Soja: Bolsa de Chicago tem 4ª feira de estabilidade à espera de novas noticias

Publicado em 06/02/2019 09:59
614 exibições

LOGO nalogo

O mercado da soja opera com estabilidade nesta manhã de quarta-feira (6). As cotações, por volta de 9h30 (horário de Brasília), trabalhavam com pequenas baixas de 0,25 ponto e somente nas posições mais distantes. Nesse cenário, o março trabalhava com US$ 9,20 e o maio com US$ 9,34 por bushel. 

As cotações ainda refletem a cautela dos traders e a espera por novas informações que possam estimulá-las, enfim. No final da semana, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz seu novo boletim mensal de oferta e demanda e, depois de um janeiro sem estes dados, o mercado espera por eles agora em fevereiro para definirem uma melhor posição. Até lá, todos permanecem na defensiva. 

Da mesma forma, mas com menos intensidade, segue o acompanhamento do desenvolvimento e conclusão da safra da América do Sul, tal qual da guerra comercial entre China e Estados Unidos. E em ambos os casos também não há novas informações que possam mudar o contexto dos preços. 

"Novas compras de até 1 MT da soja-EUA deverá ser adicionada pela China nas próximas 24 horas. No Brasil, a colheita avança e as perdas de produção na soja são contabilizadas, entretanto, o total estimado da produção na América do Sul ainda é elevado, limitando os efeitos no mercado", acreditam analistas de mercado da ARC Mercosul.

Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:

>> Soja fecha com leve alta nesta 3ª em Chicago e efeito das compras da China é amenizado

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • marlon paniagua SAO PAULO - SP

    "O total estimado da produção na América do Sul ainda é elevado, limitando os efeitos no mercado", acreditam analistas de mercado da ARC Mercosul.

    Por favor me esclareçam , qual seria o numero de produçao que mexeria entao com o mercado, tudo indica que teremos uma oferta menor de soja ate comparativamente a 2012 .

    o total estimado da produção na América do Sul ainda é elevado, limitando os efeitos no mercado", acreditam analistas de mercado da ARC Mercosul.

    1