Soja sobe com clima adverso no Brasil e compras da China

Publicado em 18/10/2012 15:40 e atualizado em 19/10/2012 09:47 2038 exibições
A soja conseguiu ampliar seus ganhos, sustentou a alta e encerrou a quinta-feira avançando mais de 30 pontos nos principais vencimentos negociados na Bolsa de Chicago. A volta dos compradores ao mercado, segundo analistas, foi o principal motivo para os expressivos ganhos registrados nesta sessão. 

Para Pedro Dejneka, analista da PHDerivativos, o movimento do mercdo não surpreendeu, porém, a velocidade desse movimento sim. segundo ele, fundamentalmente, preços abaixos dos US$ 15 por bushel deverão ser comprados nesse momentoe por isso o movimento não surpreende. 

Entretanto, reafirma que o mercado vinha bastante técnico, guiado por análises técnicas que apontavam para pelo menos um teste na da área dos US$ 14,80 se, além disso, outro ponto importante no gráfico na área de $14,60. "Ou seja, isto tudo apenas comprova que o mercado não é uma ciência exata e que devemos estar prontos para “surpresas” sempre", diz Dejneka. 

Além disso, os dados de exportações semanais de soja dos EUA abaixo das expectativas também não atrapalhou o bom desempenho do mercado no pregão de hoje. 

Paralelamente, há ainda os olhos dos investidores voltados para o andamento da safra na América do Sul. Há informações de que as chuvas no Centro-Oeste estão menos frequentes, o que estaria atrasando o plantio da soja no Mato Grosso. Já no sul do Brasil, a semeadura também poderá ser comprometida em função do excesso de precipitações. 

Segundo Olívia Nunes, meteorogista da Somar Meteorologia, no Centro-Oeste, o plantio pode atrasar devido ao tempo mais seco e às chuvas irregulares, enquanto no Rio Grande do Sul, as chuvas acabam vindo de forma mais constante, atrsando o plantio nas duas situações.  

"O mercado hoje “se ligou” em uma história sobre possível seca no centro-norte do Brasil nas próximas semanas.  Não estou falando que a seca em si será real, só o tempo dirá isto,mas o mercado, no momento, presta atenção em tudo que possa vir ameaçar a enorme safra esperada aí na América do Sul", explica o analista. 

Veja abaixo a nota de Pedro Dejneka sobre o mercado desta quinta-feira:

Direção do Mercado hoje não surpreende – mas velocidade do movimento sim.
De olho na área de $15,55 - $15,70 para a soja.
$15,55 é a média móvel de 100 dias e $15,70 é outro ponto forte de resistência.
Um fechamento acima destes níveis poderá impulsionar o mercado rumo á $16.  Ainda é muito cedo para contar com isto acontecendo na minha opinião – mas já vimos coisas bem mais estranhas neste mercado recentemente.  Tudo é possível...
Sinceramente, eu (e muitos aqui) esperava que a SX fosse preencher o GAP deixado no gráfico no início de Julho, na área de $14,75 - $14,80 (a baixa esta semana foi $14,84, deixando muitos aqui perplexos por não ter buscado pelo menos  a parte de cima do GAP, $14,80).  Fundamentalmente falando, preços abaixo de $15 devem ser comprados no momento... por isso o movimento de hoje não surpreende tanto.  Mas o mercado vinha extremamente técnico recentemente, e a análise técnica apontava para pelo menos um teste da área de $14,80 e se fosse além disto, tínhamos outro ponto importante no gráfico na área de $14,60.  Ou seja, isto tudo apenas comprova que o mercado não é uma ciência exata e que devemos estar prontos para “surpresas” sempre...
Os dados de exportação desta manhã vieram abaixo das expectativas... mesmo assim – o mercado ignorou bem e seguiu “para o alto, e avante”.
Muito “papo” no piso e nos círculos comerciais por aqui de contínuo interesse Chinês na baixa recente.
O mercado hj “se ligou” em uma história sobre possível seca no centro-norte do BR nas próximas semanas.  Não estou falando que a seca em si será real, só o tempo dirá isto... mas o mercado, no momento, presta atenção em tudo que possa vir ameaçar a enorme safra esperada aí na América do Sul. 
Milho segue sem muitas notícias individuais e apenas faz parte de um jogo de “siga o líder” hoje...
Ainda assim, é difícil achar alguém corajoso suficiente para vender milho abaixo de $7,35 - $7,40.  A única maneira que o milho pode voltar á níveis menores que estes sería através de uma nova onda de liquidação técnica...  pois fundamentalmente falando, milho achará suporte toda vez que voltar á estes níveis.  Ao mesmo tempo, o grão não tem faísca o suficiente para “disparar” no momento.  Para subir precisará de pelo menos um dos três fenômenos abaixo:
·  Precisaremos ver ou indícios de demanda nova no grão
· o mercado físico (prêmio/basis) firme e forte
· outra onda de compras especulativas, lideradas pelo macro cenário ou por outra commodity
Já o trigo também tem um “drama” próprio, com clima continuadamente ameaçando safras e demanda cada vez mais forte e evidente ao redor do mundo.  Esta demanda ainda não chegou aqui nos EUA, mas a expectativa é que chegue logo. Trigo abaixo de $8,45 - $8,50 é visto como excelente oportunidade para compra no curto/médio prazo.

A PERGUNTA DE 1 BILHÃO DE DÓLARES É:

A alta de hoje é apenas um rally temporário de “short covering” ou é o início de uma nova onda de compra no curto prazo? 
Para mim, precisamos ver o mercado fechar bem, em nota positiva e perto das máximas do dia para que o rally convença e atraia novo interesse especulativo... se não tivermos isto, os Bears (baixistas) podem entrar com tudo nos próximos dias aproveitando a alta para vender...  
Dois pequenos (GRANDES) detalhes...

1.       Se o clima no Centro Oeste Brasileiro realmente complicar para os próximas duas semanas (seco) o mercado tomará providências para “precificar” isto nas cotações...

2.       O volume especulativo está bem presente hoje.  Tivemos 6 ocasiões já durante o pregão em que mais de 1.000 contratos foram negociados em 1 minuto.  Com destaque para 6.196 contratos comprados ás 11:36hs (Chicago).  Fundos voltando ou simplesmente recomprando apostas de vendas feitas nos últimos dias?????
Veremos... de olho nos fundos e nos mapas climáticos para o Centro-Oeste Brasileiro...
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário