Mais de 120 prisões, principalmente por montagem ilegal, foram feitas até às 17h (horário local), informou a polícia.

As tensões aumentaram na cidade desde que a China sinalizou na última quinta-feira que implementaria unilateralmente leis contra subversão e terrorismo, bem como conluio com forças estrangeiras - cuja as quais Pequim culpa por provocar protestos em massa no ano passado.

Grupos pró-democracia em Hong Kong disseram que a decisão de Pequim de ignorar o governo local e a legislatura violou sua promessa de "um país, dois sistemas", conforme acordado com a Inglaterra quando o território foi devolvido em 1997. Segundo esse acordo, a China prometeu defender até 2047, a autonomia do centro financeiro em questões como direito, bem como a liberdade de expressão e reunião das pessoas.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse neste domingo que a medida do legislador chinês visa à "minoria minúscula" cujas atividades prejudicam gravemente a segurança nacional. "Isso não afeta o alto grau de autonomia de Hong Kong, não afeta os direitos e liberdades dos residentes de Hong Kong e não afeta os interesses legítimos dos investidores estrangeiros em Hong Kong", afirmou.

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse que apoia a nova legislação e que a norma garantiria estabilidade e prosperidade na cidade.

Fonte: Dow Jones Newswires

Polícia de Hong Kong dispara gás lacrimogêneo em manifestantes contra lei de segurança

LOGO REUTERS

HONG KONG (Reuters) - A polícia de Hong Kong disparou canhões de água e gás lacrimogêneo para dispersar milhares de pessoas que, desafiando as restrições impostas para conter o coronavírus, se reuniram no domingo para protestar contra o plano de Pequim de impor diretamente leis de segurança nacional à cidade.

Em um retorno da agitação que assolou o centro financeiro no ano passado, multidões lotaram a movimentada área comercial de Causeway Bay, onde cantos de "independência de Hong Kong, a única saída" e outros slogans ecoavam pelas ruas.

Para os líderes do Partido Comunista, os apelos à independência da cidade governada pela China são um anátema, e a nova estrutura de segurança nacional proposta enfatiza a intenção de Pequim "de impedir, impedir e punir" esses atos.

Ao anoitecer, surgiram impasses esporádicos entre a polícia e os manifestantes no distrito de bar e vida noturna de Wan Chai, perto do coração do distrito comercial.

As leis de segurança também causaram calafrio nos mercados financeiros e foram repreendidas por governos estrangeiros, grupos de direitos humanos e alguns lobbies de negócios.

"Estou preocupado que, após a implementação da lei de segurança nacional, eles sigam os que foram acusados anteriormente e a polícia fique mais fora de controle", disse Twinnie, 16, estudante do ensino médio que se recusou a dar seu sobrenome.

"Eu tenho medo de ser preso, mas ainda preciso sair e protestar pelo futuro de Hong Kong."

As manifestações ocorrem em meio a preocupações com o destino da fórmula "um país, dois sistemas" que governa Hong Kong desde o retorno da ex-colônia britânica ao domínio chinês em 1997. O acordo garante à cidade amplas liberdades não vistas no continente, incluindo uma imprensa livre e judiciário independente.

A manifestação de domingo, a maior desde o início dos bloqueios do Covid-19, foi inicialmente organizada contra um projeto de lei nacional, mas as leis de segurança nacional propostas provocaram pedidos para que mais pessoas fossem às ruas.

Enquanto o governo da cidade procurava no domingo dar garantias sobre as novas leis, a polícia conduziu operações de busca em Causeway Bay e alertou as pessoas para não violarem a proibição de reuniões de mais de oito.

Essa restrição, imposta para conter a propagação do coronavírus, manteve os manifestantes em grande parte fora das ruas nos últimos meses.

Os manifestantes fizeram bloqueios nas estradas e atiraram guarda-chuvas, garrafas de água e outros objetos, disse a polícia, acrescentando que eles responderam com gás lacrimogêneo "para parar os atos violentos" e fizeram mais de 120 prisões.

Muitas lojas e outros negócios fecharam cedo.

As cenas caóticas evocaram lembranças dos protestos antigoverno às vezes violentos do ano passado , que atraíram até dois milhões de pessoas no maior protesto individual.

Em um ousado desafio às autoridades do continente, um pequeno grupo de ativistas da democracia protestou do lado de fora do principal escritório de representação de Pequim na cidade, cantando: "A lei de segurança nacional está destruindo dois sistemas".

"No futuro, eles podem prender, prender e silenciar quem quiserem em nome da segurança nacional. Temos que resistir a isso", disse à Reuters o manifestante Avery Ng, da Liga dos Social-Democratas.

Fonte:
Estadão Conteúdo/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário