Soja: Mercado se mantém estável nesta 3ª em Chicago e se posiciona à espera dos próximos boletins do USDA

Publicado em 21/03/2017 07:53 e atualizado em 21/03/2017 08:26
1393 exibições

A estabilidade continua no mercado da soja na Bolsa de Chicago na sessão desta terça-feira (21). Por volta das 7h25 (horário de Brasília), os contratos mais negociados perdiam de 1 a 1,50 ponto, com o maio/17 valendo US$ 9,98 e, na sequência, o julho/17 sendo negociadoa a US$ 10,08 por bushel. 

Os preços dão continuidade ao movimento pouco expressivo registrado no fechamento da sessão anterior e parece já se posicionar à espera dos dois novos reportes que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz no próximo dia 31. 

Além das primeiras projeções oficiais para o plantio da safra 2017/18 norte-americana, o departamento atualiza ainda os estoques trimestrais de grãos do país na posição de 1º de março. Entretanto, analistas internacionais afirmam que "para a soja, as estimativas dos estiques são tipicamente ofuscadas pelas estimativas de plantio". 

E sobre a nova temporada dos EUA, as atenções todas se voltam agora para as condições de clima para os trabalhos de campo durante a primavera americana e para a disputa de área entre a soja e o milho. Defendendo uma relação de 2,57 entre os dois preços, ainda segundo analistas internacionais, o vencimento novembro - que é referência para a safra americana, pode testar os US$ 9,91. Hoje, a posição é negociada em US$ 9,92. 

Essas referências mais baixas em Chicago, porém, já poderiam estimular ainda uma nova onda de vendas por parte dos fundos investidores, que procuram por boas oportunidades. 

No dólar, atenção ao index nesta terça-feira. O índice - que representa o dólar frente a uma cesta de moedas internacionais - perdia os 100 pontos na manhã de hoje, com baixa, perto de 7h50 (Brasília), quase 0,5%. 

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

>> Soja fecha estável em Chicago e, com dólar abaixo de R$ 3,10, Paranaguá vai a R$ 69/saca

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário