Soja tem nova manhã de altas em Chicago nesta 5ª com recuperação técnica e suporte da demanda

Publicado em 04/08/2016 08:14
1213 exibições

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago registram sua segunda sessão consecutiva de altas nesta quinta-feira (4) e, por volta das 7h55 (horário de Brasília), os ganhos variavam entre 8,50 e 10 pontos entre os principais vencimentos, com o novembro/16 sendo cotado a US$ 9,64 por bushel. A exceção fica por conta do contrato agosto/16, que está em seus últimos dias de negociação, e que trabalhava do lado negativo da tabela, recuando pouco mais de 5 pontos para US$ 9,85. 

Analistas internacioanais afirmam que, apesar de ainda frágil, os preços parecem seguir um movimento de recuperação depois das baixas intensas das sessões anteriores, apoiados também no bom momento da demanda pela soja norte-americano. Entretanto, ainda não descartam a pressão exercida pelas boas condições de clima nos EUA e as perspectivas de que a safra 2016/17 seja recorde no país. 

"O mercado vai ver a disputa entre as exportações fortes dos EUA e o potencial crescente da nova safra", diz Tobin Gorey, diretor de estratégia agrícola do Commonwealth Bank of Australia em entrevista à Reuters. Nos últimos cinco dias de mercado, as novas vendas americanas passam de 2 milhões de toneladas. 

Hoje o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reporta, ainda pela manhã, seu novo boletim semanal de vendas para exportação. 

Veja como fechou o mercado nesta quarta-feira:

Soja tem dia positivo na Bolsa de Chicago nesta 4ª feira, mas perde força a fecha estável

O mercado futuro norte-americano da soja trabalhou em alta durante todo o pregão desta quarta-feira (3) e fechou o dia próximo da estabilidade, porém, com do lado positivo da tabela. Entre as posições mais negociadas na Bolsa de Chicago, os ganhos ficaram entre 1,25 e 5,25 pontos, com os vencimentos mais próximos subindo mais. Assim, o agosto/16 foi a US$ 9,90 e o novembro/16, referência para a nova safra americana, a US$ 9,55 por bushel. 

Como explicou o economista e analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais, a sessão foi de recuperação após as perdas severas já registradas nesta semana, as quais tiraram importantes patamares de suporte para as cotações. 

O dia foi, portanto, de recuperação técnica. E contribuiu ainda para o avanço dos preços ou para limitar eventuais novas baixas, as boas informações vindas da demanda global pela soja norte-americana. De acordo com os últimos anúncios reportados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), somente no acumulado desta semana, as vendas americanas de soja já passa de 1,3 milhão de toneladas. 

"Os Estados Unidos se mostram mais competitivos agora. Com as quebras no Brasil, que vai reduzindo suas exportações por conta da menor oferta, e na Argentina, os compradores vão buscar a oferta americana", afirma Motter. 

Leia mais:

>> Grãos: ADM confirma força da demanda e vê aumento das exportações dos EUA 

O analista da Granoeste, por outro lado, reforça a influência que ainda existe do mercado climático e das perspectivas de uma grande safra vinda dos EUA sobre os preços. A temporada norte-americana ainda não está concluída e, até o momento, dá continuidade ao seu desenvolvimento sob um cenário de clima bastante adequado, o qual tem, inclusive, estimulado consultorias internacionais a revisar suas projeções para a safra americana. 

"Eu acredito que as desvantagens que esta safra poderia sofrer já foram quase todas minimizadas. O tempo teria que dar uma virada de 180 graus, começando imediatamente, e se instalar em um padrão bem mais quente e seco para trazer algum impacto negativo para a produção. As altas temperaturas atuais não trazem prejuízos dado os bons níveis de umidade do solo", explica o consultor internacional Michael Cordonnier. 

As últimas previsões do tempo indicam que, nos próximos dias, o calor deverá começar a diminuir no Meio-Oeste americano, na medida em que uma nova frente traz mais chuvas para a região. Já nos próximos sete dias, o coração do Corn Belt vê volumes ligeiramente menores de chuvas. 

Leia mais:

>> EUA: Consultores internacionais estimam alta nos índices de produtividade de soja e milho

Mercado Interno

Os preços subiram na Bolsa de Chicago nesta quarta-feira, porém, perderma parte da força ao longo do dia e os ganhos foram insuficientes para promover altas sustentáveis nas referências para o mercado brasileiro. Assim, as praças de comercialização, entre as principais, que não apresentaram estabilidade, recuaram. Nos portos, a situação foi a mesma.

No interior, as referências de importantes regiões produtoras têm variado de R$ 66,00 a R$ 78,00 por saca, com o mercado ainda se mostrando bastante regionalizado e os produtores aproveitando alguns momentos mais oportunos para a realização de novos negócios. 

Já para os terminais de exportação, estabilidade nos R$ 80,00 para o disponível em Paranaguá e queda de 1,76% para R$ 78,00 em Rio Grande. Já no mercado futuro, R$ 78,00 no terminal paranaense, perdendo 0,64%, e estável nos R$ 77,00 no porto gaúcho. 

O dólar, ao final do dia, inverteu seu movimento, voltou a recuar e fechou com baixa de 0,77% a R$ 3,2408. Na máxima da sessão, a divisa foi a R$ 3,2928, mas perdeu força. "O dia começou bem desfavorável para os emergentes, mas o petróleo voltou a subir e reviveu a procura por moedas de rendimento alto", resumiu o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues em entrevista à agência de notícias Reuters.

Leia mais:

>> Dólar fecha em queda e abaixo de R$ 3,25 com petróleo e expectativa de fluxo positivo 

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário