Questão Indígena: Mídia repercute o assassinato dos irmãos agricultores por índios no RS

Publicado em 29/04/2014 12:52 e atualizado em 30/04/2014 20:48 3453 exibições

Agricultores fazem sepultamento simbólico em Passo Fundo

Agricultores ligados a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf Sul) promoveram na tarde desta terça-feira, em frente a sede regional da Funai, em Passo Fundo, na região Norte do Estado, o sepultamento simbólico de Anderson Souza e Alcemar Souza, mortos segunda-feira, em Faxinalzinho, no Alto Uruguai, em conflito com indígenas. 

Cerca de 800 agricultores saíram em caminhada da agência da Caixa Econômica Federal, onde estavam concentrados desde a manhã, impedindo a entrada de funcionários e clientes e foram até a sede da Funai, no bairro Boqueirão. Com faixas e duas urnas fúnebres simbolizando os agricultores mortos, os manifestantes entoaram palavras de ordem com fortes críticas ao governo federal, especialmente ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pela demora em resolver os conflitos das demarcações de terras indígenas.

As portas e vidros das janelas do prédio foram pichados com tinha vermelha com a palavra: “luto, luto, luto”. Munidos com picaretas e pás, os agricultores abriram duas covas na calçada em frente ao prédio e colocaram duas cruzes para simbolizar o sepultamento. 

O coordenador geral da Fretaf Sul, Rui Valença, disse que o ato tinha como objetivo cobrar das autoridades medidas imediatas para pôr fim aos conflitos devido as demarcações de terras e evitar novos derramamento de sangue. 

Covas foram abertas na calçada em frente ao prédio da Funai - Foto: Correio do Povo

Em O Nacional: Protesto pela morte de dois agricultores em Faxinalzinho

Durante a tarde de terça-feira (29), cerca de 800 agricultores realizaram uma passeata pelas ruas centrais de Passo Fundo em protesto pelo assassinato de dois agricultores do município de Faxinalzinho. Liderados pela Fetraf Sul, eles passaram a manhã em protesto, em frente a agência da Caixa Econômica Federal, reivindicando a liberação de financiamentos habitacionais rurais.

O destino final do protesto é a Funai, localizada no Boqueirão. Abaixo, veja imagens do protesto. As fotos são do portal O Nacional:

Protesto, morte dos produtores

Protesto, morte dos produtores 2

Protesto, morte dos produtores 3

No AU Online: Índios matam dois agricultores e prometem mais ações

Dois agricultores foram encontrados mortos, nesta segunda-feira (28), próximo a uma área onde ocorreram manifestações de índios Kaigangues, do acampamento Kondóia, em Faxinalzinho. Os corpos dos irmãos Alcemar Batista de Souza(42) e Anderson de Souza(27) foram encontrados por volta de 17h, em um local onde os índios interromperam a estrada. Os irmãos teriam sido mortos a tiros e pauladas.

Um forte aparato policial militar entrou na área no final da tarde e início desta noite. Várias estradas, principalmente as que ligam com Benjamim Constante do Sul, Votouro e Nonoai, foram bloqueadas pelos índios. Policias militares de toda a região estão no local onde os peritos do IGP chegaram por volta de 20h30, acompanhados de policiais civis, para identificar e liberar os corpos para o IML.

A polícia acredita que os irmãos, que voltavam para casa de carro, tenham se deparado com o trânsito fechado por árvores derrubadas pelos índios. Os agricultores teriam sido agredidos no momento em que forçavam a passagem pelo local. A competência de investigação da morte dos dois agricultores, é da Polícia Federal, que já anunciou a chegada de uma equipe no local nas primeiras horas desta terça-feira (29).

No Blog Questão Indígena: Dois agricultores são mortos por índios Kaingang no Rio Grande do Sul 

Dois agricultores foram mortos no final da tarde de hoje em um confronto com índios kaingang em Faxinalzinho, na região de Erechim, no norte do Rio Grande do Sul. Os irmãos Anderson e Alcemar Souza tentaram passar por um bloqueio armado pelos índios em protesto e foram mortos a tiros de escopeta pelos índios. Os corpos ainda foram esfaqueados. 

Conforme o Comandante da Brigada Militar do município, sargento Valdecir Golfetto, um grupo de índios bloqueou a estrada que dá acesso às Linhas Faxinal Grande e Coxilhão, no interior da cidade, em um protesto para reivindicar a demarcação de terras indígenas na região. 

Por volta das 17h, um grupo de agricultores tentou liberar a estrada, o que teria iniciado um confronto. Segundo Golfetto, dois agricultores foram mortos a tiros durante o conflito. De acordo com a Polícia Civil de São Valentim, eles foram identificados como Anderson e Alcemar Souza, eram irmãos com idades entre 26 e 35 anos. 

O clima segue tenso no município e policiais militares de Nonoai, Erechim e Passo Fundo estão se deslocando ao local. A Polícia Civil de São Valentim e a Polícia Federal de Passo Fundo também foram acionadas para atender a ocorrência. 

Os corpos dos agricultores estão em um matagal às margens da estrada bloqueada, na Linha Coxilhão. A área foi isolada pela Brigada Militar, que aguarda os peritos do Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Passo Fundo. 

Hoje mais cedo, o Conselho Indigenista Missionário divulgou nota na qual anunciava e manifestava apoio à ação dos índios no norte do estado. 

No Correio do Povo: Prefeito de Faxinalzinho reclama de negligência da União em disputa de terras

Após a morte de dois agricultores de uma mesma família em um suposto confronto com indígenas, o prefeito de Faxinalzinho, Selso Pelin, concedeu entrevista à Rádio Guaíba, em que reclamou da negligência do governo federal com disputa de terraas no município do Alto Uruguai. "O descaso é vergonhoso. O acampamento indígena existe há 11 anos. Quando tudo aconteceu, pedimos reforço da Brigada Militar porque sabíamos que o clima esquentaria. Pedimos providência à Promotoria Pública, mas infelizmente não deu tempo. Tudo tem que ser feito por etapas e somente a Polícia Federal pode agir nas questões indígenas", explicou. 

Pelin relatou que há pelo menos oito anos o município conseguiu na Justiça uma ação de despejo contra os indígenas, mas até agora nada aconteceu. "A burocracia é muito grande. A gente até já sabia que eles estavam armados e por isso alertamos todas as autoridades. Ontem, com muito esforço, eles permitiram a passagem de uma ambulância para auxiliar a família dos agricultores. Eu tenho os documentos e os boletins que fizemos", disse. 

O prefeito de Faxinalzinho lembrou que os indígenas derrubaram árvores em todas as estradas vicinais do município, bloqueando a saída e a entrada de agricultores da região. "Alguns trabalhadores nem receberam a ração destinada aos suínos", acrescentou. 

Mortes

Dois agricultores de uma mesma família, Anderson de Souza e Alcemar de Souza, morreram no final da tarde dessa segunda-feira em suposto confronto com indígenas no município de Faxinalzinho. Eles foram mortos na Linha Coxilhão em uma propriedade rural a cerca de 15 quilômetros do centro da cidade e a quatro quilômetros de onde aproximadamente 200 indígenas estão acampados há 11 anos.

O grupo estaria em uma área invadida e reivindica a criação de uma reserva no local que fica a cerca de 10 quilômetros da reserva do Votouro, no município de Benjamin Constant do Sul.

No Uol: Irmãos morrem em conflito por terra entre índios e agricultores no RS

O conflito histórico por terra, entre índios e agricultores, resultou na morte de dois produtores rurais, no fim da tarde dessa segunda-feira (28), no norte do Rio Grande do Sul. A PF (Polícia Federal) investiga o caso, e um representante da Funai (Fundação Nacional do Índio) está a caminho da região para mediar o conflito.

Os irmãos Anderson de Souza, 28, e Alcemar de Souza, 33, foram encontrados mortos com marcas de tiro e diversos ferimentos no interior do município de Faxinalzinho (415 km de Porto Alegre), no Alto Uruguai. Os corpos estavam em uma propriedade rural na localidade de Linha Coxilhão.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, a dupla teria tentado furar o bloqueio a uma estrada feito pelos indígenas, que protestam pela demarcação de terras. Houve desentendimento. Os irmãos fugiram, mas foram perseguidos.

"Existem perfuração com armas compridas, alguns cartuchos de armas 12 e 28, mas não se sabe de quem eram essas armas", afirmou o delegado da Polícia Civil Sérgio Luiz Zanatta.

Por se tratar de uma questão envolvendo indígenas, a PF é quem vai investigar o episódio. Ainda nessa segunda-feira, a Funai informou que destacou representantes para acompanhar o caso no local.

Desde o início da semana, os índios vêm bloqueando diversas estradas na região. Eles reclamam do descaso dos governos estadual e federal com sua questão. Eles dizem que parte da área lhes pertence.

"Por que a gente briga pelas demarcações de terra? Para ter um espaço para viver. Daqui a pouco a gente vai ter que morar nas periferias da cidade", declarou nesta terça-feira (29), em entrevista à rádio Guaíba, de Porto Alegre, o cacique da tribo caingangue Toldo do Votouro, Deoclídes de Paula.

No G1 RS: Agricultores são encontrados mortos em área de conflito indígena no RS

Dois agricultores foram encontrados mortos, nesta segunda-feira (28), próximo a uma área onde ocorreram manifestações de indígenas, em Faxinalzinho, no norte do Rio Grande do Sul. A informação é da Polícia Federal (PF), que pretende enviar uma equipe para investigar o caso a partir desta terça (29).

As vítimas são irmãos, e têm idades de 27 e 42 anos. Eles foram baleados com tiros de espingarda de calibre 12 e atingidos por facadas. Uma perícia era realizada no local no final da noite.

As mortes ocorreram após o protesto promovido por cerca de 40 indígenas que bloquearam trechos da estrada na altura da comunidade de Coxilhão. A PF informou que investiga se os agricultores mortos teriam sido agredidos ao tentar liberar um dos trechos.

Os índios da região cobram uma audiência da comissão de caciques do estado com o Ministério da Justiça. Lideranças locais informaram que reuniões já teriam sido desmarcadas duas vezes.

Nos links abaixo, confira entrevistas com lideranças do setor e produtores sobre o caso, descrito por eles como uma tragédia anunciada:

>> Paulo de Moraes - Produtor Rural de Faxinalzinho/RS

>> Luiz Carlos Heinze - Deputado Federal PP-RS

>> João Picolli - Presidente do Sindicato Rural de Erechim/RS

>> Selso Pelin - Prefeito de Faxinalzinho/RS

>> Elton Weber - Presidente da Fetag RS

>> Renato Palagio - Vice-Presidente da Associação dos Produtores de Mato Castelhano/RS

>> Paulo Ricardo Dias - Presidente da Comissão Fundiária da Farsul

Veja imagens depois do conflito acontecido nesta segunda-feira. As fotos são do AU Online:

Índios matam Produtores 5

Índios matam Produtores 4

Índios matam Produtores 3

Índios matam Produtores 2

Índios matam Produtores

Índios matam Produtores 6

Índios matam Produtores 7

 

Fonte:
AU + Correio do Povo + Uol

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário